Classificado, Brasil perde para Grécia no Polo Aquático Masculino

Com o resultado, gregos assumiram liderança ao lado do Brasil, que leva desvantagem no critério de confrontos diretos

Classificado, Brasil perde para Grécia no Polo Aquático Masculino
Foto: Getty Images - Quinn Rooney
Grécia
9 4
Brasil

Após três vitórias seguidas no Torneio Masculino de Polo Aquático dos Jogos Olímpicos, a Seleção Brasileira perdeu para a Grécia na noite desta sexta-feira (12), no Maria Lenk. Após bom início de jogo, com consistência e força, apesar de sempre atrás no placar, os brasileiros não conseguiram manter o ritmo, desperdiçaram inúmeras oportunidades de vantagem numérica por exclusões adversárias, e não conseguiu acompanhar a escalada no placar da equipe grega. A derrota não influencia tanto na campanha, já que com as três vitorias, contra Austrália, Japão e Sérvia, a classificação para a fase de Quartas de Finais já estava garantida.

Com a vitória, a Grécia chegou aos mesmos seis pontos somados pela equipe brasileira, mas levando agora vantagem, devido ao critério do confronto direto. As duas equipes ocupam as primeiras posições do Grupo A, e deverão cruzar com as piores colocadas do Grupo B. hoje, o adversário do Brasil seria a Espanha.

Brasileiros e húngaros se enfrentam no próximo domingo (14), às 20h50, valendo definição de posição no grupo. Os gregos enfrentam a Austrália às 14h10 e, caso tropecem, o Brasil ficará a uma vitória da liderança na chave, o que poderá lhe beneficiar no cruzamento. Neste sábado (13), às 11h40, é a vez das meninas entrarem a piscina. Com duas derrotas na bagagem, mas já classificadas previamente pela ausência de eliminação na primeira fase, a Seleção vive o oposto dos homens. Passando em último lugar no Grupo A, pegarão a melhor equipe do outro grupo.

Brasil faz bom primeiro quarto mas deixa ritmo cair e Grécia abre vantagem já na primeira metade de jogo

Classificado, o Brasil enfrentava uma equipe que necessitava do resultado. Não adiantava, para a Grécia, perder mais uma, e até o empate não cairia bem. Por isso, os gregos trataram de buscar o gol já nos primeiros segundos de partida. Sempre com jogadas rápidas e agudas, era difícil para a defesa brasileira segurar as investidas adversárias. Em uma rápida troca de passes, buscando o central, no meio da defesa aberta, a Grécia abriu o placar.

Segundos depois, os europeus tornaram a marcar, calando parcialmente o Parque Aquático Maria Lenk. Embora a derrota não significasse muito para o Brasil, as atuações, principalmente contra a Sérvia, considerada por muitos a melhor da divisão masculina da modalidade, animou demais os torcedores, que esperavam novo triunfo. Por isso, os atletas “verde e amarelos” tentaram manter o abatimento longe, e diminuíram o placar para 2 a 1, no último lance do primeiro quarto.

No segundo quarto de partida, as equipes retornaram com uma pegada um pouco mais tranquila. Marcando por zona, as defesas permitiam espaços aos ataques, que por vezes, ficaram numericamente em vantagem, graças a exclusões por faltas graves. Neste momento começava a se desenhar a vitória grega, que conseguiu manter um ótimo aproveitamento em situações de vantagem, marcando gols na maioria delas. Já o Brasil, como nas últimas partidas, pecou no fundamento, e viu a vantagem no placar começar a crescer. No fim da primeira metade de partida, o marcador mostrava 4 a 2 para a Grécia.

Nos últimos quartos, Brasil segue mal, cansa e Grécia aplica goleada

Já no início do terceiro quarto de jogo, os gregos demonstravam que haviam ido ao Maria Lenk para vencer. Com bela troca de passes, “de mão em mão”, os alvianis colocaram a bola na rede de Slobodan Soro, o goleiro sérvio naturalizado brasileiro, considerado referência na posição.

Antes que o Brasil pudesse se reorganizar, mais um gol Grego. 6 a 2. O “baque” serviu de alerta, e os brasileiros passaram então a buscar mais o gol, com mais calma e paciência, rodando a bola, assim como os gregos vinham fazendo desde o apito inicial. Conseguiram chegar ao terceiro gol logo em sequência, mas os gregos então, atacaram e marcaram o sétimo gol.

A superioridade grega na partida era evidente. Para cada gol marcado pelos brasileiros, a Grécia marcava dois. E foi assim até o fim, com ótimo aproveitamento em jogadas de ”6 contra 5”, mantendo uma defesa sólida e sem que seu goleiro trabalhasse muito. No final, a vitória ficou com os gregos pelo placar de 9 a 4, garantindo então, a exemplo dos brasileiros, a classificação para as Quartas de Finais.