Recordar é viver: no último Brasil x Argentina do Mineirão, muita polêmica e empate sem gols

Relembre os lances de Brasil x Argentina pelas Eliminatórias da Copa de 2010

Recordar é viver: no último Brasil x Argentina do Mineirão, muita polêmica e empate sem gols
RECORDAR É VIVER: Brasil 0 x 0 Argentina no Mineirão - Eliminatórias da Copa de 2010
Brasil
0 0
Argentina
Brasil : Júlio César, Maicon, Juan, Lúcio e Gilberto; Mineiro, Gilberto Silva, Anderson (Diego) (Daniel Alves) e Julio Baptista; Robinho e Adriano (Luis Fabiano). Técnico: Dunga.
Argentina: Abbondanzieri, Burdisso, Coloccini e Heinze; Zanetti, Mascherano, Gago, Riquelme (Battaglia) e Gutierrez; Messi (Palacio) e Cruz (Agüero). Técnico: Alfio Basile.
Placar: -
ÁRBITRO: Árbitro: Oscar Ruiz (COL). Auxiliares: Wilson Berrío (COL) e Rafael Rivas (COL).
INCIDENCIAS: Partida válida pelas Eliminatórias da Copa de 2010

Brasil e Argentina é, talvez, a maior rivalidade futebolística do mundo. Ao certo, ninguém sabe dizer a origem e tal richa. Talvez a disputa entre Pelé e Maradona tenham incitado tamanha rivalidade. Mas, o que todos sabem é que quando o clássico acontece mexe com milhões de torcedores. E, no próximo dia 10, quinta-feira, as seleções se enfrentam no Mineirão pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018.

Um zero a zero repleto de tensão 

O confronto entre brasileiros e argentinos no Mineirão aconteceu em 2008, pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2010, e, a julgar pelo que foi visto em campo a popularidade do então técnico Dunga teve o início de seu desgaste. Com o empate em 0 a 0, o treinador ouviu toda a sorte de gritos hostis, pedindo sua saída. As vaias começaram a serem ouvidas antes mesmo da bola rolar, quando seu nome foi apresentado no telão do Mineirão. Para aquele jogo, Dunga apostou  em Adriano no ataque na vaga de Luis Fabiano. No meio, Anderson e Julio Baptista ocuparam as vagas de Josué e Diego. 

O nervosismo bateu. Anderson, na época jogador do Manchester United, errou muitos passes e saiu aos 33 minutos do primeiro tempo, sentindo dores no joelho esquerdo. Diego entrou. Mas nada parecia dar certo. Todo o time, nervoso, errava muitos passes e não levava perigo à meta do então goleiro argentino Abbondanzieri. O primeiro chute a gol do Brasil só saiu aos 22 minutos, quando após chute de Robinho, a bola espirrou e sobrou limpa para Julio Baptista que disperdiçou. Logo depois, Robinho tebe putra belíssima chance ao driblar Abbondanzieri rente à linha de fundo e partiu para dentro da área. O atacante, entretanto, não conseguiu finalizar. 

Os hermanos respeitaram a seleção e não criaram muitas chances no primeiro tempo. Com o grandalhão Cruz como referência e Gutierrez na ala esquerda, a Argentina foi impecável na marcação, porém, tímida no ataque. Duas ou três boas chances. E nada a mais. Todavia, na segunda etapa da partida, os argentinos cresceram e ficaram muito perto de abrir o marcador do Mineirão, deixando a torcida brasileira ainda mais irritada. 

Com muita dificuldade, o Brasil tentou equilibrar a partida. No entanto, os hermanos passaram a parar as jogadas com falta. Os volantes Gago e Mascherano levaram cartões amarelos quase que um após o outro. Com o jogo tenso, ambas equipes então mexeram no ataque. Dunga, por sua vez pôs Luis Fabiano no lugar de Adriano. Foi a gota d'água para os brasileiros presentes no Estádio do Mineirão. O nome de Pato era o mais gritado antes da substituição no Mineirão, e, com a substituição as vaias deram lugar aos gritos de burro. Daí para a frente, o treinador foi muito hostilizado. Foi chamado também de jumento, além de ouvir  o coro de "Adeus, Dunga".

Argentinos gritam: 'Fica, Dunga!'

Após as derrotas para Venezuela e Paraguai, Dunga conquistou o apoio da torcida no Mineirão. Mas da torcida argentina. Minoria no Mineirão, os hermanos ironizaram o técnico brasileiro com um cartaz e gritos de "Fica, Dunga!".

Na próxima quinta-feira, 10, Brasil e Argentina se enfrentam novamente no Mineirão. Desta vez, pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. O Brasil, após a chegada de Tite arrancou e é líder coom 21 pontos. Já os Hermanos, comandados por Bauza ocupam a sexta colocação, com 16 pontos conquistados, e tentam, diante da seleção brasileira voltar à zona de classificação.