Copa América Centenário organizada em parceria entre Conmebol e Concacaf

Entidades firmaram acordo da primeira Copa América fora da América do Sul; Confederações enfrentaram problemas com corrupção

Copa América Centenário organizada em parceria entre Conmebol e Concacaf
Divulgação / Confederação Sul-Americana de Futebol

A Copa América Centenário é uma edição especial do torneio de seleções mais antigo do planeta. Em alusão aos 100 anos da primeira disputa, vencida pelo Uruguai em 1916, a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) e a Confederação da América do Norte, Central e Caribe (Concacaf) organizaram a competição nos Estados Unidos.

Além do centenário das disputas organizadas entre seleções, é também atingida a marca dos 100 anos da própria Conmebol. O acordo com a Concacaf permite a primeira Copa América realizada fora da América do Sul.

É o ano com mais participantes na competição. São 16 ao todo, sendo dez acostumados representantes da Conmebol e outros seis da Concacaf. Estados Unidos, país-sede, México, Costa Rica, Jamaica, Panamá e Haiti. Os dois últimos garantiram vaga através de um play off realizado de acordo com o desempenho na Copa Ouro da Concacaf de 2015.

Torneio semelhante ocorreu na década de 1950. Na época, havia o Campeonato Pan-Americano de Futebol, diferentes dos Jogos Pan-Americanos. Nas ocasiões disputadas em 1952, 1956 e 1960, houve a tentativa de reunir os países das três Américas, uma vez que a Copa América era restrita aos países sul-americanos.

Outro campeonato da Conmebol com partidas nos Estados Unidos foi a Recopa Sul-Americana. Em 1990, Atlético Nacional, campeão da Libertadores 1989, enfrentou o Boca Juniors, campeão da Supercopa da Libertadores 1989. Após passagem pelo Japão entre 1992 e 1997, quando São Paulo conquistou em 94 e o Grêmio em 96, o torneio voltou aos Estados Unidos com as disputas de 2003 e 2004. Foram jogos únicos entre o campeão da Libertadores e o campeão da Copa Sul-Americana.

Organização conjunta e problemas com corrupção

A presente edição da Copa América começou a ser formulada em 2012. O então presidente interino da Concacaf, Alfredo Hawit manifestou o interesse do torneio em solo estadunidense. O ex-presidente da Conmebol, Nicolás Leoz concordou com a medida. A Confederação Sul-Americana confirmou a Copa América Centenário em 24 de outubro de 2012. Na época, já era prevista a participação de Estados Unidos, México e mais quatro países da Copa Ouro.

Os casos de corrupção na Fifa ameaçaram a realização da Copa América Centenário. O estouro em 2015 com acusações a pessoas de diferentes cargos na entidade colocou a competição sob suspeita. Eram estimados US$ 110 milhões para a escolha dos Estados Unidos como país-sede da Copa América Centenário.

Em 2015, o então presidente da Conmebol Juan Ángel Napout confirmou a edição especial da Copa. A condição dos Estados Unidos de país-sede foi ameaçada por conta das investigações do FBI pela corrupção, fraude e lavagem de dinheiro analisadas em entidades organizadoras. Somente em agosto de 2015, houve a confirmação dos EUA como sede.

O próprio ex-presidente da Conmebol, Juan Ángel Napout, o brasileiro José Maria Marín, o nicaragua Julio Rocha, o uruguaio Eugenio Figueredo, o hondurenho Alfredo Hawit e outros dirigentes foram extraditados da Suiça, em mandados emitidos.

Com as investigações passando o pente nas organizações criminosas, o paraguaio Alejandro Dominguez é o atual presidente da Confederação Sul-Americana. Com a extradição de Alfredo Hawit, acusado de recebimento de propina e lavagem de dinheiro, o atual comando da Concacaf fica com o primeiro canadense na história deste cargo, Victor Montagliani.

"Eu prometo trabalhar para vocês todos os dias e estar lá para vocês, mas espero, também, seu apoio ter unidade e camaradagem na região", disse o canadense em sua apresentação como presidente da Confederação das Américas do Norte, Central e Caribe, em posse alcançada no último dia 12 de maio.