Argentina e Chile se enfrentam na final da Copa América Centenário

Seleções se enfrentam em reedição da final da Copa América de 2015; Argentina tenta quebrar jejum

Argentina e Chile se enfrentam na final da Copa América Centenário
Argentina
Chile
Argentina: Sergio Romero; Mercado, Otamendi, Funes Mori e Marcos Rojo; Mascherano, Cuesta e Banega; Lamela, Higuaín e Messi. Técnico: Gerardo Martino.
Chile: Claudio Bravo; Isla, Medel, Gonzalo Jara e Beausejour; Aránguiz, Francisco Silva e Pablo Hernández; Fuenzalida, Vargas e Alexis Sánchez. Técnico: Juan Antonio Pizzi.
ÁRBITRO: Heber Roberto Lopes (BRA)
INCIDENCIAS: Partida válida pela final da Copa América Centenário, a ser realizada no MetLife Stadium, nos Estados Unidos

Argentina e Chile entram em campo neste domingo (26) para decidir a Copa América Centenário. As duas seleções reeditam a final do ano passado e os argentinos chegam em clima de revanche para o confronto. O duelo acontece às 21h (horário de Brasília), no MetLife Stadium, em Nova Jersey, Estados Unidos.

As duas equipes se enfrentaram na partida de estreia da competição e o jogo terminou 2 a 1 para o lado azul. Mesmo sem Messi, a equipe contou com Dí Maria e Banega desequilibrando para começar com o pé direito.

Heber Roberto Lopes será o árbitro principal da decisão da Copa América. Os brasileiros Kleber Gil e Bruno Boschilia serão seus auxiliares.

Depois de 23 anos sem títulos, Argentina busca encerrar jejum

A seleção argentina chega mordida para esta final. Após bater na trave na Copa do Mundo e chegar perto na Copa América de 2015, os hermanos vão tentar usar seu trunfo para surpreender o Chile: Lionel Messi. O craque chega à decisão com cinco gols e quatro assistências no torneio.

A Argentina fez uma competição com 100% de aproveitamento e muitas goleadas pelo caminho. Na fase de grupos, 2 a 1 em cima do Chile, 5 a 0 no Panamá e 3 a 0 na Bolívia. Pelas quartas de final, 4 a 1 na Venezuela. Nas semifinais, um 4 a 0 em cima dos Estados Unidos decretou a vaga para a grande final.

Tata Martino não poderá escalar Lavezzi e Fernández, lesionados. Segundo o treinador, esses são os únicos que não estão disponíveis para o jogo. As novidades no time titular podem ser Dí María, que não joga desde a segunda rodada por conta de uma lesão muscular na coxa, e Cuesta.

"A Argentina tem chegado em decisões importantes e isso mostra a força desse grupo. Não temos que nos sentir pressionados por causa disso (jejum). Tenho convicção que podemos dar a volta olímpico se fizermos o nosso melhor", disse Tata Martino.

"Acho que ele (Messi) já vem tendo há bastante tempo um rendimento muito bom. Não acho que tenha nada diferente da forma em que está jogando. Encontrou uma maneira similar ao Barcelona, já tem tempo que conhece esses jogadores, se sente bem, feliz e num bom momento como já esteve no Brasil, no ano passado e agora repete isso", comentou sobre o camisa 10.

Chile quer passar por cima do favoritismo dos argentinos e levar mais um troféu

A equipe do técnico Antonio Pizzi será a mesma que derrotou a Colômbia nas semifinais. Sem nenhum desfalque, o Chile consegue medir forças com o favoritismo dos argentinos, que vem com sangue nos olhos para finalmente ganhar um troféu.

Com isso, a equipe titular será Claudio Bravo; Isla, Medel, Gonzalo Jara e Beausejour; Aránguiz, Francisco Silva e Pablo Hernández; Fuenzalida, Vargas e Alexis Sánchez.

Na fase de grupos, uma derrota para a Argentina por 2 a 1 foi o único revés na competição. Após isso, uma vitória por 2 a 1 na Bolívia e um 4 a 2 contra o Panamá. Nas quartas, um impressionante 7 a 0 no México garantiu a vaga na fase seguinte. Na semifinal, o 2 a 0 em cima da Colômbia decretou a vaga na grande final.

"Precisamos estar atentos, pois a Argentina tem um grande time e conta com atletas capazes de definir a partida a qualquer momento. Não chegamos aqui (decisão) por acaso e quem não acredita que podemos vencer, deve abrir os olhos", avisou Pizzi.

"Estatisticamente estamos diante do jogador mais transcendental da história. Será muito difícil que voltemos a ver alguém que quebre os recordes que está conseguindo Messi. Inclusive com essas estatísticas nos sentimos capazes de superá-los e faremos todo o necessário para que assim seja", comentou o treinador sobre Messi.