Alemanha aposta em jovens prodígios para conquistar ouro olímpico após 40 anos

Seus três jogadores acima da idade, os gêmeos Lars e Sven, além de Petersen não são estrelas; Apenas Ginter foi campeão da Copa do Mundo em 2014

Alemanha aposta em jovens prodígios para conquistar ouro olímpico após 40 anos
(Foto: Gustavo Andrade/AFP/GettyImages)

De todas as equipes, a única considerada por muitos capaz de assustar o Brasil é a Seleção Alemã. Os alemães sonham em conquistar a dourada, após 40 anos desde que a Alemanha Oriental conquistou o título, em cima da Polonia por 3 a 1. É a primeira vez que disputam desde de que a Deutschland desde a queda do muro de Berlim.

Com um desempenho favorável até agora: Na fase de grupo foram 2 a 2 diante o México, 3 a 3 com Coreia do Sul, 10 a em cima do Fiji. Nas quartas de finais, 4 a 0 em Portugal, que veio como líder do Grupo D.

Sem estrelas, mas com garotos de ouro

Ao contrário da verde e amarelo, essa não vem com sua força máxima: Jonathan Tah, Joshua Kimmich, Julian Weigl, Emre Can, Julian Draxler e Leroy Sané, disputaram a Eurocopa na França, e as sensações Mahmoud Dahou, do Borusia Mönchengladbach; Niklas Stark, do Hertha Berlim, foram poupados por estarem disputando as premilinares da Champions League e Europa League respectivamente.

Sendo assim, o nome mais famoso dessa lista fica por conta de Maximilian Meyer, do Schalke 04. O alemão de apenas 20 anos, é o líder e o grande organizador do time. Além dele também inclui a presença de Serge Gnabry, a grande aposta para o futuro do Arsenal. Sem contar no zagueiro Mattias Ginter, do Borussia Dortmund, que apesar dos 22 anos, foi Campeão do Mundo em 2014.

Técnico alemão conta com desconhecidos do público para orientar as promessas

Com a dificuldade de liberação dos clubes, afinal para os Jogos Olímpicos, não são obrigados a ceder seus atletas para a competição. O mesmo se repetiu para os atletas acima de 23 anos, o técnico Hrubesch, optou por levar os irmãos Bender, Lars e Sven, de 27 anos, e surpreendeu ao trazer para o Brasil o atacante Nils Petersen, também de 27.

Gêmeos Bender: Rivais na Bundesliga,  mas exercem função de grandes líderes nas Olimpiadas. (Foto: GettyImages)

Os mais famosos são os Bender, que protagonizam duelos interessantes de Bayer Leversen e Borussia Dortmund no Campeonato Alemão. Apesar de serem bons jogadores, tiveram poucas chance pelos selecionados principais.

Petertsen, apesar de ser menos famoso que os gêmeos, surgiu como revelação no Energie Cottbus, depois se transferiu para o Bayern de Munique. Reservista, foi emprestado ao Werder Bremen, posteriormente acertou com o Freiburg na sequência. Na temporada passada foi campeão da segunda divisão alemã e vice-artilheiro da competição com 21 gols. Diferente dos irmão nunca teve chance na seleção principal.

Apesar do Ouro pelo lado Oriental, ela também conquistou ouro e bronze nos anos de 1972 a 80. A parte Ocidental conseguiu um feito nos Jogos, Bronze, em 88, com Thomas Hässler, Jürgen Klinsmann e Karl-Heinz Riedle como estrela. Todavia, ainda unificada conquistou o mesmo em 1964.

A Alemanha entra em campo na quarta feira (17), às 16h (Brasília), enfrentando a Nigéria. Ironicamente, voltará ao estádio Mineirão, em duelo válido pelas semifinais. 

A expectativa dos alemães é chegar a final que será realizada no Maracanã, sábado (19), e possível cruzamento contra o Brasil.