Em clássico tenso, Colônia vira diante do Gladbach e agrava crise do rival

Bodes conseguiram uma importante vitória na casa de seus maiores rivais

Em clássico tenso, Colônia vira diante do Gladbach e agrava crise do rival
Foto: Reprodução/Borussia
Borussia M'Gladbach
1 2
Colônia
Borussia M'Gladbach: Sommer, Elvedi, Christensen, Vestergaard, Wendt, Dahoud (Jantschke, min. 89), Strobl, Traoré (Johnson, min. 75), Stindl, Hazard (Hahn, min. 72), Raffael. Técnico: André Schubert
Colônia: Kessler, Sörensen, Mavraj, Heintz, Hector, Lehmann (Rudnevs, min. 46), Höger, Risse (Olkowski, min. 90+3), Rausch, Osako (Özcan, min. 72), Modeste.
Placar: 1 - 0, min. 32, Stindl. 1 - 1, min. 59, Modeste. 1 - 2, min. 90+1, Risse.
ÁRBITRO: Manuel Gräfe (ALE). Cartões Amarelos: Sörensen (min. 33), Heintz (min. 35), Lehmann (min. 39), Rudnevs (min. 70), Stindl (min. 87), Hector (min. 87)
INCIDENCIAS: Jogo válido pela 11ª rodada da Bundesliga, disputado no Borussia-Park, em Mönchengladbach. Público presente: 53.757 torcedores

Borussia Mönchengladbach e Colônia se enfrentaram neste sábado (19) em jogo válido pela 11ª rodada da Bundesliga, disputado no Borussia-Park, em Mönchengladbach, com vitória dos visitantes por 2 a 1, agravando a má fase vivida pelo Gladbach na competição.

Os gols dos bodes foram marcados por Modeste e Risse, enquanto Lars Stindl descontou para os potros.

A equipe comandada por André Schubert ocupa agora a 13ª colocação, com 12 pontos, enquanto o Colônia chegou a 21 pontos assumiu o 4º lugar no campeonato.

Gladbach domina e volta a marcar após 496 minutos

O Gladbach tem passado por uma fase muito ruim no campeonato, com tropeços nas últimas apresentações, e o Rhine Derby aumentou a tensão sobre o time, que tinha a responsabilidade de rever o período conturbado com uma boa atuação.

E foi exatamente dessa forma que o Mönchengladbach iniciou o duelo contra o Colônia, pressionando a saída de bola adversária e criando inúmeras oportunidades de gol. A primeira chance dos Potros veio com Thorgan Hazard, que recebeu excelente lançamento de Traoré e sozinho, frente a frente com o goleiro, desperdiçou a oportunidade de abrir o placar após uma excelente intervenção de Kessler.

O Colônia, acuado, quase não representou perigo algum aos Foals, que continuavam pressionando e desperdiçando oportunidades, até Traoré descolou uma ótima assistência para Stindl finalizar sem chances para o goleiro adversário, inflamando a torcida do Borussia nas arquibancadas.

Os bodes, bem nervosos na partida, começaram a apelar para as faltas e receberam alguns cartões amarelos, aumentando a tensão do clássico. Lehmann acertou Dahoud em uma entrada desleal, mas o árbitro Manuel Gräfe mostrou apenas cartão amarelo para o capitão do Colônia.

Oscar Wendt e Traoré ainda tiveram chances para aumentar a vantagem do Gladbach, no entanto o primeiro finalizou pra fora, sozinho dentro da área, enquanto Ibo, em cobrança de falta, acertou o travessão.

Ineficência do Borussia premia um oportunista Colônia

Na volta pro segundo tempo, o Colônia modificar seu estilo de jogo, promovendo a entrada de Rudnevs no lugar de Lehmann, que estava prestes a ser expulso, todavia a pressão do Gladbach continuou intensa e nos primeiros minutos, Hazard e Dahoud desperdiçaram ótimas oportunidades para fazer o segundo gol.

Os visitantes tentaram responder de imediato, mas Yann Sommer estava atentou e fez boas intervenções nas ações ofensivas de Rudnevs, evitando o empate. A modificação realizada pelo técnico Stöger teve efeito, pois os bodes começaram a aparecer no campo ofensivo, o que não ocorreu na etapa inicial. Não demorou muito para que a instável defesa do M’Gladbach voltasse a falhar e Modeste, artilheiro do campeonato, aproveitou cruzamento da esquerda para cabecear e empatar o jogo.

Tentando voltar ao ritmo da primeira etapa, Schubert promoveu as entradas de Hahn e Fabian Johnson, com o último desperdiçando uma chance incrível para retomar a vantagem no marcador, em mais uma excelente defesa do goleiro Kessler.

Aparentemente a maldição de não marcar gols continuara perseguindo a equipe comandada por André Schubert e o golpe de misericórdia dos Potros veio nos acréscimos da etapa inicial, com um gol espetacular de Risse, em cobrança de falta, acertando o ângulo do arqueiro Sommer e sacramentando a virada dos bodes.