Futebol permite uma segunda chance para Diego Simeone comandar a Europa

Em 2014, treinador argentino bateu na trave, mas foi reconhecido pela bravura do Atlético de Madrid. Dois anos depois, colchoneros continuam na briga pelo topo no Velho Continente

Futebol permite uma segunda chance para Diego Simeone comandar a Europa
(OK) Futebol permite uma segunda chance para Diego Simeone comandar a Europa

Diego Simeone está na história do Atlético de Madrid. Após duas atuações como jogador - entre 1994 e 1997, depois entre 2003 e 2005, Cholo retornou ao Vicente Calderón para comandar os colchoneros. Mal sabiam que o Atleti teria o patamar e o nível elevado. A tradição espanhola era irretocável, mas a força de um clube se globalizou graças a Simeone.

A decisão da Uefa Champions League 2013/2014 terminou com um gosto bem amargo para os colchoneros. O Atlético de Madrid encarava o Real Madrid no Estádio da Luz, em Lisboa, e tinha a oportunidade de deixar para trás o que aconteceu quatro décadas antes e conquistar o título continental pela primeira vez na história. Saiu na frente e segurou a vantagem até o fim, mas sofreu o empate no último instante e sucumbiu na prorrogação e mais uma vez ficou com o vice-campeonato europeu.

Quis a história, porém, que o Atlético de Madrid pudesse mudar o panorama dois anos depois. Com muita batalha, com muito suor, com muito sofrimento, o Atleti encara o maior rival mais uma vez. O adversário será o Real Madrid neste sábado (28), no Estádio San Siro, em Milão-ITA. Mas antes de obter o privilégio de disputar a decisão do torneio interclubes mais visado do planeta por duas oportunidades, Simeone suou muito para conquistar seu espaço.

Após encerrar a carreira de jogador no Racing Club, Cholo comandou a própria equipe de Avellaneda em seu primeiro desafio na carreira, no ano de 2006. Após deixar o clube, perambulou por algumas equipes do futebol argentino, como Estudiantes, River Plate e San Lorenzo. Apesar das passagens relativamente duradouras, o sucesso não era como o esperado. Em 2011, o técnico teve a oportunidade de comandar o primeiro clube do futebol europeu em sua carreira. Mas os 18 jogos no Catania poderiam frustrar o sonho de comandar um time no Velho Continente. Após a segunda passagem no Racing, veio o momento de reconhecimento na Espanha e no mundo.

Desde 2011 no Atlético de Madrid, Diego Simeone elevou o seu patamar e o nível do clube no futebol continental e, de certo ponto, mundial. Nos cinco anos à frente do Atleti, 260 partidas. Destas, 169 vitórias. A postura de forte marcação, com sistema defensivo completamente reforçado e goleiros pouco vazados são as características mais dominantes em seu estilo de jogo. Os números nas cinco temporadas são espetaculares e um fato chama a atenção.

A temporada 2013/2014 foi especial para o Atlético de Madrid e para Diego Simeone. Após 40 anos, o clube voltava a disputar uma decisão da Uefa Champions League. Na mesma temporada, o time se agigantou e conquistou o título do Campeonato Espanhol após 18 anos. Os colchoneros disputaram 61 jogos, com 42 vitórias conquistadas. Com a decisão na UCL na atual temporada, a quantidade de jogos que o time da capital espanhola disputou é a segunda maior nos últimos cinco anos.

No sábado (28), serão 57 jogos disputados. E o Atleti está ansioso para conquistar a 37ª vitória e, sem dúvida, o mais importante triunfo das últimas décadas. Se o clube conseguir o feito, muitos méritos pela conquista devem ser dados a Diego Simeone, o treinador que mudou os olhares na Espanha e viu que o Atlético de Madrid pode surpreender a nível nacional e internacional.