Barcelona vira sobre Monchengladbach fora de casa e se isola na liderança do Grupo C

Sem Messi, time de Luis Enrique teve gols marcados por Arda Turan e Piqué para chegar a seis pontos; Potros permanecem zerados

Barcelona vira sobre Monchengladbach fora de casa e se isola na liderança do Grupo C
Foto: Kai Pfaffenbach/Reuters
Borussia Monchengladbach
1 2
Barcelona
Borussia Monchengladbach: Sommer; Korb, Christensen, Elvedi e Wendt; Kramer, Dahoud, Traoré, Hazard (Herrmann) e Stindl (Hahn); Raffael (Johnson). Técnico: André Schubert
Barcelona: Ter Stegen; Sergi Roberto, Piqué, Mascherano e Alba; Busquets, Rakitic (Arda Turan) e Iniesta; Paco Alcácer (Rafinha), Suárez e Neymar. Técnico: Luis Enrique
Placar: 1-0, min. 34, Hazard. 1-1, min. 63, Arda Turan. 1-2, min. 73, Piqué
INCIDENCIAS: Jogo válido pela segunda rodada do grupo C da Uefa Champions League 2016/17, no Borussia-Park, em Monchengladbach (ALE)

O Barcelona encontrou forte resistência, mas conseguiu uma importante vitória por 2 a 1 sobre o Borussia Monchengladbach nesta quarta (28), pela segunda rodada do grupo C da Uefa Champions League 2016/17. No primeiro tempo, Thorgan Hazard abriu o placar a favor dos alemães no Borussia-Park, mas Arda Turan e Piqué viraram para a equipe blaugrana.

Com o resultado, os comandados de Luis Enrique chegaram a seis pontos e agora ocupam isoladamente a liderança da chave, enquanto os potros ficam na lanterna, zerados na tabela. Isto porque, no outro jogo, Celtic e Manchester City protagonizaram um eletrizante 3 a 3 na Escócia. O Barça volta a jogar no próximo domingo (2), diante do Celta, fora de casa, por La Liga, às 15h45 de Brasília. No mesmo dia, a partir das 12h30, o Gladbach visita o Schalke 04. Pela Champions, em 19 de outubro, os espanhois recebem o City e os alvinegros encaram o Celtic.

Foto: Kai Pfaffenbach/Reuters

Gladbach se aproveita de gols perdidos pelo Barça e sai na frente

Novamente sem o lesionado Lionel Messi, o Barcelona entrou em campo escalado com uma novidade para substituir o craque: Paco Alcácer. De resto, força máxima. Mesmo assim, a etapa inicial acabou marcada por vitória parcial dos mandantes. Logo aos dois minutos, Thorgan Hazard cruzou e a bola tocou na mão de Piqué, em lance polêmico no qual o árbitro nada assinalou, para revolta dos torcedores no Borussia-Park.

Os culés responderam aos seis, quando Suárez acionou Jordi Alba pela esquerda. O lateral observou infilitração de Neymar e mandou para a área. Bem colocado, o camisa 11 finalizou de primeira nas mãos do goleiro Sommer. Em seguida, depois de lançamento na direção de Suárez, o uruguaio pegou sobra e emendou pancada tirando tinta da trave alemã. Aos 20, Neymar deu belo passe para o camisa 9. Apesar de poder chutar, Luisito preferiu procurar Alcácer, que não conseguiu empurrar para as redes.

A partir da metade do primeiro tempo, a intensidade da equipe treinada por André Schubert deu resultado. Ainda assim, Rakitic esteve perto de inaugurar o marcador em batida de longe. Aos 33 minutos, porém, o Borussia foi fatal. No meio, Busquets vacilou e perdeu a redonda para Dahoud. O meia logo acionou Raffael antes de partir em velocidade e receber de volta. Já na cara do gol, ele rolou para Thorgan Hazard, que concluiu sem chances para Ter Stegen: 1 a 0. Aos 38, Suárez recebeu de Rakitic e exigiu grande intervenção de Sommer, mas não conseguiu alterar o placar antes da ida aos vestiários.

Barcelona cresce, vira e garante triunfo

O cenário da partida para o Gladbach era excelente, mas começou a desandar aos dois minutos do segundo tempo. Raffael caiu no gramado e precisou ser substituído por Fabian Johnson. A mudança de característica fez com que o time perdesse a capacidade de controlar a posse depois de desarmar o adversário. Somado a isso, os grenás cresceram consideravelmente. Antes do relógio apontar dez minutos, Luis Enrique trocou Paco Alcácer por Rafinha. Em seguida, tirou Rakitic para dar lugar a Arda Turan.

Até os 18 minutos, apenas a posse de bola catalã havia aumentado. Até que Neymar encontrou bela enfiada para Arda Turan. Na área, o turco ajeitou o corpo e fuzilou Sommer: 1 a 1. Dez minutos mais tarde, o talento decidiu o duelo. Em cobrança de escanteio ensaiada, Neymar bateu bem aberto, entre a marca do pênalti e a meia-lua. Sozinho, Suárez soltou uma bomba, que Sommer defendeu parcialmente. Atento no rebote, Piqué protegeu e rolou para o barbante: 2 a 1.

Na reta final do confronto, o Borussia até tentou empurrar o Barça contra a parede. No entanto, fisicamente a equipe parecia não responder para conseguir reigualar. Em contragolpes puxados principalmente por Neymar, os visitantes erraram diversas tomadas de decisões e não dilataram o placar. Porém, levaram uma vitória duríssima e vital para a sequência da Uefa Champions League.