França supera Itália com tranquilidade e ofuscas estreias na Azzurra

Partida marcou testes e novidades nas seleções comandadas pelo estreante Ventura e o francês Deschamps

França supera Itália com tranquilidade e ofuscas estreias na Azzurra
(Foto: Getty Images)
Itália
1 3
França
Itália: Buffon (Donnarumma); Barzagli (Rugani), Astori, Chiellini; Candreva, Bonaventura (Verratti), De Rossi (Montolivo), Parolo, De Sciglio (Florenzi); Pellè, Eder (Belotti).
França: Mandanda; Kurzawa (Digne), Varane, Koscielny (Umtiti), Sidibé; Kanté, Matuidi (Sissoko), Pogba; Martial (Payet), Giroud (Gignac), Griezmann (Dembélé)
Placar: 0-1, min. 17, Martial. 1-1, min. 21, Pellè. 1-2, min. 28, Giroud. 1-3, min. 81, Kurzawa.
ÁRBITRO: Bjorn Kuipers (HOL) Cartões amarelos para: Sidibé (F) Belotti (I)
INCIDENCIAS: Partida válida por um amistoso no estádio San Nicola, em Bari (Itália).

Nesta quinta-feira (1º), Itália e França fizeram amistoso no estádio San Nicola, em Bari, para se preparar para a estreia nas Eliminatórias da Copa do Mundo, no meio de semana.

No teste, melhor para os franceses, que venceram por 3 a 1, com gols de MartialGiroud, e Kurzawa. Enquanto Pellè marcou para os italianos. Giampiero Ventura se tornou o terceiro técnico a perder na estreia pela Azzurra, se igualando as estreias de Marcello Lippi, em 2004, e de Cesare Prandelli, em 2010.

O jogo, marcado pelas homenagens antes do jogo as vítimas do terremoto no centro da Itália na última semana, serviu para a preparação para as Eliminatórias da Copa, que começam durante a próxima semana. A Itália estreia fora de casa na segunda-feira (5), contra Israel, enquanto a França estreia na terça-feira (6), fora de casa, diante de Belarus.

Primeiro tempo movimentado com gols 

O primeiro tempo começou truncado, com os dois times se estudando e criando poucas chances, com a partida centralizada no meio-campo. Mas aos 17 minutos, em lançamento de Pogba, Chiellini não corta e Martial fica cara a cara com Buffon e toca na saída do goleiro para abrir o placar para os franceses.

Mas logo aos 21 minutos, viria a reação italiana: em contra-ataque, a bola chega a Eder na direita, ele cruza pro meio da área, Pellè recebe, gira e bate pra empatar o jogo e marcar o primeiro gol da era Ventura na Azzurra.

O placar igualado duraria pouco tempo: aos 28 minutos, em lançamento pra área, Kurzawa ganha no alto e a bola sobra pra Giroud, que bate de primeira no canto direito, sem chances para Buffon, os franceses se colocavam novamente à frente do placar, que duraria até o fim da primeira etapa.

Depois do gol, duas chances perdidas para os italianos: primeiro, aos 34, em tabelinha de Eder e Pellè que terminou com o atacante da Inter isolando a bola, e depois aos 38, em bela jogada em velocidade que terminou com Candreva chutando pra fora. A Azzurra ainda reclamou um pênalti não marcado em toque de mão de Kurzawa na área.

Muitas mudanças e vitória da França

Se o primeiro tempo foi movimentado em alguns momentos, o segundo, não teve a mesma movimentação, exceto pelas mudanças dos técnicos: tanto Giampiero Ventura quanto Didier Deschamps testavam peças novas na equipe. 

A novidade francesa foi a entrada de Dembélé, estreante na seleção principal, enquanto a italiana, tinha duas novidades: a começar pelo goleiro Donnarumma, que com 17 anos, foi o goleiro mais jovem da história da seleção a jogar. E depois, a entrada do atacante Belotti.

A Itália arriscou aos 14 minutos, em chute de fora de Montolivo, que Mandanda também colocou pra escanteio. No minuto seguinte, a primeira defesa de Donnarumma na seleção foi em um chute de Payet de fora da área, que o jovem goleiro, bem colocado, defendeu firme.

Mas a França mataria o jogo aos 36 minutos, quando Kurzawa recebeu de Pogba na direita, e bateu quase sem ângulo com efeito, enganando Donnarumma e marcando o gol que decretou a vitória francesa em Bari.