Após proposta de chineses, Maldini recusa cargo como diretor no Milan

Grupo chinês Sino-Europe Sports ouviu o seu primeiro "não" na montagem da nova diretoria rossonera

Após proposta de chineses, Maldini recusa cargo como diretor no Milan
Milan não aceitou a oferta do chineses (Foto: Getty Images)

Visando uma grande reformução interna e externa para o Milan nos próximos meses, o grupo chinês Sino-Europe Sports obteve sua primeira resposta negativa na tentativa de fortalecer a área diretiva do clube. A recusa veio do ex-defensor e ídolo do clube, Paolo Maldini. Detentor de cinco taças da Uefa Champions League com o manto rossonero, o ex-atleta divulgou, por meio de suas redes sociais, os motivos que o fizeram não aceitar o convite, dispensando um possível rótulo de "novo Galliani (antigo CEO da agremiação)".

"De acordo com o cronograma que me foi apresentado, eu deveria compartilhar cada projeto, compra ou venda de jogador com meu colega diretor esportivo. E ao perguntar sobre o que aconteceria em caso de divergência entre nós dois, o senhor Fassone [novo CEO do Milan] deveria ter a decisão final. Eu não acho que essa seja uma boa premissa para formar um time campeão", afirmou Paolo.

Nas últimas temporadas, o Milan teve dois CEOs e funções que se sobrepõem. Isso deveria ensinar algumas lições. Nunca fiz nenhuma demanda financeira. Na primeira reunião que tivemos, disse que a definição da minha função era algo fundamental para uma possível colaboração. Como eu posso quantificar um pedido salarial quando eu nem sei quais serão as minhas responsabilidades? Eu não posso [aceitar] isso. Eu tenho que respeitar os meus valores, que me acompanharam durante toda a minha vida. Preciso respeitar os meus fãs, que se identificaram comigo por tantos anos, na minha paixão, vontade e seriedade. Preciso respeitar o Milan e a mim mesmo", concluiu.

Com mais de 900 jogos em um período de duas décadas com a camisa rossonera, Paolo Maldini é certamente um dos maiores e mais vencedores ídolos da história da equipe de Milão. Tamanha história deixou o ex-defensor com a imagem de um possível sucessor de Adriano Galliani na direção do clube, rótulo rechaçado por Paolo.

O grupo chinês Sino-Europe Sports adquiriu o Milan há dois meses atrás por um valor aproximado de € 740 milhões.

Atualmente na terceira colocação da Serie A, o Milan volta a campo neste domingo (16), quando visita o Chievo Verona em confronto válido pela oitava rodada da competição.