Central e CSA fazem jogo tecnicamente fraco e seguem com mesmo desempenho na Série D

Jogo ficou marcado pelas confusões dentro e fora dos gramados no Estádio Lacerdão; briga por vaga na segunda fase está acirrada

Central e CSA fazem jogo tecnicamente fraco e seguem com mesmo desempenho na Série D
(Foto: Divulgação/CSA)
Central
0 0
CSA
Central: Murilo; Richard Souza, Aylton Alemão, Everton e Altemar; Luís Felipe, Liniker e Danilo Cintra (Diego Mipibu - 33'/2ºT); Candinho, Abuda e Romário (Jeffinho - 15'/2ºT). Técnico: Guilherme Macuglia.
CSA: Jeferson; Denílson (Kelvin - intervalo), Leandro Souza, Douglas Marques e Rafinha; Jean Cléber, Éverton Heleno, Cleyton e Bismarck (Marcos Antônio - intervalo); Jeferson Maranhense e Jônatas Obina (Marcelo Nicácio - 13'/2ºT). Técnico: Oliveira Canindé.
ÁRBITRO: Diego Pombo Lopez (BA), auxiliado por Gilberto Freire de Farias (PE) e Ailton José dos Santos Júnior (PE) | Cartões amarelos: Jônatas Obina (CSA - 23'/1ºT), Jeferson Maranhense (CSA - 19' e 48'/2ºT), Luís Felipe (CEN - 27'/2ºT), Éverton (CEN - 49'/2ºT) | Cartão vermelho: Jeferson Maranhense (CSA - 48'/2ºT)
INCIDENCIAS: Partida válida pela quarta rodada da fase de grupos do Campeonato Brasileiro da Série D. Jogo realizado na tarde deste domingo (03), no Estádio Luiz Lacerda, o Lacerdão, em Caruaru/PE.

Iguais na tabela de classificação, Central e CSA entraram em campo na tarde deste domingo em busca da vitória para ficar mais próximo da classificação na segunda fase. Mas terminaram iguais mais uma vez ao fim das contas. Em duelo válido pela quarta rodada da fase de grupos do Campeonato Brasileiro da Série D 2016, as equipes empataram sem gols no Estádio Luiz Lacerda, o Lacerdão, em Caruaru/PE.

Com o resultado, a briga pela vaga na próxima fase ficou ainda mais acirrada. CSA, Parnahyba/PI e Central de Caruaru estão empatados com sete pontos ganhos. O Azulão é o primeiro colocado do grupo A6 por causa do saldo de gols.

A próxima rodada será realizada no fim da semana que vem e os clubes entram em campo no domingo (10). O Central encara o Parnahyba no Estádio Pedro Alefaf, o Mão Santa, em Parnaíba/PI, às  horas. O CSA mede forças contra o eliminado Guarani de Juazeiro às 19 horas, no Estádio Romeirão, em Juazeiro do Norte/CE.

Primeiro tempo parelho

Na etapa inicial, o confronto foi equilibrado. O Central começou a partida no ataque com o objetivo de fazer valer o mando de campo e devolver a derrota sofrida semana passada. Aos quatro minutos, a primeira boa oportunidade. Após boa troca de passes, Liniker ficou com a bola, mas a arbitragem anulou o lance na hora do volante finalizar ao alegar impedimento. Aos 10, Richard cruzou a bola e acionou Candinho, mas o jogador cabeceou para fora.

Quando o CSA atacou pela primeira vez de forma efetiva, levou muito perigo. Aos 19 minutos, Leandro Souza cabeceou no pé da trave e quase abriu o marcador. A partir daí, a pressão azulina intensificou e o time alagoano passou a ser melhor em campo. Aos 27, Jônatas Obina e Bismarck tentaram em dois lances consecutivos na mesma jogada. O goleiro Murilo começou a se destacar e fez duas expressivas defesas. Os donos da casa voltaram a atacar aos 41, quando Liniker tocou para Candinho. O atacante dominou, passou por Jean Cléber, mas errou o chute.

Confusão no intervalo

O momento ruim do confronto aconteceu no fim do primeiro tempo. Alguns torcedores do Central jogaram água no momento que os jogadores do CSA desciam para os vestiários. Os atletas revidaram, a Polícia Militar agiu com truculência e a confusão se espalhou para as arquibancadas, onde pedras, bombas de efeito moral e balas de borracha foram atiradas. Alguns torcedores alagoanos foram feridos e outros detidos.

Central pressiona, mas jogo fica no zero

No segundo tempo, o jogo ficou mais aberto, uma vez que espaços nos setores defensivos foram abertos. As alterações promovidas pelo técnico Oliveira Canindé deixaram o CSA inicialmente mais ofensivo, mais presente no campo de ataque. No entanto, o Central não ficou atrás e foi mais efetivo nas finalizações. Aos seis minutos, Liniker cruzou na cabeça de Danilo Cintra, e o atleta desviou de peixinho. Jeferson fez a defesa.

O Azulão respondeu aos nove minutos, quando Jeferson Maranhense encheu o pé e Murilo fez boa defesa. O Central não ficou atrás e levou perigo no lance seguinte. Candinho foi acionado mais uma vez na grande área e desviou de cabeça e Jeferson defendeu novamente. A entrada de Marcelo Nicácio deixou o CSA mais defensivo, com o objetivo de explorar os contra-ataques que aparecessem.

Novas chances de gol aconteceram apenas aos 28 minutos, quando Marcos Antônio encheu o pé de longe, e aos 30, quando Marcelo Nicácio tentou. Nas duas oportunidades, Murilo fez defesa espetacular. A partida não teve mais chances de gol e o confronto ficou nivelado por baixo. Nos últimos minutos, mais uma confusão registrada resultou na expulsão do atacante Jeferson Maranhense, fato que encerrou a partida.