Oeste surpreende Náutico na Arena de Pernambuco e permanece na Série B

Rubrão mostra postura ousada e vence Timbu, garantindo mais um ano na Segundona; alvirrubros, que ainda buscavam uma vaga na elite, também seguem na segunda divisão

Oeste surpreende Náutico na Arena de Pernambuco e permanece na Série B
Foto: Ney Gusmão/VAVEL Brasil
Náutico
0 2
Oeste
Náutico: Júlio César; Joazi, Rafael Pereira, Igor Rabello e Gastón Filgueira; João Ananias, Rodrigo Souza, Vinícius (Léo Santos, intervalo), Marco Antônio (Jefferson Nem, min. 67) e Rony; Bérgson (Esquerdinha, intervalo). Técnico: Givanildo Oliveira
Oeste: Felipe Alves; Marquinhos, Felipe Rodrigues (Velicka, min. 63) e Betinho; André Castro, Danielzinho, Léo Artur e Pedro Carmona; Mike, Marcus Vinícius (Francis, min. 68) e Crysan (Wellington, min. 79). Técnico: Fernando Diniz
Placar: 0-1, Pedro Carmona, min. 21; 0-2, Mike, min. 39
ÁRBITRO: André Luiz de Freitas Castro (GO). Cartões amarelos: Betinho (min. 34), Marco Antônio (min. 53), Rony (min. 64) e André Castro (min. 75)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 38ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro 2016, realizada na Arena de Pernambuco, em São Lourenço da Mata

Pode festejar torcedor rubro-negro! O Oeste permanece por mais um ano na Série B do Campeonato Brasileiro 2016. Neste sábado (26), o Rubrão foi o elemento na Arena de Pernambuco em São Lourenço da Mata e derrotou o Náutico por 2 a 0, com gols assinalados por Pedro Carmona Mike, em confronto válido pela 38ª rodada.

Mesmo com altos e baixos ao longo da competição, os paulistas foram mais inteiros em campo e encerram na 16ª colocação e 41 pontos. Os alvirrubros, que estavam disputando a Segundona desde 2014, ficam por mais um ano, pois precisavam não somente vencer, mas também depender dos adversários diretos, finalizando na 5ª posição e com 60 pontos ganhos.

Oeste é mais eficaz, explora erros e sai em vantagem

A necessidade de vencer não era apenas de um lado. O empenho, por sua vez, foi inicialmente demonstrado pelo Náutico. Incentivado pela torcida, o Timbu começou em cima e antes mesmo dos cinco minutos de bola rolando teve duas boas oportunidades de sair com vantagem, mas não foi eficaz nas finalizações.

Com mais cautela, o Oeste saiu ao ataque e quase abriu o placar. Léo Arthur tabelou com Crysan e finalizou no canto para defesa de Júlio César. Pouco depois, Mike foi garçom e serviu Marquinhos na frente da marcação. O volante driblou bem a marcação e chutou cruzado na frente da pequena área.

Rubrão aproveita bem erros de marcação e sai à frente (Foto: Ney Gusmão/VAVEL Brasil)
Rubrão aproveita bem erros de marcação e sai à frente (Foto: Ney Gusmão/VAVEL Brasil)

Demonstrando mais equilíbrio, os times passaram a se estudar, com a posse de bola sendo a tônica do jogo. Ainda assim, Rony foi lançado e tentou encobrir Felipe Alves ao cabecear, porém o arqueiro interveio em dois tempos. No lance seguinte, entretanto, o castigo veio. Da pior maneira. Crysan recebeu de Danielzinho e mandou voltando na área para Pedro Carmona, que tirou do alcance de Júlio e deixou a equipe em vantagem.

Com a partida mais truncada, a criatividade ficou em baixa e poucos lances foram criados. Passando por dificuldade, os alvirrubros viram o Rubrão ser mais audacioso e fazer o segundo gol, calando de fato os torcedores. Pedro Carmona bateu escanteio no meio da pequena área e a sobra caiu com Mike, que encheu o pé no fundo do barbante.

Rubrão valoriza vantagem e sacramenta triunfo

Para a etapa final, Givanildo Oliveira resolveu dar gás novo buscando seguir vivo. Bérgson e Vinícius deixaram o campo de jogo e deram a vaga para Esquerdinha Léo Santos. Mesmo com as alterações, que deram ânimo renovado, o Timbu pouco criou e mal levou perigo ante a meta do Oeste durante o início do segundo tempo.

Visando aproveitar a força vinda da arquibancada, o Náutico foi para cima e criou duas boas chances em um minuto. Rafael Pereira bateu de fora da área e colocado parando em boa defesa de Felipe Alves. No lance seguinte, Esquerdinha deixou Rony de frente para o gol, porém finalizou em cima do arqueiro.

O que estava ruim, piorou quando o relógio marcava 36 minutos. Em confusão generalizada dentro do gramado, torcedores alvirrubros se descontrolaram e provocaram verdadeiras cenas lamentáveis. Foram 18 minutos sem bola rolando e atrapalhando no desenrolar do duelo, o que fez a polícia conter os ânimos.

No pouco tempo que restou, as equipes até tentaram esboçar chance de perigo, contudo mostraram satisfação com o resultado construído, ficando apáticos e sem total criatividade. Após o apito final, emoções distintas, com os rubro-negros felizes e festejando a permanência. Os pernambucanos, por sua vez, lamentaram vendo o acesso ir por água abaixo.