Ex-jogadores do Grêmio, Victor e Ronaldinho Gaúcho exaltam a vitória do Galo

Ambos ainda falaram sobre a hostilidade dos antigos torcedores do clube que defenderam

Ex-jogadores do Grêmio, Victor e Ronaldinho Gaúcho exaltam a vitória do Galo
Ronaldinho Gaúcho comemora o gol de Fernandinho que deu a vitória ao Atlético-MG (Foto: Ramiro Furquim/Agif/Folhapress)

Todo jogador que passa por um clube de futebol sempre deixa sua marca. Quando saem, alguns torcedores passam a lembra-los com carinho. Outros, nem tanto. Na partida entre Grêmio e Atlético-MG, neste domingo (15), os ex-jogadores gremistas Victor e Ronaldinho Gaúcho, não receberam tantas saudações dos antigos fãs. Para piorar, o Galo saiu de campo vitorioso por 1 a 0.

Ronaldinho Gaúcho foi o mais perseguido pelos gremistas. Revelado pelo tricolor gaúcho em 1998, muito antes de ser o R10, o meia encantava os torcedores e rapidamente se tornou o grande nome do elenco tricolor. O jogador saiu em 2001 após uma briga na justiça. Saiu e rodou pelo mundo do futebol, ganhando fama, títulos e dinheiro.

Quando estava tudo certo para Gaúcho voltasse após 10 anos, os torcedores esqueceram o passado. A diretoria que garantira o retorno do jogador preparou uma mega apresentação. Eis que vem uma notícia que caiu como uma bom no Olímpico. Ronaldinho é do Flamengo. Por esta, os gremistas não perdoaram e passaram a perseguir R10 a cada partida em que o craque fosse jogar contra o tricolor.

Hoje não foi diferente das outras vezes em que se apresentou com as camisas do Flamengo e do Atlético-MG. Ronaldinho Gaúcho foi chamado de pilantra por um pequeno grupo de torcedores logo na chegada do ônibus que transportava a delegação do Galo. E, durante o jogo, a cada oportunidade que o meia pegava na bola, uma sonora vaia era entoada pelos gremistas. Perguntado sobre o assunto, R10 respondeu: "Vaia nunca motiva. A gente fica feliz pelos três pontos conquistados contra um adversário forte".

No caso de Victor, a situação é bem menos traumática. O goleiro chegou ao Grêmio em 2007 após conquistar a Copa do Brasil de 2005 pelo Paulista de Jundiaí. Rapidamente conquistou o torcedor gremista e foi nome forte em belas campanhas, como os vices da Libertadores em 2007 e do Campeonato Brasileiro em 2008.

Victor deixou o Grêmio em 2012 após receber uma bela proposta de cinco anos de contrato do presidente atleticano Alexandre Kalil. Logo no aquecimento do goleiro alvinegro, os torcedores gremistas gritaram palavras de baixo calão em direção ao camisa um do Galo.

Perguntado sobre o assunto, ele ressaltou a mágoa com diretoria anterior do tricolor gaúcho. "Os diretores da época disseram que eu não queria mais jogar no Grêmio. Não foi verdade. Foi um consenso entre os dois clubes. Mas tentaram me colocar como vilão, marginal. Tenho que agradecer pelo o que passei aqui, mas estou feliz no Atlético-MG".

Sobre o jogo, Victor ressaltou a organização do time. "Sabíamos das dificuldades e da forma como o Grêmio joga, sempre pressionando o adversário. Mas soubemos nos portar dentro de campo. A organização tática foi fundamental, num campo molhado é difícil de jogar, bola área. Mas valeu, um grande resultado e fico feliz por ter ajudado. Foi mérito de todo mundo, nos empenhamos, e entendemos o que o Cuca passou".