Departamento médico do Galo segue em alta rotina de trabalho

Quatro jogadores, dos mais importantes do elenco, estão em tratamento no DM atleticano.

Departamento médico do Galo segue em alta rotina de trabalho
Rodrigo Lasmar tranquilizou os torcedores quanto a condição física dos jogadores lesionados (Foto: Bruno Cantini/Atlético Mineiro)

Durante o ano de 2013, o departamento médico do Atlético-MG teve grande movimentação, sem deixar de mudar este panorama até na horas decisivas, como a final da Copa Libertadores

Restando menos de um mês para o início do Mundial de Clubes para o Galo, o DM atleticano continua com um número razoável de atletas, entre eles: Ronaldinho Gaúcho, Réver, Guilherme e Leandro Donizete. Jogadores imprescindíveis para o elenco do técnico Cuca.

O último a se lesionar foi o zagueiro Réver, que se machucou em um lance isolado contra a Portuguesa. No decorrer da partida, a informação foi de que não seria nada grave. Ao realizar exames mais detalhados em Belo Horizonte, ficou constatado uma entorse no tornezelo esquerdo. 

Rodrigo Lasmar, médico do Atlético-MG, tranquilizou os torcedores, mesmo com a gravidade da lesão. "Foi uma entorse importante, devido as situações que aconteceram. O Tornozelo está inchado, mas tem tempo para o Mundial. É um mês, um prazo longo e suficiente, acredito eu, que ele possa jogar", declarou. 

Ronaldinho Gaúcho, o jogador mais importante do grupo atleticano, teve uma ruptura de grau três no músculo da coxa esquerda. A estimativa era de que o retorno do meia aconteceria em três meses, mas após uma dedicação total dos médicos do Atlético-MG e do próprio jogador, Ronaldinho pode voltar antes mesmo do término do Campeonato Brasileiro

Outros jogadores importantes como Guilherme e Leandro Donizete também estão em fase de recuperação. O volante já passa pelo período de transição do DM para o campo. Já o meia-atacante precisará de um tempo maior em tratamento.

"Guilherme de um tempo em tratamento e a perspectiva é positiva em relação ao Mundial. Não sei se para o Brasileiro, mas o Mundial sim, deve ter condições", disse Lasmar ao site Superesportes.