Tite é o quarto treinador a deixar o Corinthians rumo à seleção nos últimos 18 anos

Técnico mais vitorioso da história do clube integra lista que tem Parreira, Mano Menezes e Luxemburgo

Tite é o quarto treinador a deixar o Corinthians rumo à seleção nos últimos 18 anos
Foto: tudotimao.com.br

O que todo torcedor do Corinthians temia já há algum tempo se concretizou. Tite é o novo técnico da Seleção Brasileira. Depois da eliminação precoce na Copa América Centenário, a situação de Dunga, que já era ruim, ficou insustentável. E, após anuncio de Roberto de Andrade, nesta quinta-feira (15), foi decretado o fim da trajetória do treinador à frente da equipe.

Tite era o favorito de Marco Polo Del Nero para assumir o comando e um de seus pré requisitos para iniciar uma negociação havia se concretizado. Depois de já ter recusado propostas da CBF em duas oportunidades, o ex técnico do Corinthians havia dito que só iniciaria conversas para assumir ou não a Seleção quando não houvesse nenhum treinador no cargo.

A cúpula da entidade máxima do futebol brasileiro queria um desfecho rápido, a fim de concretizar o mais rápido possível a contratação do mais novo treinador. E, após consenso entre as partes e o aval do Corinthians, a negociação se encerrou. Atendendo ao desejo de muitos brasileiros, Tite estará à frente dos treinos da Seleção nacional a partir de agora, visando as Eliminatórias e, claro, a classificação para o Mundial de 2018, na Rússia. Vaga essa que, hoje, é tratada como uma incógnita.

Agora, com um novo desafio pela frente, o treinador gaúcho não é o primeiro a seguir por esse caminho. Assim como Vanderlei Luxemburgo, Carlos Alberto Parreira e Mano Menezes, Tite foi apenas mais um treinador na história do Corinthians que deixou o clube para assumir a Seleção.

Vanderlei Luxemburgo

O primeiro caso foi o de Luxemburgo. O ano: 1998. O treinador foi contratado pelo Corinthians em meio à uma parceria com o Banco Excel. O objetivo era claro: fazer com que o time chegasse novamente à Libertadores da América. Porém, a primeira tentativa na Copa do Brasil foi frustrada, Restava a disputa do Campeonato Brasileiro e a equipe não decepcionou.

Após liderar o primeiro turno de ponta a ponta, chegou ao título diiante do Cruzeiro e à consequente vaga na competição continental. O sucesso de Luxa no comando do time alvinegro foi o atrativo para a Seleção, que ele foi conviado a assumir após o final do Mundial da França, no mesmo ano. No entanto, o treinador seguiu e conciliou os dois cargos até o final da temporada, quando entregou o comando do Corinthians ao seu auxiliar à época, Oswaldo de Oliveira.

Carlos Alberto Parreira

Cinco anos depois, Parreira foi o segundo técnico corinthiano a seguir para a Seleção. Contratado no fim de 2001 para substituir o próprio Luxemburgo em sua segunda passagem pelo clube, o início foi complicado. O treinador experiente tinha de contornar uma situação difícil de crise interna dentro do clube e o parceiro investidor. Os recursos no futebol eram escassos e ele teve de dar conta do recado com as peças que tinha à disposição. No caso, as pratas da casa.

A principal característica do Corinthians de Parreira era o toque de bola. Com média de 422 passes trocados por partida e grande eficiência ofensiva, o trabalho desenvolvido por ele chamou a atenção da CBF. E, no início de 2003, mais precisamente no dia 7 de janeiro, Carlos Alberto Parreira foi mais um treinador que deixou o Corinthians para rumar à Seleção Brasileira.

Mano Menezes

Desta vez, um intervalo de tempo um pouco maior. Mas, o fim da história foi o mesmo. Em 2010, Mano Menezes foi o terceiro técnico do Corinthians que seduziu à CBF, foi convidado para treinar a Seleção e aceitou. Era a sua terceira temporada de trabalho no Parque São Jorge e depois de ter feito um grande trabalho em 2008.

Ttrazendo o Corinthians de volta à elite do futebol brasileiro, além de conquistar o título nacional, seguido do Campeonato Paulista de 2009 e a Copa do Brasil, no mesmo ano. O destaque e principal jogador daquele elenco era Ronaldo, mas quem aparecia bastante nas jogadas ofensivas do Corinthians eram os dois volantes Cristian e Elias, que também contaram com grande fase de Douglas.

Em 2010, ano da despedida, o início não foi tão promissor. Eliminação precoce antes das semifinais do Campeonato Paulista e fracasso no projeto ambicioso da Libertadores daquele ano após ser derrotado pelo Flamengo nas oitavas de final.

Houve quem pedisse a demissão do técnico, que foi bancado pela diretoria e recompentou a confiança com o melhor início do Corinthians na era dos pontos corridos até aquela época. Foram 24 pontos conquistados nos primeiros 11 jogos.