Após derrota em dérbi, Cristóvão Borges não é mais técnico do Corinthians

Treinador não suportou a pressão após mais uma derrota e instabilidade no futebol apresentado; Fábio Carille fica até o fim do ano, segundo presidente

Após derrota em dérbi, Cristóvão Borges não é mais técnico do Corinthians
Foto: Daniel Augusto Jr/ Agência Corinthians

A crise é interminável. Após sequência ruim de trabalho, saída do G4, Cristívão Borges não é mais treinador do Corinthians depois de derrota para Palmeiras em plena Arena Corinthians. Resultado foi a gota d'água para saída do contestado treinador, que chegou já com opiniões divididas após saída de Tite para a Seleção. 

Após a partida contra o Palmeiras, Roberto de Andrade confirmou em coletiva que o treinador tinha sido demitido e afirmou a efetivação de Fábio Carille até o fim do ano.

Vindo após um tempo sem comandar nenhuma equipe, Cristóvão chegou para assumir a bucha de ter um Corinthians sem técnico depois da saída de Tite. Mas ali, no dia 19 de junho, ele era anunciado e já tido como uma dúvida. Cristóvão não tinha establidade e bons trabalhos em nenhuma equipe que passou. No alvinegro, 18 jogos, com sete vitórias, cinco empates e seis derrotas.

Pra piorar, o comandante ainda perdeu jogadores importantes, como Bruno Henrique, Elias e André, vendidos para o futebol europeu e peças de liderança no time corinthiano. Com poucos reforços, o futuro não era promissor, mas ainda assim, o Corinthians se manteve entre os primeiros e brigando até pelo título, mas o futebol apresentado era abaixo do normal e a sequência dos jogos mostrava um time muito instável.

Entre lampejos, idas e vindas, o time foi caindo de rendimento e as alterações do atual comandante pioravam a equipe. Algumas vitórias ainda vieram, como a goleada contra o Flamengo, após um primeiro tempo sofrível. Mas o time se complicou em partidas teoricamente fáceis, como contra Figueirense e Vitória.

Nesse meio-tempo, uma outra constatação: o time conseguia criar, mas finalizava mal, além da defesa ter se tornado muito vulnerável. Exemplo foi o jogo contra o Grêmio, onde o time conseguiu jogar bem, mas apanhou demais e levou 3 a 0. O começo do fim veio no empate contra o Coritiba, quando o treinador terminou a partida com duas mudanças por fazer e preferiu manter a mesma equipe. 

A gota d'água chegou no dérbi. Após mais de um ano sem perder na sua arena, o Corinthians conheceu a derrota justo contra o Palmeiras. Novamente um time fraco taticamente que pouco incomodou. Protestos, brigas nas arquibancas e muitas críticas também pra diretoria. Ao final da partida, foi confirmada a sua saída.

Agora, o fim do ano se aproxima e poucas coisas devem mudar. O Corinthians agora passa o ano praticamente no aguardo de 2017, ainda que tenha chances de Libertadores. A Fiel quer ação da diretoria e isso dificilmente acontecerá. Roger Machado surge como maior esperança, após ser indicado pelo próprio Tite e negar num primeiro momento. A Fiel já pediu e os próximos dias deverão confirmar isso.