Jogadores do Criciúma lamentam perda de Cléber Santana

O meio-campista defendeu o clube catarinense entre 2014 e 2015

Jogadores do Criciúma lamentam perda de Cléber Santana
Cléber Santana foi capitão do Criciúma antes de se transferir para a Chapecoense (Foto: Cristiano Andujar/Getty Images)

No decorrer da terça-feira (29), jogadores do Criciúma se manifestaram nas redes sociais e lamentaram a tragédia aérea que vitimou atletas e integrantes da comissão técnica da Chapecoense, em Medelín (COL), durante a madrugada. Muitos dos profissionais do clube sul catarinense lembraram, principalmente, de Cléber Santana, que vestiu a camisa criciumense entre 2014 e 2015, antes de se transferir para o clube do Oeste de Santa Catarina.

O meio-campista Douglas Moreira publicou um foto no Instagram da comemoração do primeiro gol como profissional, na vitória sobre o Mogi Mirim na Série B de 2015. Na ocasião, ele pulava para abraçar o então capitão Cléber Santana. “Você foi um pai para mim, uma pessoa de outro mundo. Nunca vou esquecer de você, capitão”, lamentou o jogador.

O volante Barreto foi outro a citar a morte de Cléber. Para o atleta, o então capitão da Chape sempre será um exemplo. “Foi um prazer jogar e aprender com você”, resumiu.

Róger Guedes e Ezequiel, que são formados no Criciúma e deixaram o clube no decorrer da temporada de 2016, também lembraram a perda de Cléber Santana. O atacante, que defende o Palmeiras, disse estar sem palavras com a tragédia e que considerava o jogador um “paizão”. “Tenho que te agradecer por tudo, por sua humildade. Descanse em paz, capitão! Hoje, o céu está recebendo só campeões”, escreveu.

Exemplo de humildade e profissional. Que Deus conforte toda sua família”, publicou Ezequiel, que atualmente defende o Cruzeiro.

Outro profissional lembrado foi Eduardo Castro Filho, o Duca. Ele chegou ao Criciúma em 2014 como auxiliar de Caio Júnior, mas após a demissão do técnico assumiu a equipe sub-17 e, em seguida, o sub-20 do time. 

Neste período na base, Duca teve contato com lateral-esquerdo Marlon, que hoje é titular do time principal. “Um grande amigo, um pai de todos nas horas vagas, sempre aconselhando e ajudando da melhor forma que podia para mim. Obrigado por ser, e sempre vai ser, o melhor técnico que já tive”, disse Marlon sobre Duca, que era auxiliar de Caio na Chapecoense.

Kempes foi outro envolvido no acidente que esteve no elenco do Criciúma. O atacante passou pelo clube do Sul de Santa Catarina no ano de 2009.

Vale citar que o próprio Criciúma atualizou as redes sociais durante o dia se solidarizando com a situação vivida pela Chapecoense.