Cruzeiro explora erros do Santa Cruz e abre vantagem para Z-4

Raposa aproveita desatenção do sistema defensivo da Cobra Coral e, com gols no segundo tempo, leva a melhor, se distanciando da degola; nova derrota faz tricolores chegarem a oito jogos sem vencer no Brasileirão

Cruzeiro explora erros do Santa Cruz e abre vantagem para Z-4
Foto: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro
Cruzeiro
2 0
Santa Cruz
Cruzeiro: Rafael; Lucas, Bruno Rodrigo, Manoel e Edimar; Lucas Romero (Denílson, min. 86), Ariel Cabral e Robinho (Rafinha, min. 60); De Arrascaeta, Ábila (Willian, min. 78) e Rafael Sóbis. Técnico: Mano Menezes
Santa Cruz: Tiago Cardoso; Léo Moura, Luan Peres, Danny Morais e Allan Vieira; Uillian Correia (Danilo Pires, min. 77), Derley (Wallyson, min. 54) e João Paulo; Pisano (Marion, min. 63), Grafite e Keno. Técnico: Doriva
Placar: 1-0, min. 48, Robinho; 2-0, min. 52, Ábila
ÁRBITRO: Sandro Meira Ricci (SC). Cartões amarelos: Derley (min. 7), Lucas Romero (min. 39), Uillian Correia (min. 43), Ariel Cabral (min. 56) e Keno (min. 93)
INCIDENCIAS: Partida válida pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro 2016, disputada no Mineirão, em Belo Horizonte, Minas Gerais

Diante de aproximadamente 50 mil torcedores presentes ao Mineirão na manhã deste domingo (28), em Belo Horizonte, Cruzeiro Santa Cruz se enfrentaram em jogo válido pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro 2016. Com a força de seus torcedores, a Raposa mostrou forças e venceu a Cobra Coral por 2 a 0, com gols de Robinho Ábila, ambos no segundo tempo.

Com a terceira vitória nos últimos cinco jogos, os celestes chegam aos 26 pontos, indo à 14ª posição. Os tricolores, por outro lado, atingem a marca de oito confrontos sem vencer pelo certame nacional, ficando na vice-lanterna e estacionando nos 19 pontos ganhos, sofrendo mais uma rodada na zona de rebaixamento.

Os times voltam a campo, pela 23ª rodada do Brasileirão, somente em duas semanas. Os mineiros vão fazer clássico estadual ao enfrentar o América-MG no Independência, às 21h, apenas no dia 8 de setembro, enquanto os pernambucanos recebem a Chapecoense no Arruda, em Recife, às 16h do dia 7.

Antes, as equipes possuem compromissos por outras competições. Os cruzeirenses duelam contra o Botafogo às 20h nessa quinta-feira (1º), no Luso-Brasileiro, pela partida de ida das oitavas de final da Copa do Brasil, já o Mais Querido encara o Sport pela volta da segunda fase da Copa Sul-Americana, na Arena de Pernambuco, no entanto às 21h45 da quarta-feira (31).

Santa Cruz é mais perigoso, mas placar fica zerado

Fazendo valer o fator casa e precisando da vitória a todo custo, quem começou melhor a partida foi o Cruzeiro, que se impôs nos primeiros dez minutos de bola rolando, enquanto que o Santa Cruz se defendeu e apostou no contra-ataque como principal arma. Com maior pressão e apoiado na força das arquibancadas, com mais de 45 mil presentes, a Raposa até teve boa chance com Manoel cabeceando, porém a bola saiu pelo lado e sem assustar.

Sentindo que poderia surpreender, o Mais Querido não se acomodou e foi para cima. João Paulo deu um bom lançamento para Grafite em profundidade e o atacante dominou tirando de Manoel, saindo cara a cara com Rafael e finalizando forte, mas o goleiro cruzeirense fez boa intervenção, com Bruno Rodrigo afastando em seguida.

Apesar da evidente superioridade celeste dentro das quatro linhas, os tricolores não se intimidaram e permaneceram valorizando as trocas de passe, procurando espaços para levar perigo. Livre para atacar, os tricolores deram o primeiro susto na torcida dos mineiros. Depois de um bom cruzamento na pequena área, a sobra ficou com Léo Moura, que encheu o pé e acertou o travessão.

Do meio para o fim da etapa inicial, o jogo ficou mais truncado e sem muitos lances, devido à falta de criatividade dos times e ao alto índice de faltas. Os mandantes até tentaram atacar através da ligação direta mas, sem raça, não conseguiram furar o bloqueio dos visitantes, que pouco se expuseram e se seguraram na zona defensiva.

Raposa volta melhor, marca no início e garante triunfo

Para a etapa final, os treinadores optaram por não realizar nenhuma mudança nas respectivas equipes. Ainda assim, a Raposa voltou com melhor postura e mais disposta a buscar o resultado, diferentemente do que foi visto na inicial. Com apenas três minutos, a defesa tricolor cortou mal uma bola cruzada na pequena área e o rebote ficou no pé de Robinho, que chutou forte e marcou um belo gol.

Seguindo na blitz ofensiva, o Cruzeiro mostrou que estava superior e conseguiu ampliar a vantagem, confirmando a vitória. Depois de boa cobrança de lateral dentro da área, Arrascaeta fez jogada individual e passou com qualidade para Ábila. O atacante argentino demonstrou eficiência e só teve o trabalho de empurrar ao fundo do barbante.

Tentando sinalizar que estava vivo no jogo, Doriva optou por colocar o atacante Marion no lugar de Pisano, com atuação fraca. A mudança fez o Mais Querido ficar mais rápido e teve boa chance de diminuir a desvantagem, quando João Paulo arrematou da intermediária e viu a pelota sair pela linha de fundo.

Do meio para o fim, a equipe pernambucana não deixou se abater e criou boas oportunidades de marcar. Wallyson bateu falta colocada e Rafael tirou o perigo com um tapa. Logo depois, o mesmo Wallyson participou do lance, mas sendo servido por João Paulo e cabeceando no ângulo. O goleiro celeste, entretanto, se esticou todo e interveio na jogada.

Nos acréscimos, o anfitrião teve a última chance de balançar as redes e ficou na trave. Rafinha tocou rasteiro em direção à entrada da área, Willian surgiu com liberdade e soltou a bomba, acertando a trave. O rebote ficou com Rafael Sóbis, que arrematou em direção à meta dos visitantes, todavia acertou o próprio companheiro e o placar não teve alteração.