Cruzeiro bate América-MG com um gol em cada tempo e chega a seis jogos de invencibilidade

Raposa vence clássico sob o comando de Mano Menezes, se afasta da zona de rebaixamento e afunda ainda mais o Coelho na lanterna

Cruzeiro bate América-MG com um gol em cada tempo e chega a seis jogos de invencibilidade
Foto: Pedro Vilela/Light Press
América-MG
0 2
Cruzeiro
América-MG: João Ricardo; Jonas, Alison, Sueliton e Danilo Barcelos; Claudinei (Sávio, min 87), Juninho, Pablo, Diego Lopes(Ernandes, intervalo) e Osman; Michael(Nixon, intervalo)
Cruzeiro: Rafael, Lucas, Bruno R. Manoel(Léo, min 76) e Edimar. Henrique, Ariel Cabral (Lucas Romero, min. 80) e Robinho(Alisson, min 16), Arrascaeta, Rafinha e Ábila
Placar: 0-1, min. 20, Arrascaeta. 0-2, min 69, Ábila.
ÁRBITRO: Igor Junio Benevenuto. CARTÃO AMARELO: ÁBILA (MIN. 44), BRUNO RODRIGO (MIN. 05), JONAS (MIN. 07),
INCIDENCIAS: JOGO VÁLIDO PELA 23° RODADA DA SÉRIE A DO CAMPEONATO BRASILEIRO, REALIZADO NO INDEPENDÊNCIA

O Cruzeiro chegou a sexta partida invicta no Campeonato Brasileiro e segue seu caminho de recuperação no returno. A vitória diante do América-MG no clássico da rodada foi a terceira vitória em quatro partidas. Com tranquilidade, o time celeste bateu o Coelho por 2 a 0 no clássico no Independência, pela 23ª rodada. Os estrangeiros decidiram: o uruguaio De Arrascaeta marcou no primeiro tempo e o argentino Ramón Ábila, que marcou na segunda etapa.

A Raposa, com a vitória, é a melhor equipe do returno, com 10 pontos em 12 possíveis. O time de Mano Menezes foi para a 12ª colocação, com 29 pontos, dois a mais que o 17º, Figueirense. Já o América, cada vez mais próximo da segundona, continua na lanterna, com 13 pontos.

No próximo domingo (11), às 16h, o Cruzeiro receberá o Botafogo, no Mineirão. No mesmo dia, mas às 18h30, o Coelho visitará a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli, em Campinas.

Melhor, Cruzeiro aproveita suas chances no primeiro tempo

(Foto: Pedro Vilela/Light Press)
(Foto: Pedro Vilela/Light Press)

Nenhum dos dois times conseguiu sobressair no primeiro tempo. As duas equipes tiveram oportunidades de marcar. No princípio, a partida era muito estudada, tática. Os dois lados do clássico eram muito cautelosos, e pensavam muito antes de arriscar qualquer coisa e correr riscos. 

Aos 20min, porém, a Raposa fez pressão na saída de bola do Coelho e forçou Sueliton à tocar na fogueira para Diego Lopes, que perdeu para Ramón Ábila na dividia. Aproveitando a falha dos donos da casa Arrascaeta abriu o placar para o clube celeste no Horto: 1 a 0. Artilheiro do time em 2016, o uruguaio chegou ao sexto gol no Brasileiro e ao 10º na temporada.

Depois do gol, o Cruzeiro conseguiu ficar completamente superior na partida. O América-MG se sentia acuado e tentava valorizar a posse de bola, mas o time celeste era melhor em todos os setores, sobretudo, no meio campo onde dominava todas as ações. O primeiro tempo terminou tecnicamente ruim. O Coelho recheou o meio de campo, mas nada conseguia agredir. A Raposa também não conseguia criar, mas, ainda assim, foi superior.

Ábila volta a marcar e torna vitória mais tranquila 

(Foto: Washington Alves/Light Press)
(Foto: Pedro Vilela/Light Press)

Na volta do intervalo, Enderson Moreira mudou e mandou para o jogo Nixon e Ernandes, em busca de melhorar sua chegada ao ataque e tentar agredir mais a Raposa, mas o desenho tático do jogo, no entanto, não mudou. O Cruzeiro continuou como domínio absoluto da partida, enquanto o Coelho se arriscava em pequenos momentos no campo ofensivo.

Aos 13min, Arrascaeta driblou Claudinei e cruzou para Ábila, que, de voleio, mandou por cima. Após os 15 minutos, com comando de Enderson, o América começou a sair mais para o jogo. Com isso, o Cruzeiro seguia se defendendo bem e correndo poucos riscos, aproveitando a falta de técnica do Coelho entre os homens de frente.

Aos 24, a marca do goleador voltou a aparecer: após boa jogada do Alisson, Ramon Ábila recebeu a bola na área e sem dificuldade colocou a bola para o fundo das redes. Após o 2x0, o Cruzeiro administrar o resultado até o apito final do árbitro.