Mano Menezes garante Willian nos planos do Cruzeiro para 2017 e cita carência nas laterais

Treinador celeste evita falar em novos nomes para a próxima temporada e afirma que estará no Mineirão para acompanhar o duelo entre Brasil e Argentina, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo 2018

Mano Menezes garante Willian nos planos do Cruzeiro para 2017 e cita carência nas laterais
Atualmente no Cruzeiro, Mano deixa futuro em aberto, no que se refere a seleção brasileira (Foto: Rodrigo Rodrigues/Light Press)

A temporada vai chegando ao fim e, como de praxe, aparecem as primeiras especulações para o próximo ano. O nome do atacante Willian, por exemplo, já foi vinculado a vários clubes do país, uma vez que o atleta não enfrenta boa fase no Cruzeiro. No entanto, o técnico Mano Menezes garantiu o jogador na equipe celeste em 2017.

Em entrevista ao canal Esporte Interativo, nesta quinta-feira (10), o treinador celeste negou qualquer conversa com clubes brasileiros sobre Willian. Mano relembrou a entrevista dada pelo camisa 9, pouco antes do dia das crianças, quando o Cruzeiro selecionou filhos de sócios torcedores para entrevistarem os jogadores na sala de imprensa da Toca da Raposa II. Na ocasião, o atacante revelou que torcia pelo São Paulo na infância. O Tricolor Paulista foi um dos clubes ventilados como provável destino de Willian.

"Está nos planos para o ano que vem. Não tratamos com nenhum clube do Brasil sobre troca de jogador. Às vezes existe sondagem, mas o Willian a alimentou um pouco quando concedeu uma entrevista para as crianças (risos). Tudo que a gente fala interfere no processo. A partir daí surgiram especulações, mas elas não têm fundamento nenhum por enquanto. Não tratamos desse assunto”, disse Mano.

Se outros clubes já movimentam o mercado, no Cruzeiro não é diferente. Sobretudo, quando o assunto é lateral. Seja direita ou esquerda, a Raposa teve dificuldades pelos flancos nesta temporada. Vários nomes foram contratados, mas, não tiveram atuações satisfatórias na titularidade: Sanchez Miño (rescindiu no meio da temporada), Bryan, Lucas, Edimar, Ezequiel, entre outros. Mano evita falar em novos nomes para 2017, mas quer, acima de tudo, ajustes no setor defensivo.

“Foi um setor onde a gente, na minha opinião, não produziu satisfatoriamente para o nível que a gente precisa. Isso também se deve a escolha do jeito da equipe jogar até certo tempo. O Paulo (Bento) armava uma defesa diferente do que eu armo. Fechava muito a linha de quatro, nossos laterais ficavam um pouco ou bastante expostos no enfrentamento de 1 contra 1. Na inversão da bola com muita liberdade os atacantes do adversário recebiam a bola com muito espaço para progredir e avançar em direção a nossa área e isso tirou a confiança de nossos laterais. Isso criou um problema na temporada, que já corrigimos em parte, mas precisamos recuperar. Não é só uma questão de nome, mas do jeito da equipe jogar”, analisou o treinador.

Sai: Mano treinador; entra: Mano torcedor

Brasil e Argentina entram em campo nesta quinta-feira (10), às 21h45, no Mineirão, pela 11ª rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo 2018. Mano Menezes estará no Gigante da Pampulha, mas, desta vez, como torcedor.

"Vou estar no Mineirão, claro. Um grande jogo como esse, na cidade que estamos trabalhando, não pode deixar de ser assistido por quem trabalha com futebol. Jogos grandes mexem com todo mundo", ressaltou o técnico.

Há quatro anos atrás, era Mano Menezes quem estava onde Tite está atualmente: comandando a seleção brasileira. Mas, após 33 partidas, com 21 vitórias, seis empates e seis derrotas, o atual técnico do Cruzeiro acabou sendo demitido. Apesar da curta passagem pela seleção canarinho, Mano garante que aprendeu lições e deixou o futuro em aberto.

"Em relação aos planos futuros, de Seleção ou não, penso que não é hora de falar sobre isso. Falar sobre o futuro no futebol sempre é muito difícil. O mais importante como técnico é buscar se atualizar o tempo inteiro para fazer bons trabalhos. Enquanto fizer bons trabalhos, fica entre os principais do pais e as vezes do mundo, estando você pode ser lembrado para qualquer situação. Agora como uma certa experiência de ter passado pela primeira vez, você consegue enxergar o que é bom ou não para um técnico na seleção do país", concluiu.