Bandeira de Mello ironiza Paulo Nobre: "Mancha foi a expulsão do Márcio Araújo contra Palmeiras"

Presidente do Flamengo rebateu as acusações de Peter Siemsen e Paulo Nobre

Bandeira de Mello ironiza Paulo Nobre: "Mancha foi a expulsão do Márcio Araújo contra Palmeiras"
Bandeira de Mello ironiza Paulo Nobre: "Mancha foi a expulsão do Márcio Araújo contra Palmeiras"

Nelson Rodrigues dizia que "o Fla-Flu começou 40 minutos antes do nada", mas não imaginava que o clássico válido pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro, renderia tanta polêmica. Após as coletivas enfurecidas de Peter Siemsen, presidente do Fluminense, e Paulo Nobre, presidente do Palmeiras foi a vez do mandatário do Flamengo Eduardo Bandeira de Mello se pronunciar sobre o caso. O tema principal: favorecimentos ao clube Rubro-Negro e a possibilidade de mancha no campeonato.

"O que mancha a credibilidade do Campeonato Brasileiro é a expulsão absurda do Márcio Araújo contra o Palmeiras, no Allianz Parque. O Fluminense também. Quer ter direito de fazer gol ilegal?", desabafou.

Bandeira de Mello ironizou algumas declarações de Paulo Nobre, principalmente quando se tratava de uma possível pressão que o Flamengo estaria fazendo na arbitragem. Para o presidente do clube, tal pressão é feita pela torcida e dos jogadores dentro de campo.

"Eu gosto muito dessas afirmativas vagas. Gostaria que ele (Paulo Nobre) dissesse que me ligou. Estou sentindo que a pressão que o Flamengo está fazendo, mas não na arbitragem, e sim é da torcida, da raça, do time dentro de campo"

O presidente também defendeu o Flamengo quanto as acusações de Paulo Nobre e Peter Siemsen. Segundo ele, tais relatos são injustos e o mesmo não tem sangue de barato para ficar calado.

"Quem subiu o tom não fui eu. Ouvi duas entrevistas raivosas acusando o Flamengo injustamente. Não tenho sangue de barata. Todas as vezes que fomos prejudicados, levamos à CBF os problemas. Apresentamos propostas de controle externo de arbitragem com auditoria"

Por fim, Bandeira de Mello detonou Paulo Nobre. Afirmou que sua relação com o mandatário sempre foi cordial, mas reclama do desespero do presidente do Palmeiras nesta situação.

"Meu relacionamento com Paulo Nobre sempre foi cordial. Ele parecia um 'gentleman'. Me surpreende essa reação de hoje, em um jogo que não o Palmeiras não tem nada a ver. Aparentemente eu estava lidando com uma pessoa educada que agora está mostrando o seu desespero"