O renascimento de Wellington: após fracasso na Europa, cria cai nas graças da torcida do Flu

Revelado em Xerém, atacante foi vendido ao Arsenal em 2010, quando tinha somente 17 anos. Hoje, retorna ao Tricolor com a chance de dar uma reviravolta na carreira

O renascimento de Wellington: após fracasso na Europa, cria cai nas graças da torcida do Flu
(Arte: Rodrigo Rodrigues/VAVEL Brasil | Foto: Mailson Santana/Fluminense F.C.)

Bastaram somente 90 minutos em campo para Wellington encantar não só ao técnico Levir Culpi, mas também a torcida do Fluminense. Após ótima reestreia na vitória sobre o Ypiranga, que classificou o Tricolor às oitavas de final da Copa do Brasil, o atacante teve outra chance, desta vez, contra a Ponte Preta. Ao substituir Samuel no intervalo, a cria de Xerém marcou um belo gol e caiu nas graças da torcida.

Apesar do retorno avassalador, Wellington não teve vida fácil. Ainda com 16 anos, subiu para os profissionais do Fluminense e fez parte do elenco campeão brasileiro em 2010 – marcou um gol em 17 jogos naquela temporada. Logo depois, foi transferido para o Arsenal, da Inglaterra, com a chance de alavancar sua carreira. Entretanto, por não conseguir tirar uma licença de trabalho, sequer pôde entrar em campo pelos Gunners.

Com isso, o atacante foi emprestado ao Levante, da Espanha, onde também não teve sucesso. E isso se repetiu durante quase toda a sua carreira. Clubes de pouca expressão da Espanha como Alcoyano, Ponferradina, Real Murcia e Almería fizeram parte do currículo de Wellington. Após cinco anos sem brilho no futebol espanhol, o atacante retornou novamente à Inglaterra, desta vez, para o Bolton, onde novamente não conseguiu se firmar – marcou somente dois gols em 22 jogos.

Wellington em ação por clubes da Espanha (Foto: Editoria de Arte/VAVEL)
Wellington em ação por cinco clubes da Espanha (Foto: Editoria de Arte/VAVEL)

A expectativa sobre o futebol de Wellington foi tanta que a imprensa inglesa o chamava de ''Novo Neymar''. Porém, o atacante foi apenas mais um daqueles jovens jogadores que saem cedo demais do Brasil e não conseguem se adaptar ao futebol europeu. Neil Lennon, ex-treinador de Wellington no Bolton, chegou a criticá-lo em uma entrevista a um jornal local: ''Suas performances não foram boas o suficiente. Ele é um jogador útil em casa, mas fora ele não é um competidor de peso'', disse. 

Hoje, aos 23 anos e com seis clubes na bagagem, Wellington retorna ao Fluminense. Mais maduro, a cria de Xerém tem a chance de escrever um novo capítulo e dar uma reviravolta na carreira. A concorrência, porém, é grande. Ao todo, o clube conta com nove atacantes no elenco: os recém-chegados Henrique Dourado, Alexis Rojas e Danilinho, além de Magno Alves, Osvaldo, Richarlison, Samuel, Marcos Junior e Pedro. Esses dois últimos, assim como Wellington, também revelados nas categorias de base do Flu.

Wellington em ação contra a Ponte Preta: atacante vive lua de mel com a torcida (Foto: Mailson Santana/Fluminense F.C.)
Wellington em ação contra a Ponte Preta: atacante vive lua de mel com a torcida (Foto: Mailson Santana/FFC)

Confira o gol de Wellington contra a Ponte Preta: