Fluminense sofre em excesso com gols originados de bolas aéreas

São seis gols vindos de bolas levantadas na área sofridos nas últimas três rodadas

Fluminense sofre em excesso com gols originados de bolas aéreas
Fluminense sofre em excesso com gols originados de bolas aéreas

O Fluminense chegou a ter a defesa menos vazada do Campeonato Brasileiro 2016, mas, nas últimas rodadas, tem sofrido com um novo - ou velho - pesadelo: o excesso de gols sofridos em bolas aéreas. Gum e Henrique tem tido boas atuações no torneio, mas os números recentes preocupam a todo o sistema defensivo e - principalmente - a torcida.

São seis gols vindos de bolas levantadas na área sofridos nas últimas quatro rodadas, respectivamente contra Sport, Santos, Flamengo e São Paulo. Desses tentos, cinco foram finalizados em cabeçadas e três partiram de jogadas ensaiadas. Tais lances ligam o sinal de alerta em Laranjeiras pois, apesar dos pesares, a bola aérea é um ponto forte da equipe Tricolor.

Relembre os gols de bolas aéreas sofridos pelo Flu:

Fluminense 3 x 1 Sport: contra o Sport, Gabriel Xavier cobrou escanteio, Gum se enrolou na marcação e acabou desviando contra a própria meta.

Fluminense 1 x 2 Santos: no primeiro gol, Copete se antecipou a Wellington Silva e marcou. No segundo, Ricardo Oliveira aproveitou o cruzamento na primeira trave e sentenciou.

Fluminense 1 x 2 Flamengo: cruzamento vem da direita, Wellington Silva erra o corte e Fernandinho empurra às redes.

Fluminense 1 x 2 São Paulo: escanteio vem da direita, Rodrigo Caio sobe mais que a defesa e empurra para as redes.