Em 2011, duelo entre Fluminense e Atlético-PR marcou a despedida de Conca; relembre

Meia argentino deixava o Tricolor rumo à China

Em 2011, duelo entre Fluminense e Atlético-PR marcou a despedida de Conca; relembre
Foto: Divulgação/Fluminense
Fluminense
3 1
Atlético-PR
Fluminense: Diego Cavalieri; Mariano, Gum (Elivélton), Márcio Rosário e Carlinhos; Edinho, Diguinho, Souza (Valencia), Marquinho e Conca; Ciro (Fernando Bob). Técnico: Abel Braga
Atlético-PR: Márcio; Wendel Santos, Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Marcelo Oliveira, Cleber Santana, Madson (Kleberson), Branquinho (Guerrón) e Paulo Baier (Edigar); Nieto. Técnico: Leandro Niehues
Placar: 1-0, Mariano. 2-0, Ciro. 3-0, Ciro. 3-1, Edigar.
INCIDENCIAS: 7ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2011, jogo realizado no estádio do Engenhão, no Rio de Janeiro, às 21h.

Na noite de quinta-feira do dia 30 de junho de 2011, Fluminense e Atlético-PR se enfrentavam no estádio do Engenhão pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. O jogo tinha tudo para ser mais um confronto normal entre as equipes, mas horas antes da bola rolar surgiu a notícia que o meia Darío Conca esteve de malas prontas rumo à China.

Conca se firmou como ídolo do clube na campanha do título do Campeonato Brasileiro de 2010, onde jogou as 38 rodadas e foi eleito o craque do torneio. Seis meses depois, uma proposta milionária do Guangzhou Evergrande mexeu com o atleta e com a diretoria do Fluminense. 

Conca chegou no Fluminense em 2008, se destacou na campanha do vice-campeonato da Libertadores no mesmo ano, foi responsável ao lado de Fred pela fuga do rebaixamento em 2009 e o craque do título do Brasileirão de 2010. O jogo contra o Atlético-PR marcou a despedida da primeira passagem do meia pelo tricolor. A VAVEL Brasil relembra como foi a partida.

Fluminense vence Atlético-PR na despedida do ídolo Conca

Todos os olhos estavam voltados para Conca. Antes da bola rolar, a torcida que já sabia que o ídolo estava de partida, se manifestava com gritos de "fica por favor". Mas o argentino, como de costume, entrou mudo e saiu calado. 

Em campo, o Fluminense começou perdido. O time não tinha uma referência no ataque e o atacante Ciro, que substituía Rafael Moura, não sabia o que fazer. Recuado, o time tricolor dava espaços ao Atlético-PR, que tinha mais a posse de bola.

Principal personagem da noite, Conca esteve apagado durante o começo do jogo, mas quando acordou o Fluminense marcou dois gols em dois minutos. Primeiro, ele achou Souza que serviu Mariano para abrir o placar. Depois, puxou a marcação para o lado oposto e deixou Ciro livre, que recebeu de Marquinho, para ampliar o placar.

No segundo tempo, o Fluminense marcou o terceiro. Após cobrança de escanteio de Souza, Gum acertou o poste e no rebote Ciro aproveitou a falha da zaga do Atlético-PR e aumentou o placar de voleio.

Com o jogo na mão, Abel Braga recuou o time do Fluminense, que terminou o jogo com quatro volantes. O mais avançado era Conca, que sempre que pegava na bola escutava os gritos de "fica, fica". Depois de tanto recuar, o Flu acabou levando gol de Edigar, que marcou o segundo gol do Furacão no Brasileirão.

Foto: Divulgação/Fluminense FC
Foto: Divulgação/Fluminense FC