Gestão Peter Siemsen: os prós e contras dos seis anos de mandato

Amada por uns e odiada por outros, a gestão Peter Siemsen tem seus pontos positivos e negativos para a história do clube

Gestão Peter Siemsen: os prós e contras dos seis anos de mandato
Fotomontagem: Hugo Alves/VAVEL.com

Há seis anos no comando do Fluminense, Peter Siemsen deixa oficialmente o cargo máximo do futebol tricolor. Em meio à conquistas e tragédias, a VAVEL Brasil lista os prós e contras da passagem do advogado, considerado por muitos como melhor presidente da história, pela cadeira mais importante do clube. 

  • PRÓS - Um novo Fluminense

Desde seu primeiro dia no comando do tricolor, Peter evidenciou os seus esforços para equacionar a dívida do clube e ano após ano demonstrou a eficiência de seu programa com aumentos incessantes no caixa do clube. O início do processo de estabilidade financeira possibilitou até mesmo a saída da maior patrocinadora de futebol no Brasil (em termos de investimento) que passou a ter menos influência interna.

Além disso, projetos como a reforma de áreas do clube social e o investimento em esporte olímpico devem ser valorizados. Apesar de sabermos que ainda há muito a ser feito nesse aspecto, o primeiro passo é sempre um dos mais importantes, principalmente, no esporte olímpico área em que o tricolor sempre esteve presente.

Voltado ao futebol propriamente dito, projetos como a criação do Sócio Futebol ganham destaque apesar do insucesso e de diversas falhas contidas no mesmo. Este projeto, no entanto, certamente será aperfeiçoado pelo próximo presidente ressaltando a importância de um primeiro passo. 

Xerém é outro ponto que demonstra a eficiência financeira do ex-presidente. Antes abandonada e sem a mínima infraestrutura para os jogadores das divisões de base do clube, Xerém é hoje um dos principais centros de treinamento do mundo quando o assunto é futebol de base, fator que rendeu ao Flu visita de seleções e até mesmo reconhecimento internacional, agregando valor aos jovens e à instituição.

Juntamente com a reforma de Xerém, outro passo foi importante para a mudança de patamar do clube, o projeto do CT que eleva o Fluminense à outro nível não apenas no futebol nacional, mas sul-americano e quiçá mundial uma vez que possui as mesmas condições que alguns grandes clubes ao redor do mundo. O centro de treinamento deve ser valorizado também, pois como declarou Thiago Silva, "chama jogador".

Já em questão de legado, dois projetos iniciados por Peter não serão terminados em sua gestão. O Flu Europa, iniciativa duramente criticada por parte da torcida e a compra do terreno para a futura criação do estádio. Dentre estes dois fatores, ressaltaremos a compra do STK Samorin e a possível importância deste projeto.

À princípio, ter um time na Europa não caiu nas graças do torcedor, ainda mais quando o clube matriz não estava em um bom momento dentro das quatro linhas. No entanto, o ideal do projeto e tudo que o mesmo pode render ao clube devem ser ressaltados. A participação nas principais competições europeias, levando o nome do Fluminense em países do velho continente, aumentam a influência tricolor sobre o mundo, principalmente, para compra e venda de atletas. 

CONTRA - Problemas no futebol

Em contrapartida ao equacionamento das dívidas do clube, o péssimo futebol apresentado - principalmente no período pós-Unimed - é o principal ponto de crítica ao ex-presidente. O quase rebaixamento de 2013 e as fracas campanhas de 2014, 2015 e 2016 confirmam o erro no desenvolvimento do setor esportivo do clube que ainda não conseguiu ter um time competitivo e retornar aos áureos momentos de 2010/2011/2012.

A falta de um bom futebol dentro das quatro linhas muito se dá pela demora na obtenção de um novo contrato de patrocínio master que, certamente, ajudaria na contratação de novos nomes para o clube. Este problema, no entanto, parece ter um fim próximo com apesar de não ser mais de sua alçada.

Outro ponto que pesa contra Peter Siemsen se dá pelo seu comportamento, muitas vezes, omisso. Em momento importantes da história recente como o caso Portuguesa, percebeu-se a falta do presidente para comandar e blindar o clube dos ataques feitos pela mídia, esse fator é alvo de duras críticas por parte de ex-membros de sua gestão, como Mário Bittencourt. 

Além de um comportamento omisso em alguns momentos, outro fator negativo se dá pelo mal relacionamento com os jogadores e treinadores ou até mesmo, pela liberação de ídolos recentes do clube, fato que foi citado pelos candidatos à presidência como um dos principais defeitos de Peter. A saída de Fred é apontada como um fator que deve ser encaixado neste contexto.

Por fim, considerado como pior legado deixado por Peter, o tão batido plano de marketing. Como ressaltamos ao falar do Sócio Futebol, sabemos da importância de se dar o primeiro passo nessas áreas, antes inimagináveis. No entanto, alguns erros grosseiros devem ser destacados como a instabilidade do programa de sócio.

Sendo assim, concluímos que a gestão Peter Siemsen tem seu valor evidenciado nas ações financeiras, na estruturação do Fluminense e no rompimento com a Unimed ações que foram sentidas dentro de campo. Portanto, o valor da passagem do advogado tricolor pelo clube é inegável e não por menos é considerado por alguns torcedores como o melhor a ocupar este posto.