Marcelo Grohe, o gremista há mais tempo no clube

Conheça a trajetória do arqueiro gremista, criado na base do clube e jogador mais presente na história recente do tricolor gaúcho

Marcelo Grohe, o gremista há mais tempo no clube
Fotomontagem: Hugo Alves/Editoria de Artes da VAVEL Brasil

O futebol muitas vezes é movido por paixão. Em reflexo disso, vemos muitos jogadores que, além de profissionais, são também torcedores do clube. Um destes casos acontece em Porto Alegre, no Grêmio. Marcelo Grohe, nascido em 13 de janeiro de 1987 (29 anos) e natural da cidade de Campo Bom, no Rio Grande do Sul, é um dos jogadores há mais tempo em um clube no Brasil.

O goleiro veste as três cores do tricolor gaúcho profissionalmente há 11 anos, e desde os primeiros passos na categoria de base, já são passados 16 anos. Recentemente, houve um grande exemplo deste tipo de feito, quando Rogério Ceni se aposentava do futebol tendo vestido apenas uma camiseta, a do São Paulo. Hoje, Marcelo Grohe caminha para algo parecido.

O início de tudo

O que poucos sabem é sobre a origem do campo-bonense. O garoto que foi encontrado jogando futebol na rua, com seus amigos e, no momento, era jogador de linha. Descoberto ali por representantes da Juventus (União de Jovens Campo-bonenses), Marcelo foi convidado à jogar de goleiro na equipe — pela dificuldade de encontrar goleiros.
Para dar prosseguimento em seus treinos pela escolinha, era necessário que fossem pagos cinco reais mensais, como forma de mensalidade. Com a deixa dos pais, Marcelo seguiu treinando na Juventus, até que num torneio de praia, no ano de 2000, despertou o interesse do Grêmio.

Marcelo Grohe campeão de juniores em 2005
Foto: TXT Assessoria

Entre os profissionais do Grêmio

Desde o ano de 2005, quando o arqueiro surgiu como profissional no time do Grêmio, sofreu com a concorrência e amargou boa parte dos jogos o banco de reservas. Neste mesmo ano, viria a ser terceiro goleiro da equipe, enquanto na sua frente ainda se encontrava Eduardo, reserva imediato do goleiro Galatto. O ano seguinte traria consigo melhoras para o jogador. Agora reserva imediato de Galatto, ele viu o titular sofrer com lesões que, consequentemente, lhe deram oportunidades de defender a meta tricolor. E foi assim que começou seu protagonismo. Num Gre-Nal válido pela final do Campeonato Gaúcho daquele ano, Marcelo Grohe seria o goleiro titular na conquista do título em cima do maior rival.

Entusiasmo freiado

O goleiro, porém, ainda não viria a se fixar como titular da equipe. No passar dos anos, o clube contrataria ainda outros goleiros para compôr a titularidade ou, ao menos, disputar vaga com Marcelo. São os casos de Sebastian Saja, em 2007, e no ano seguinte Victor, que acabou por defender o tricolor até julho de 2012. Durante este tempo, Marcelo Grohe ocupava o banco de reservas e, eventualmente, substituía os goleiros titulares, seja em lesões, ou em partidas na qual eram poupados titulares. O detalhe é que o campo-bonense sempre que entrava tinha uma grande atuação e, em muitos momentos, efetuava milagres na meta tricolor. Após a saída de Victor, em 2012, o caminho parecia se desenhar para Marcelo, enfim, ocupar a vaga titular — o que veio a ocorrer durante o resto do ano, inclusive, se destacando e sendo considerado o quinto melhor goleiro do campeonato. Mas, com a vaga assegurada para a Copa Libertadores do ano seguinte, o Grêmio foi atrás de um novo arqueiro para reforçar o elenco, e acabou por contratar o veterano Dida.

Mas o protagonismo já fazia parte de Marcelo Grohe. Durante a disputa da Pré-Libertadores, diante da LDU do Equador, após o goleiro Dida se lesionar na primeira partida, Marcelo o substituiu no restante do jogo, e ocupou a vaga de titular no jogo de volta. A disputa acabaria indo para os pênaltis, quando o arqueiro gremista defenderia a cobrança dos equatorianos que levou o Grêmio a classificação.

Redenção

Foto: Lucas Uebel / Grêmio

Podemos dizer que 2014 viria a ser o principal ano do goleiro com a camisa tricolor. Após a saída do goleiro Dida, ocupou de forma definitiva a titularidade da meta gremista. E foi além. Marcelo ainda se destacaria como o quinto goleiro que mais tempo ficou sem tomar gol, em todas as edições do campeonato, além de receber o prêmio de Bola de Prata, no final do ano, pela revista Placar — prêmio que ele receberia também no ano seguinte. No mesmo ano, o goleiro ainda seria convocado pela primeira vez para a seleção brasileira, pelo técnico Dunga, nas partidas diante da Argentina, válidas pelo Superclássico.

Já no ano de 2015, Marcelo Grohe integrou o elenco da seleção que disputou o Copa América, porém, estreando de fato diante da Costa Rica, em um amistoso. No presente, o arqueiro gremista está prestes a conquistar um de seus maiores objetivos com o clube que o revelou: um título de grande proporção. O tricolor mede forças com o Atlético-MG pela final da Copa do Brasil deste ano, e isso se deve em grande parte às defesas do arqueiro gremista.

Desde que passou a ser profissional, Marcelo conquistou apenas o Campeonato Brasileiro Série B (2005), e o Campeonato Gaúcho (2006, 2007 e 2010).