Vitinho volta a marcar, Inter bate Figueirense e faz as pazes com a torcida

Jogo de desesperados terminou com vitória do Colorado, que agora segue vivo na luta contra o rebaixamento

Vitinho volta a marcar, Inter bate Figueirense e faz as pazes com a torcida
Vitinho comemorou muito o gol que deu a vitória ao Inter. (Foto: Ricardo Giusti)
Internacional
1 0
Figueirense
Internacional: Danilo Fernandes; William, Paulão, Ernando, Ceará; Rodrigo Dourado, Fernando Bob, Ferrareis (Sasha), Alex (Valdívia), Seijas; Vitinho (Aylon) Técnico Celso Roth
Figueirense: Gatito Fernández; Ayrton, Bruno Alves, Werley, Pará; Jefferson (Ermel), Renato (Josa), Elvis, Dodô; Lins e Rafael Moura Técnico Marquinhos Santos
Placar: 1-0, 4' 1T, Vitinho
ÁRBITRO: Luiz César de Oliveira Magalhães, auxiliado por Marcione Mardonio da Silva Ribeiro e Armando Lopes de Sousa Cartões Amarelos: Paulão e Alex; Rafael Moura e Pará
INCIDENCIAS: Jogo válido pela 28° rodada da Série A do Campeonato Brasileiro

Enfim, ela chegou. Na noite deste sábado (1), a tão esperada vitória pela Série A do Campeonato Brasileiro veio dos pés de Vitinho, e o Internacional, empurrado e motivado pela força de sua fanática torcida, conseguiu bater o indigesto Figueirense no Estádio Beira Rio, por 1 a 0.

Mesmo com o triunfo, o Colorado segue na berlinda, agora com 30 pontos na 18° colocação. Adversário direto, o Alvinegro encontra-se logo acima, com pontuação de 31 e na 17° posição na tabela de classificação.

Na próxima rodada, no meio da semana, o Esquadrão de Aço irá receber o Botafogo (8°) no Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis, enquanto o Internacional continua em Porto Alegre para outra batalha contra concorrente direto, desta vez contra o Coritiba (16°).

Vitinho marca cedo e Inter domina primeiro tempo

O clima de festa e apoio incondicional da torcida foi determinante logo no começo da partida. Motivados pela animação do estádio, os jogadores do Inter sentiram o momento e foram para cima dos visitantes, que viram William fazer boa jogada de linha de fundo e tocar no meio para Vitinho abrir o placar, logo aos quatro minutos.

Com muita marcação, o jogo era pegado, e de muitos erros de passe por parte de ambas as equipes. Mas quem quase marcou foi o Colorado, que teve Rodrigo Dourado batendo de fora da área, muito próximo da meta.

Passados 30 minutos, o Figueirense não arriscava e não conseguia trocar passes, fazendo muitas faltas no meio de campo. Aos 33', o time tentou atacar e viu os mandantes contra atacarem com William, que desta vez recebeu cruzamento de Vitinho e finalizou para grande defesa de Gatito Fernández.

No último lance de perigo da primeira etapa, o meia venezuelano Seijas limpou dois marcadores do Alvinegro e, da entrada da área, arriscou chute que tinha endereço certeiro antes de ser novamente evitado por Gatito. Dominando as ações do jogo, o Internacional iria para o vestiário em vantagem.

Figueirense ganha em posse, mas falta de criatividade sela a derrota

Voltando com ordens específicas de Celso Roth, o Colorado parecia querer tocar mais a bola, fazendo o relógio rodar. Mesmo assim, quando apareceu a oportunidade, Vitinho fugiu sozinho pela esquerda contra dois marcadores e bateu para o meio da área, mas ninguém estava lá para completar. 

Com mais posse de bola, o Alvinegro tentava ir para cima dos mandantes, mas não era capaz de organizar jogadas. Com o meio de campo muito apático, o time de Marquinhos Santos não concluía as jogadas quando chegava perto da grande área, e tentava efetuar cruzamentos, sem sucesso. 

Atendendo pedidos da torcida, Roth colocou Valdívia e Sasha para tentar aumentar o placar em contra ataque, mas ambos faziam jogadas rápidas e não conseguíam concluir quando necessário. Aos 40', o volante Fernando Bob sentiu a virilha, e não pôde continuar na partida, deixando o Inter com apenas dez homens em campo pelos últimos dez minutos. 

Mesmo assim, os visitantes não foram capazes de aproveitar-se da vantagem numérica, e, sem qualidade no ataque, o Figueirense não conseguiu furar o bloqueio colorado, e viu os adversários prenderem a bola no ataque até o apito final, onde o Estádio Beira Rio explodiu em festa. O Internacional está mais vivo do que nunca.