Santa Cruz e Sport empatam sem gols e deixam decisão para o jogo da volta

Com o resultado, o Tricolor precisa apenas de um empate com gols para enfrentar o vencedor de Sportivo Luqueño-PAR e Independiente Medellin-COL na próxima fase

Santa Cruz e Sport empatam sem gols e deixam decisão para o jogo da volta
Foto: Ney Gusmão/VAVEL Brasil
Santa Cruz
0 0
Sport
Santa Cruz: TIAGO CARDOSO; LÉO MOURA, LUAN PERES, DANNY MORAIS E ALLAN VIEIRA; UILLIAN CORREIA, DERLEY, JOÃO PAULO (DANILO PIRES, MIN. 63), PISANO E KENO (MARION, MIN. 87); GRAFITE (WALLYSON, MIN. 84). TÉCNICO: DORIVA
Sport: MAGRÃO; SAMUEL XAVIER, MATHEUS FERRAZ, RONALDO ALVES, RODNEY WALLACE (MARK GONZALEZ, MIN. 82); PAULO ROBERTO, RITHELY, EVERTON FELIPE (LENIS, MIN. 73), GABRIEL XAVIER E ROGÉRIO; EDMILSON (RUIZ, MIN. 53). TÉCNICO: OSWALDO DE OLIVEIRA
ÁRBITRO: JULIO BASCUÑAN (CHI). CARTÕES AMARELOS: MATHEUS FERRAZ, MIN. 45; PAULO ROBERTO, MIN. 49; DERLEY, MIN. 67.
INCIDENCIAS: PARTIDA VÁLIDA PELA 2ª FASE DA COPA SUL-AMERICANA 2016, DISPUTADA NA ARENA PERNAMBUCO, EM SÃO LOURENÇO DA MATA-PE. PÚBLICO: 5.517 TORCEDORES. RENDA: R$ 71.085,00.

Santa Cruz e Sport fizeram um jogo marcado pelo equilíbrio na estreia das duas agremiações na Copa Sul-Americana 2016, realizada na noite desta quarta-feira (24), na Arena Pernambuco. Tão equilibrado que a igualdade permaneceu até no placar, que terminou a partida inalterado.

A boa postura das equipes não se transformou em chances claras de gol e o primeiro Clássico das Multidões – com apenas 5.517 espectadores – em uma competição internacional oficial terminou 0 a 0, forçando a decisão da vaga para o jogo da volta.

Agora os dois times voltam a se enfrentar na próxima quarta-feira (31) também na Arena Pernambuco, pela partida de volta da segunda fase da competição continental. Em caso de novo empate sem gols, a decisão da vaga para enfrentar o vencedor dos confrontos entre Sportivo Luqueño-PAR e Independiente Medellin-COL – o time colombiano venceu na primeira partida – sairá na decisão por pênaltis. Um empate com gols dará a vaga ao Tricolor pelo critério de gols como visitante.

Primeiro tempo equilibrado e sem grandes chances

Como era esperado após a divulgação das escalações, as equipes de Santa Cruz e Sport começaram a partida buscando o ataque. Porém essa vontade demonstrada em campo não resultou em lances de grande perigo. Os dois times até tentaram chutar em gol, mas tanto Magrão quanto Tiago Cardoso não tiveram muito trabalho durante toda a primeira etapa.

Nos primeiros minutos, o Leão dominou a meia cancha coral, mas faltou criatividade ao chegar no ataque. Além disso, a defesa coral encontrava-se bem postada em campo, bloqueando toda e qualquer investida rubro-negra. A ausência do principal jogador leonino, Diego Souza, foi bastante sentida pelo setor ofensivo do Sport, que apesar de ter maior posse de bola não conseguia buscar o gol.

Tanto que o primeiro lance de maior perigo ocorreu pelo lado do Santa Cruz. Aos 22 minutos, Léo Moura avançou pelo lado direito e, de fora da área, encheu o pé obrigando Magrão a defender em dois tempos. Dois minutos depois foi a vez de Pisano tentar o arremate após bola rebatida na pequena área. Mas o pé direito não estava calibrado e a bola subiu demais passando por cima do travessão.

Na segunda metade do primeiro tempo era visível o domínio santacruzense. Mas aos 33 minutos de partida, o Sport conseguiu chegar com perigo pela primeira vez. Rogério avançou pelo meio e, da grande área, chutou com força. Tiago Cardoso não conseguiu encaixar a bola, mas na sequência se recuperou e fez a defesa. Após esse lance o jogo voltou a ficar truncado, sem proporcionar nenhuma emoção aos poucos torcedores presentes.

Mais equilíbrio, menos finalizações

A segunda etapa começou com a mesma falta de objetividade já registrada nos primeiros 45 minutos. O Santa Cruz chegava com um pouco mais de perigo nas jogadas construídas pelo meia Pisano, mas o ataque coral não consegue concretizar as boas chances. O Sport tentava algumas vezes através das jogadas individuais de Rogério, mas que também não chegavam à meta de Tiago Cardoso.

Com o passar dos minutos, e com a substituição do atacante Edmilson pelo também atacante Ruiz, o Rubro-Negro passou a ser mais ofensivo. Aos 14 minutos ofereceu perigo ao goleiro Tiago Cardoso numa cobrança de escanteio, mas o arqueiro coral conseguiu espalmar de mão trocada para a linha de fundo. Aos 19 minutos foi a vez de Everton Felipe arrematar em jogada pelo lado direito, mas o chute saiu fraco e Tiago Cardoso defendeu tranquilamente. Aos 20', Ronaldo Alves cabeceou com perigo, mas pela linha de fundo.

Pelo lado tricolor, o meia Pisano continuava sendo o único jogador com alguma qualidade na criação de jogadas. Tanto que aos 23 minutos tentou resolver sozinho em jogada pelo meio, porém novamente não acertou o pé e a bola não obteve a direção desejada pelo atleta. O atacante Keno se encontrava muito bem marcado pelo lado esquerdo e não conseguia avançar com o costumeiro perigo das partidas anteriores. E no decorrer da etapa final nada mais foi criado, fazendo com que o placar permancesse inalterado.