Com idade olímpica, Marquinhos diz que tem liberação do PSG para disputar os Jogos

Zagueiro é o sub-23 mais escalado por Dunga e foi titular na estreia da Copa América contra o Equador

Com idade olímpica, Marquinhos diz que tem liberação do PSG para disputar os Jogos
Zagueiro Marquinhos fala durante coletiva de imprensa no Ritz Carlton Hotel, em Orlando, na Flórida (Crédito: Lucas Figueiredo/Mowa Press)

Uma das esperanças do Brasil no futuro, o zagueiro Marquinhos vem buscando seu espaço cada dia mais na Seleção principal. Na tarde desta segunda-feira, o jogador do PSG deu entrevista coletiva em Orlando, nos Estados Unidos. Os brasileiros treinam para enfrentar o Haiti na próxima quarta-feira (8).

A liberação dos jogadores por parte dos clubes para a disputa da Copa América e dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro é uma questão que vem dando dor de cabeça para a CBF. Entretanto, Marquinhos afirmou que está tudo certo e será uma das opções para a disputa da medalha. "Tenho a liberação. No começo, (o PSG) acabou dificultando um pouco, mas tudo foi conversado. Tenho idade olímpica e está tudo certo", disse.

O empate em 0 a 0 com o Equador na estreia acabou rendendo muitas críticas negativas à Seleção. O zagueiro, que começou como titular no lugar de Miranda, ressaltou as coisas boas e elogiou os adversários.

"Houve muitas coisas positivas. Colocamos muitas coisas em prática do que foi combinado. Tivemos boa posse de bola, saímos de trás trabalhando a bola. O Equador dificultou muito, marcou muito bem, nos propôs dificuldades no contra-ataque. Tivemos situações de gol e não conseguimos concretizar", comentou.

Sobre seu futuro, o atleta deixou em aberto se permanece na França ou iniciará uma nova caminhada em outro time. "Em todo mercado há especulações, mas tenho contrato com o PSG até 2019. Pelo interesse de alguns clubes, muita coisa vai sair, mas procuro estar focado na Copa América porque isso aqui é muito importante para mim. Tenho contrato com o PSG, é claro que minha situação está em discussão, mas tudo vai ser resolvido após as competições com a Seleção".

Para o jogo com o Haiti, o favoritismo do Brasil é ainda maior. Em caso de derrota ou empate, a situação dos pentacampeões mundiais na competição ficará bastante delicada no grupo. Marquinhos fez questão de ter cautela e valorizou o duelo.

"O Brasil sempre tem que ganhar, é obrigação, mas temos de ter os pés no chão, respeitar o adversário, fazer por merecer. O jogo não será dado para a gente, temos de merecer, correr atrás e fazer valer. Temos de respeitar nosso adversário. Vimos o jogo do Haiti com o Peru, que acabou vencendo por 1 a 0, gol do Guerrero. Foi apertado. O futebol hoje é muito nivelado, estudado, todos sabem defender e atacar em grupo, os espaços em campo diminuem cada vez mais. Temos de analisar o que explorar melhor, quem são os jogadores mais perigosos deles", finalizou.