Rumo à Olimpíada: Walace, volante do Grêmio

Convocado "às pressas", o volante gremista chega com seu bom entendimento tático, resistência e com grandes atributos que um jogador moderno de sua posição exige

Rumo à Olimpíada: Walace, volante do Grêmio
Rumo à Olimpíada: Walace, meia do Grêmio

No dia 4 de abril de 1995, há 21 anos atrás, nascia Walace Souza Silva, ou simplesmente Walace, em Salvador, Bahia. Depois de passar pela base de quatro clubes diferentes e estrear profissionalmente em 2014, pelo Grêmio, o volante baiano foi chamado para a Olimpíada do Rio e defenderá a Seleção Brasileira na tentativa do tão sonhado Ouro Olímpico. Walace, porém, ocupará a vaga de Fred, do Shakhtar Donetsk, que estava lesionado e não foi liberado pelo clube ucraniano. Com idade olímpica, o jogador do Grêmio não ocupará nenhuma vaga dos acima de 23 anos no time de Rogério Micale.

Apesar de ser a primeira vez que defenderá a Seleção em um torneio de tamanha importância e ambição, Walace já tem suas atuações defendendo a camisa da amarelinha: disputou o Sul-Americano sub-20 em 2015, quando a base era administrada futebolisticamente por Alexandre Gallo e a Copa América Centenário, sob comando do técnico Dunga, sendo essa a primeira vez que jogaria pela seleção principal. Agora, jogando em casa, almejando vencer o ouro nos Jogos Olímpicos, o atleta estará disposto a mostrar todo o trabalho necessário para a conquista inédita. 

Quatro clubes em quatro anos, encostado em um deles e reviravolta: veja a passagem de Walace nas categorias de base

Baiano da capital, Walace começou sua carreira no futebol próximo de casa. Iniciou nas categorias de base do modesto Simões Filho, da Região Metropolitana de Salvador em 2010, quando estava de 14 pra 15 anos. No ano seguinte, defendeu a Seleção de São Francisco do Conde na Copa 2 de Julho, torneio realizado pelo Governo do Estado da Bahia com a intenção de revelar novos atletas para o cenário nacional, responsável, inclusive, pela revelação de mais de 70 atletas que tiveram seus primeiros contratos profissionais.

Jogando na quinta edição da competição, Walace foi encontrado por um olheiro do Avaí, de Santa Catarina, e foi convidado para treinar com o clube do Sul Brasileiro. Para lá rumou em 2012, onde passou a primeira etapa de sua vida longe da família. No mesmo ano, porém, sem muita utilização na base da equipe de Florianópolis, foi emprestado ao Bahia, retornando para perto de seus entes próximos e tentando construir parte de sua carreira onde nasceu. 

Contudo, o jogador não teve espaço no sub-23 do Esquadrão de Aço, descendo para o sub-20. Na nova categoria destacada pelo time da Fonte Nova não conseguiu, também, criar espaço para que seu nome fosse utilizado. Sem aproveitamento no tricolor baiano, retornou para o Avaí ainda em 2012, na tentativa de focar seus trabalhos e desenvolvimento, dessa vez, no clube que o achou primeiro. Lá, prosseguiu até o final de 2013. 

Em 2013, ainda no Avaí, disputou a Copa Santiago, um torneio também com o propósito de revelar novos jogadores e testar alguns na base dos clubes participantes. Acaba sendo um torneio internacional, mas é sempre disputado na cidade de Santiago, no Rio Grande do Sul, sendo realizada pelo time Cruzeiro de Santiago. O regulamento monta dois grupos de seis times cada, passando os quatro primeiros e, naquele ano específico, o Avaí caiu no grupo do Grêmio. Na partida em que ambos fizeram, Walace foi responsável por uma bela atuação e ainda marcou um gol de falta, o que chamou a atenção do tricolor gaúcho. 

Ao final de 2013, Walace partiu para a vizinha Porto Alegre, onde está até hoje, para jogar no sub-18 do Grêmio com o intuito de evolução, desenvolvimento e revelar o atleta quando estivesse pronto para tal. E o volante se mostrou pronto no meio de 2014, logo em um Gre-Nal, em 10 de Agosto daquele ano. O jogo, no entanto, marcava a estreia do ídolo do clube, Felipão, que vinha da Copa do Mundo para treinar o time. O treinador decidiu escalar o então garoto de 19 anos em um dos maiores clássicos brasileiros. Não poderia ser melhor.

Pelas categorias de base da Seleção Brasileira, Walace disputou o Sul-Americano de 2015 para o Sub-20, do qual realizou cinco jogos, recebeu três amarelos e um vermelho. Foi convocado para testes na Seleção Olímpica, o que explica a convocação feita por Micale. 

Estreia profissional do garoto foi se deu em um Grenal (Foto: Lucas Uebel/Getty Images)
Estreia profissional do garoto foi em um Grenal (Foto: Lucas Uebel/Getty Images)

Como profissional, Walace já mostrou que fez valer a convocação e é fundamental para o Grêmio

Dali em diante, Walace não parou. Foram outras 94 aparições vestindo a camisa tricolor - 95 no total - e apenas cinco gols marcados. Porém essa estatística é o de menos, uma vez que para a posição do camisa 5 do Grêmio não é uma exigência. O que realmente conta para saber se ele está fazendo um bom trabalho é a ocupação de espaço, desarmes, interceptações, boa saída de bola, noção de campo e entendimento tático. Todas essas características sobram o estilo de jogo do gremista. 

Em 2014, no ano da estreia nos campos profissionais, fez 20 partidas vestindo a camisa do Grêmio, sendo 19 no Brasileirão e uma na Copa do Brasil. Disputou um turno inteiro pelo clube, entre partidas de titular ou entrando do banco, sempre mostrando resistência, vigor físico e boas amostrar posicional que, aliadas ao desenvolvimento correto, poderiam transforma-lo em um jogador completo e importante para qualquer clube que defenda. Isso, contudo, foi mostrado em 2015, melhor ano até agora no time do RS. 

Em 2015, fez 50 jogos com o seu atual clube, entre Campeonato Gaúcho, Brasileiro ou Copa do Brasil. Ajudou na campanha gremista que terminou com o terceiro lugar no Brasileirão, vaga na Libertadores e quase disputa de título nacional. No campeonato, porém, já mostrou toda a importância necessária com apenas 20 anos, tendo muito o que desenvolver.

No ano de 2016 disputou o primeiro torneio continental como profissional: a Taça Libertadores da América. Lá, realizou cinco partidas ao todo, contabilizando um gol e dois cartões amarelos. Foi eliminado ainda nas oitavas de final junto com o seu clube, mas a experiência certamente conta para se tornar um jogador ainda melhor, com um futuro todo à sua frente. 

Primeiro gol como profissional defendendo o Grêmio foi no Gauchão, contra Passo Fundo (Lucas Uebel/Divulgação Grêmio)
Primeiro gol como profissional defendendo o Grêmio foi no Gauchão, contra Passo Fundo, em 2015 (Lucas Uebel/Divulgação Grêmio)

Walace na Olimpíada

Por ter sido convocado "às pressas", chega a ser pouco provável a titularidade do atleta. Entretanto, caso ocorresse, não seria nada questionável ou absurdo, uma vez que o bom futebol apresentado pelo jogador no Grêmio faz valer tal vaga. Fica a cargo do seu comandante como será decidida essa situação. 

Contudo, se vier a jogar, mesmo que do banco, Walace contribuirá muito com a ocupação dos espaços, visto toda a sua movimentação no terreno, além de boa resistência, desarme, interceptações e grande saída de bola - o camisa 5 do Grêmio acerta cerca de 87% dos passes que dá em campo. Ofensivamente, o volante não pode contribuir tanto dado à sua posição, mas ele anda evoluindo tal característica em seus atributos, "inspirado em Pogba", segundo o atleta. No segundo terço do gramado, contudo, ele será essencial uma vez que entre em campo. 

Walace em coletiva do Brasil, na Copa América Centenário (Foto: Lucas Figueiredo/MoWa Press)
Walace estava nos Estados Unidos com a Seleção Brasileira na Copa América Centenário (Foto: Lucas Figueiredo/MoWa Press)

Ficha Técnica

Nome completo: Walace Souza Silva. 

Data de nascimento: 4 de abril de 1995.

Naturalidade: Salvador, Bahia.

Altura: 1,88m.

Posição: Volante.

Clube atual: Grêmio.

Clubes por onde passou: Simões Filho (BA), Avaí (SC), Bahia (BA) e Grêmio (RS). 

Títulos: O atleta ainda não possui nenhum em seu currículo como profissional.