Weverton pega pênalti, Neymar decide e Brasil bate Alemanha para conquista do ouro inédito

Após empate no tempo regulamentar e prorrogação, seleção brasileira garante conquista inédita com goleiro brilhando nas penalidades

Weverton pega pênalti, Neymar decide e Brasil bate Alemanha para conquista do ouro inédito
Foto: Editoria de arte / VAVEL Brasil
Brasil (5)
1 1
(4) Alemanha
Brasil (5): Weverton; Zeca, Marquinhos, Rodrigo Caio, Douglas Santos; Walace, Renato Augusto; Neymar, Luan, Gabriel Jesus e Gabriel.
(4) Alemanha: Timo Horn; Jeremy Toljan, Matthias Ginter, Niklas Suele, Lukas Klostermann; Sven Bender, Julian Brandt, Lars Bender, Maximilian Meyer, Serge Gnabry; Davie Selke.
INCIDENCIAS: PARTIDA ENTRE BRASIL E ALEMANHA, VÁLIDA PELA FINAL DO FUTEBOL MASCULINO NOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 2016, DISPUTADA ÀS 17H30 (BRASÍLIA), NO ESTÁDIO DO MARACANÃ, NO RIO DE JANEIRO.

A espera finalmente acabou. Após três vices em três decisões (Los Angeles 1984, Seul 1988 e Londres 2012), o Brasil contou com o apoio da torcida e ampliou o bom retrospecto no estádio do Maracanã, encerrou o jejum e, enfim conquistou a inédita e tão sonhada medalha de ouro olímpica diante da Alemanha na tarde deste sábado (20) em partida válida pela final do futebol masculino nos Jogos Olímpicos Rio 2016

No primeiro tempo, um grande show de futebol, onde a Alemanha mandou três bolas no travessão, assustou o goleiro Weverton, mas não foi capaz de vencer a defesa brasileira. Como resposta, Neymar, aos 26 minutos cobrou uma falta com perfeição e fez a bola encontrar o de Horn, garantindo a vantagem do Brasil.

Já na etapa complementar, a Alemanha começou bem, se proveitou falhas da seleção na defesa e chegou ao gol de empate. Aos 13 minutos, Meyer marcou de pé direito após cruzamento da direita. Brasil ainda teve mais controle, mas decisões no ataque já não eram tomadas com a mesma frieza do primeiro tempo e não conseguiu transformar a pressão em gols, levando a decisão para a prorrogação.

Os dois tempos de 15 minutos adicionais correram em velocidade absurda. O Brasil dominou, mas continuou pecando nas finalizações e não conseguiu tirar a igualdade do marcador, garantindo a decisão para as penalidades máximas, onde Weverton defendeu a última cobrança alemã e Neymar converteu, dando ao Brasil seu primeiro ouro olímpico no futebol masculino.

Confira como foi o tempo real da partida entre Brasil x Alemanha na final da Rio 2016

Alemanha assusta, mas Brasil domina e cobrança de falta certeira de Neymar abre o marcador

A bola rolou e ali começou o desafio do Brasil. O Maracanã lotado embalou o início de jogo e a equipe brasileira partiu buscando colocar pressão na Alemanha. Porém, a primeira chance perigosa do jogo partiu do adversário aos três minutos, quando Brandt recebeu pela direita, avançou e chutou da entrada da grande área, mas sem muita direção. Dois minutos depois, um vacilo da defesa do Brasil originou mais uma boa chance dos alemães. Gnabry encontrou bom espaço e deu a enfiada de bola para Meyer, mas Weverton, atento ao lance, sai da meta e no carrinho afastou o perigo.

Apesar do vacilo na defesa nos minutos iniciais, o Brasil deu poucos espaços para a Alemanha, que também não cedia chances. A disputa pela bola era constante entre as duas equipes. Essa característica deixou o jogo um pouco difícil aos brasileiros, já que a Alemanha estava bem postada em campo e aos poucos ia conseguindo se desenvolver. Aos 10 minutos, Brandt arriscou pelo lado esquerdo, na entrada da área, e a bola passou por Weverton e explodiu no travessão, dando um susto no Brasil.

Mas não eram só os alemães que queriam jogo. Aos 13 minutos, uma grande chance brasileira surgiu quando Neymar recebeu na entrada da área e encontrou Douglas Santos com liberdade para receber o passe na esquerda. O lateral cruzou de primeira para Luan, que chutou, mas Süle fez o corte no meio do caminho. A partir daí, o Brasil conseguiu uma boa sequência de lances perigosos, colocando uma certa pressão na Alemanha, que fez de tudo para não deixar a bola entrar.

Diferente do início de jogo, onde estava jogando aberta, a Alemanha se recuou por volta dos 20 minutos. A forte marcação do Brasil foi eficaz para controlar a partida. E o resultado esperado aconteceu: gol do Brasil aos 26 minutos de jogo. Em cobrança de falta no lado esquerdo perto da entrada da área, Neymar mandou a bola no ângulo. Sem chances de defesa, Horn apenas viu a bola entrar. Um golaço da equipe brasileira.

O gol fez o Brasil dar uma esfriada na partida, relaxando um pouco a marcação. Foi aí que a Alemanha se aproveitou e partiu pra cima com Gnabry. Atrasado, Zeca atingiu o atacante alemão e recebeu cartão amarelo por cometer a falta. Aos 30 minutos, Meyer cobrou pela esquerda e a bola quicou no gramado e saiu por cima do travessão após desvio da defesa. Na cobrança de escanteio pela direita, Meyer se aproveitou da sobra e bateu de direita, mas Wevertou espalmou e na sequência Marquinhos fez o corte de cabeça.

No lado do ataque alemão, a bola estava em um relacionamento sério com o travessão. Aos 34 minutos, a terceira chance da Alemanha esbarrou na trave acima de Weverton quando Meyer levantou na área e Bender fechou pelo meio, desviando de cabeça. Como tentativa de acalmar o jogo, os jogadores do Brasil buscavam uma troca de passe tranquila na defesa, administrando a posse de bola. Em nova chance de bola parada após descida do Brasil ao ataque, Neymar cobrou escanteio fechado, a zaga fez corte, e a bola voltou para o camisa 10, que ficou frente a frente do marcador e arriscou uma carretilha, mas não conseguiu passar.

Aos 46 minutos, o último lance da etapa inicial foi do Brasil, quando Neymar cobrou escanteio e a zaga fez o corte. Intenso do começo ao fim, o primeiro tempo contou com boas chances de ambas as equipes. Contragolpe dos alemães assustaram os brasileiros, mas não conseguiram abrir o placar. A cobrança efetiva de Neymar garantiu a vantagem dos donos da casa no marcador.

Meyer empata para a Alemanha e leva decisão para a prorrogação

A vantagem no marcador deu um pouco de tranquilidade ao Brasil, que voltou ao segundo tempo com certa calmaria, mas nada que deixasse o time sonolento e sem arriscar partir ao ataque. Um exemplo disso aconteceu aos sete minutos, quando Neymar avançou em velocidade pelo setor esquerdo e colocou a bola à frente, ganhando a corrida do marcador. O camisa 10 fez a invasão na área e cruzou para Gabriel Barbosa, que acabou escorregando e não chegou na bola a tempo.

Num momento de desatenção de Walace e Marquinhos, que erraram a saída de bola, a Alemanha se aproveitou e recuperou a posse no campo de ataque, quando Brandt rolou a bola para Toljan na direita, que cruzou à meia altura para Meyer, livre no meio da área. O meia finalizou de primeira e deixou tudo igual no marcador aos 13 minutos. 

O gol adversário serviu para acender novamente a equipe brasileira, que voltou a buscar mais chances de jogo para virar o placar. Aos 19 minutos, uma excelente chance do Brasil quando Renato Augusto arrancou pela direita, ganhou na força e cruzou rasteiro. Na recepção, Gabriel Jesus fechou na grande área e desviou de pé direito, mas a bola saiu pela linha de fundo, bem perto da meta de Horn. E a pressão não parou por aí. Dois minutos depois, Neymar enfiou boa bola para Gabriel Barbosa na direita, que chegou até a área e trocou a posse para o pé esquerdo, mas na hora de bater foi travado pelo marcador.

Por volta dos 25 minutos, a partida ganhou um ritmo mais acelerado. Por poucos minutos a postura do Brasil em campo demonstrou uma certa ansiedade em querer virar o jogo, o que dificultou um pouco a efetividade do ataque. Mas foi temporário, pois após o momento de tensão, os brasileiros apresentaram melhora em campo, principalmente na coletividade.

O Brasil não sossegou e seguiu em busca da virada. Aos 32 minutos, Neymar arrancou pelo meio e rolou para Felipe Anderson, que ficou à frente dos zagueiros, mas demorou para dar o último toque e perdeu para a marcação. Logo em seguida, Neymar dominou na entrada da área e bateu de pé direito. Horn se esticou todo, mas não encontrou a bola, que saiu pela linha de fundo. Apertando mais uma vez a Alemanha, o Brasil chegou novamente no ataque com Zeca, que deu a bola para Luan fazer o giro na entrada da área e bater de direita. Bem posicionado, Horn defendeu seguro, sem dar rebote. 

Apesar da constante pressão, o Brasil não conseguia acertar o último toque. Cada finalização errada era uma boa chance desperdiçada. E a Alemanha chegou com perigo aos 40 minutos furando a defesa brasileira quando Brandt puxou o contragolpe ganhando de dois marcadores e deixando a sobra para Meyer na área. O meia arriscou a finalização de perna esquerda, mas a bola foi embora pela linha de fundo. 

A partir daí, o domínio ficou por conta da Alemanha por um certo período de tempo, até que o Brasil retomou a posse de bola. Restando poucos minutos para o fim da segunda etapa, os jogadores de ambas as equipes já demonstravam sinais de cansaço e os alemães tocavam a bola no campo de defesa. A equipe brasileira ainda levou perigo ao gol de Horn nos minutos finais, mas nada aconteceu, o que levou a partida decisiva para a prorrogação.

Brasil domina a prorrogação, mas não tem efetividade e decisão é levada aos pênaltis

A prorrogação começou com o Brasil no mesmo 4-4-2 que terminou o tempo regulamentar. E a seleção brasileira teve a primeira chance quando aos dois minutos, Douglas Santos lançou Gabriel Jesus, que dominou bem, invadiu a área, mas ficou na desvantagem quando tentou driblar Süle e perdeu a posse de bola. O maior problema do Brasil persistiu. Mesmo com a pressão, seguiu desperdiçando chances importantes. 

Aos seis minutos, Douglas Santos lançou Luan nas costas da marcação. O atacante dominou na grande área, fez o corte pela direita e chutou, mas foi prensado pela marcação. Na resposta ao lance anterior, a Alemannha chegou com Petersen aos sete minutos, que subiu pela direita e colocou por cima, pelas costas de Marquinhos. Brandt apareceu na grande área e tocou de primeira, mas a bola saiu por cima do gol.

O cansaço fez com que a velocidade dos times diminuísse. Os primeiros 15 minutos foram de muita tensão, erros de passe de ambos os lados e poucas chances de perigo. A atenção foi redobrada na defesa tanto do Brasil quanto da Alemanha.

O segundo tempo da prorrogação começou com Brasil no ataque e, logo no primeiro minuto, Neymar encaixou bela enfiada de bola para Felipe Anderson, que dominou, invadiu a área e tocou na saída de Horn. Porém, o goleiro fez boa defesa e salvou a Alemanha.

A partida seguiu numa disputa incessável entre as equipes e aos nome minutos surgiu uma boa chance da Alemanha. Gnabry recebeu a bola na entrada da área e mandou a bomba. Renato Augusto se jogou e desviou a bola. Prömel ficou com a sobra e bateu de longe, mas também explodiu no marcador.

Aos 12 minutos quem contou com boa chance foi o Brasil, quando Neymar achou Rafinha Alcântara na direita. O camisa 8 bateu de primeira, mas a bola explodiu no zagueiro adversário. Os minutos finais pareciam correr mais rápido que o normal. O Brasil foi melhor na prorrogação, mas não conseguiu concluir as jogadas e a decisão foi levada aos pênaltis. 

Weverton defende pênalti e Brasil conquista o ouro inédito

Nas cobranças de pênalti, quem começou foi a Alemanha. Ginter, Gnabrt, Brandt e Süle converteram as quatro primeiras cobranças. Do lado do Brasil, Renato Augusto, Marquinhos, Rafinha e Luan também balançaram as redes. A emoção ficou na última cobrança. Do lado da Alemanha, Petersen cobrou e Weverton, salvador da pátria, acertou o canto e defendeu a cobrança. Só faltava um chute para o Brasil conquistar o ouro, e Neymar na última cobrança brasileira garantiu a conquista inédita ao país.