Boxe: tudo o que você precisa saber para o Rio 2016

As mudanças e os destaques do Boxe Olímpico para as Olimpíadas do Rio 2016

Boxe: tudo o que você precisa saber para o Rio 2016
Rio 2016: Boxe Olímpico

Sempre surpreendente, o Boxe Olímpico é um dos esportes mais emocionante das olimpíadas de verão. Incluso na competição desde 1904, o esporte só não se fez presente em 1912 em Estocolmo, por conta de uma lei sueca que bania a prática do esporte no país. De lá pra cá, diversas foram as mudanças e atualizações do esporte que desde 2012, em Londres, conta com categorias femininas. O esporte será disputado no Rio-Centro, mais precisamente no Pavilhão 6. 

No Rio, o Boxe dará um passo importante com a mudança de algumas regras, a principal delas é a retirada do capacete - até então obrigatório, o que o aproxima ao chamado 'Boxe Profissional'. Tal mudança deverá aproximar lutadores das famosas competições americanas e europeias das competições olímpicas e pan-americanas. 

Destaque tanto no boxe profissional quanto no boxe olímpico, os Estados Unidos lideram o quadro de medalhas já conquistadas no esporte. Durante muito tempo, o esporte foi o mais praticado no território norte americano. Atualmente, este posto é de Cuba, potência atual do esporte e segunda no quadro geral de medalhas. 

Londres 2012: Polêmicas e surpresas 

As olimpíadas de Londres foram de suma importância para o crescimento do Boxe em território brasileiro. Com o ótimo desempenho de Esquiva (Prata na categoria até 75kg) e Yamaguchi Falcão (Bronze na categoria até 81kg), além de Adriana Araújo que conquistou o Bronze na categoria até 60kg. A medalha de prata de Esquiva, obtida após uma polêmica derrota para o japonês Ryota Murata na final, causou polêmica. 

Já naquela ocasião, ficou evidente a evolução brasileira na modalidade com a inédita chega aos pódios. Cuba, se fez presente no pódio com dois ouros e dois bronzes, mas viu a Grã Bretanha, dona da casa e a Ucrânia se destacarem e ficarem na sua frente. Esta edição concretizou mais uma vez a escrita americana, que repetiu o fraco desempenho apresentado anteriormente, nas olimpíadas de Pequim em 2008. 

Favoritos 

Sempre muito imprevisível, o Boxe não costuma ser um esporte onde se tem certeza sobre os medalhistas. Já que, além da imprevisibilidade natural do esporte, a arbitragem também é muito imprecisa o que acaba dificultando possíveis indicações de medalhistas. Mas, apesar disso, alguns atletas que já conquistaram a medalha em edições anteriores e alguns que vem obtendo um destaque podem ser considerados favoritos para chegar à conquistar uma posição no pódio. 

Algumas categorias estão muito abertas, mas outras tais como a dos Leves possuem seus destaques. O ucraniano Vasyl Lomachenko, bi-campeão olímpico da categoria até 60kg  é o alvo a ser batido e chega para mais uma olimpíada como favorito para conquistar a sua terceira medalha de ouro no esporte. Lomachenko também é o detentor do cinturão do peso pena da WBO.  

Outro lutador que tem seu lugar de destaque quando o assunto é medalha de ouro em olimpíadas é o chinês Zou Shiming, com duas medalhas de ouro (2008 e 2012) e uma medalha de bronze (2004) o atleta de 34 anos pode vir para a sua última olimpíada. Caso isso aconteça, certamente será o lutador a ser batido na categoria até 48kg (Peso Mosca-ligeiro). 

Já pelo lado brasileiro, a principal esperança de medalhas é a lutadora Adriana Araújo. Escolhida previamente como atleta indicada diretamente pelo país-sede, a boxeadora brasileira conquistou o bronze nas olimpíadas de Londres e chega no Rio com a moral em alta. No auge de seus 34 anos, Adriana contará com o apoio da torcida para a conquista do ouro. 

Nos últimos anos, os países do leste europeu e a China passaram a ganhar destaque no esporte e conquistaram lugar no pódio. Tais países são fortes candidatos à conquista de medalhas na edição do Rio de Janeiro. 

Maiores medalhistas 

O boxe não é o tipo de esporte que costuma ser dominado, sendo assim, o intervalo de 4 anos entre uma edição e outra das olimpíadas costuma ser o suficiente para uma completa reforma no pódio. Mas, fato curioso se dá pelo quadro de medalhas, já que ao invés de domínios de lutadores específicos, temos o domínio de alguns países em algumas categorias.

O início do esporte foi marcado por um domínio americano que chegou a ter o Boxe como esporte mais praticado em seu território. O seu domínio, no entanto, lhe rendeu a primeira posição no quadro geral de medalhas já disputada no esporte. São 111, somando as medalhas de ouro, prata e bronze. 

O início dos anos 90 foi de revolução no boxe e de ascenção cubana. O país teve rápida evolução no esporte, por conta de uma grande popularização do mesmo em seu território, juntamente com o vôlei e chegou a ser considerado o melhor no esporte. Ultimamente, no entando, o país vive um momento de "crise" no esporte. Sendo assim, podemos concluir que o boxe torna-se um esporte fascinante não apenas pela sua história e pela técnica envolvida. Mas também por sua imprevisibilidade.