Potência histórica no boxe, Cuba domina combates da modalidade

Boxeadores cubanos garantiram um ouro e duas pratas hoje (18)

Potência histórica no boxe, Cuba domina combates da modalidade
Julio Cesar La Cruz, novo campeão olímpico (vermelho), se esquiva de golpe de Niyazymbetov (Foto: Ryan Pierse/Getty Images)

Os combates do boxe, já em reta final, presentearam o torcedor presente no pavilhão 6 do Riocentro, com excelentes lutas válidas pelas semifinais do peso mosca feminino (48-51kg), peso galo masculino (56kg) e peso médio masculino (75kg), além da grande final dos meio-pesados masculino (81kg). O grande destaque ficava para a presença de três lutadores cubanos no ringue, incluindo Julio Cesar La Cruz, que disputaria a medalha de ouro com o cazaque Adilbek Niyazymbetov.

Uma das lutas programadas acabou não sendo realizada. Pelo peso galo, a semifinal que seria disputada pelo russo Vladimir Nikitin contra Shakur Stevenson, dos Estados Unidos, acabou terminando com vitória para o estadunidense por W.O, já que Nikitin não compareceu ao ringue. Especula-se que sua ausência tenha sido causada por lesão, já que o boxeador havia sofrido um corte na cabeça em sua luta anterior. Com a vitória, Stevenson se classificou diretamente para a final, garantindo a medalha de prata, enquanto que o russo ficou com a medalha de bronze.

O adversário do estadunidense saiu do combate entre o cubano Romeisy Ramirez e Murodjon Akhmadaliev, do Uzbequistão. Ainda existia muita expectativa para que Cuba conseguisse melhores resultados, já que o país é conhecido no mundo inteiro como uma das melhores escolas de pugilismo do mundo. Com três bronzes conquistados, Ramirez garantiu a primeira prata para seu país, ao vencer o uzbeque por decisão unânime dos juízes, dominando o combate desde o início e saindo com a vitória por 30-27 na avaliação de um dos juízes laterais e 29-28, na visão dos outros dois.

Na sequência, outro cubano subiu ao ringue, em mais uma luta válida pelas semifinais, dessa vez pela categoria dos médios (75kg). Arlen López enfrentava Kamran Shakhsuvarly, representante do Azerbaijão. Em luta bem menos movimentada que a anterior, a superioridade técnica do lutador de Cuba ficou bastante evidente e, com mais autoridade na hora de impôr seu ritmo, foi López quem dominou todo o combate, garantindo uma vitória tranquila por decisão unânime dos juízes.

Na final do dia, La Cruz e Niyazymbetov fizeram excelente combate pelos meio-pesados (81kg). O embate valia a primeira medalha de ouro para Cuba nos Jogos Olímpicos Rio 2016 e, para o cazaque, podia significar medalha de ouro olímpica, depois de ter sido prata em Londres 2012. O cubano deu um show para a torcida, lutando com guarda baixa, trabalhando muito bem sua esquiva e acertando excelentes contragolpes. Mesmo se arriscando bastante, o cubano venceu a luta por decisão unânime, sambando no centro do ringue ao final da luta, levando até mesmo seu adversário aos risos.