Bruno Senna comemora bom ano na Fórmula E em Londres

Piloto da Mahindra fecha temporada em Londres com um 2º, um 6º e o 10º lugar na classificação final

Bruno Senna comemora bom ano na Fórmula E em Londres
(Foto: Shivraj Gohil/MF2)

A fase de resultados abaixo do potencial da Mahindra Racing terminou exatamente na última etapa da temporada 2015/2016. Com o 2º lugar na véspera e o 6º no complemento da rodada dupla do e-Prix de Londres, Bruno Senna viveu seu melhor final de semana na categoria e terminou em 10º na classificação da Fórmula E, com 52 pontos. O título foi definido em favor do suíço Sébastien Buemi (Renault e-DAMS), que virou o sábado em desvantagem para o único rival Lucas di Grassi (Audi ABT), empatou a disputa ao conquistar os pontos extras pela pole de hoje e levou a melhor graças à bonificação decisiva da melhor volta depois que um choque entre ambos na primeira volta acabou com as chances dos duelistas na corrida, vencida novamente por Nicolas Prost, o outro piloto da Renault e-DAMS.

Bruno saboreou na véspera seu primeiro pódio na categoria, ao lado do amigo Nicolas Prost. "Fiquei muito contente por ele e fiz questão de dizer isso quando saímos do carro. Nicolas é um cara legal, do bem, e mereceu", afirmou o brasileiro, antes de receber o troféu que tornou possível a dobradinha dos nomes ilustres 23 anos depois que o tio Ayrton venceu o GP da Austrália seguido por Alain Prost, o pai de Nicolas. 

Hoje, no entanto, as possibilidades de um novo grande resultado foram comprometidas no treino classificatório. "Peguei tráfego na primeira volta do meu grupo e não consegui aquecer os pneus adequadamente", explicou, decepcionado com o 12º lugar no grid. "Acabei pagando um preço caro porque parti no meio de um pessoal complicado. Tem uns caras ali que pensam que estão correndo de turismo e esquecem que de monoposto fica tudo mais perigoso". 

Após a prova, Bruno assistiu às imagens do controverso acidente entre o pole Buemi e Di Grassi, que partira em terceiro. Embora tivesse antecipado o risco de uma batida logo na primeira volta ao ser entrevistado pela área de comunicação da Fórmula E antes da largada, lembrando antecedentes conhecidos de outras decisões de campeonato, Bruno não chegou a uma conclusão sobre as responsabilidades - cada envolvido, naturalmente, culpou o outro. "Pode ser que o Buemi tenha freado um pouco antes, porque sabia que o Nicolas, que saiu ao seu lado, não tentaria a ultrapassagem. Difícil dizer", observou. Sobre o desfecho do campeonato, foi enfático. "Isso é bizarro. Di Grassi e Buemi nem estavam mais disputando a corrida e ficaram ali apenas para ver quem fazia a melhor volta, como se fosse um qualifying. Na verdade, quem fez a melhor volta da prova entre os demais fui eu."

No balanço final, Bruno acredita que as últimas provas serviram para redimir a equipe ao menos parcialmente. "Foi um ano complicado, principalmente na fase inicial, quando levamos bastante azar. Desta vez, deu quase tudo certo e praticamente dobrei o número de pontos que tinha antes de chegar à Inglaterra." Bruno ainda não definiu sua situação em relação à próxima temporada da Fórmula E, cujo calendário repleto de novidades foi divulgado no fim de semana na capital inglesa. Nesta terça-feira, ele voltará à pista com a McLaren GT para os treinos coletivos das 24 Horas de Spa-Francorchamps, marcadas para o final do mês no circuito belga.

O resultado da 10ª etapa:

1 - Nicolas Prost França), Renault e-DAMS, 33 voltas
2 - Daniel Abt (Alemanha), Audi Abt, a 7s633
3 - Jérome D’Ambrosio (Bélgica), Dragon, a 22s524
4 - Loïc Duvasl (França), Dragon, a 23s290 
5 - Stephane Sarrazin (França), Venturi, a 24s984
6 - Bruno Senna (Brasil), Mahindra, a 27s174
7 - Jean-Eric Vergne (França), Virgin, a 1min07s002
8 - Nick Heidfeld (Alemanha), Mahindra, a 1min07s544
9 - Antonio Felix da Costa (Portugal), Aguri, a 1min08s324
10 - Nelsinho Piquet (Brasil), China, a 1min14s270

A classificação final: 1) Sébastien Buemi, 155 pontos; 2) Lucas di Grassi, 153; 3) Nicolas Prost, 115; 4) Sam Bird, 86; 5) Jérome D"Ambrosio, 83; 6) Stéphane Sarrazin, 70; 7) Daniel Abt, 68; 8) loïc Duval, 60; 9) Jean-Eric Vergne, 58; 10, Bruno Senna, 52.