Pilotos franceses entram no Mundial de Rallycross em bom número

Representantes do campeonato francês e outros convidados virão em peso para a etapa da casa em Lohéac

Pilotos franceses entram no Mundial de Rallycross em bom número
Guerlain Chicherit volta para a JRM após quase um ano longe do Mini RX (Foto: Divulgação/JRM Group)

O Mundial de Rallycross volta para a Europa após estar no Canadá, diretamente para a França e o circuito de Lohéac, um dos templos do rallycross e o qual costuma ter o evento mais popular da temporada, em que representantes locais e de outros campeonatos tentam a sorte contra os pilotos permanentes do Mundial, e o contingente francês estará presente com vários outros pilotos além da prata da casa Sébastien Loeb.

Um dos destaques é o retorno de Guerlain Chicherit ao volante do Mini Countryman RX da equipe inglesa JRM, após disputar duas etapas do Mundial ano passado, e é essa breve experiência que o francês quer usar a seu favor. Chicherit estava esperando o desenvolvimento do novo motor 2.0 do Mini para talvez entrar no Europeu de Rallycross, mas acabou fechando com a JRM para disputar três das próximas quatro etapas em solo europeu, o que inclui Barcelona, na Espanha, e Estering, na Alemanha, a etapa de Lohéac.

Além de Chicherit, outros dois pilotos merecem destaque. A primeira é Adeline Sagnier, a segunda mulher a participar do Mundial de Rallycross depois da sueca Ramona Karlsson aparecer em 2014, e deve se favorecer do fato que sua primeira vitória no rallycross ter justamente sido em Lohéac em 2012 na classe Super 1600, valido pelo campeonato nacional. Ela começou a disputar a classe principal, dos supercarros, em 2015, e mesmo afastada por conta de uma lesão no pé, ela ainda se econtra em boa posição no Rallycross France com seu Peugeot 207 RX. O companheiro de Sagnier, Jean-Baptiste Dubourg, é muito bem cotado para uma boa performance na etapa francesa e espera repetir o pódio conseguido no Mundial ano passado, e para garantir isso ele imediatamente trocou o Citroën C4 pelo Citroën DS3 RX, modelo que também é usado pelo bicampeão mundial Petter Solberg e que já foi usado por Loeb.

Yann Le Jossec é outro que participará com um carro de uma equipe permanente, visto que o francês substituirá o sueco Kevin Eriksson, já que o piloto da Olsbergs MSE resolveu priorizar a participação no RallyX Nordic na Suécia, onde pode partir para seu segundo título em sequência.

Além dos citados, competidores do campeonato francês de rallycross tentarão a sorte no Mundial, como no caso de Hervé “Knapick” Lemonnier, que é figura garantida em alguns eventos da temporada, mas é acompanhado por Patrick Guillerme, Pascal Le Nouvel, Fabien Chanoine, Philippe Maloigne e Jean-Philippe Dyrault.

A etapa francesa do Mundial de Rallycross ocorre no dia 4 de Setembro.