Porsche supera Audi e vence em Austin pelo Mundial de Endurance

Favoritismo da Audi acabou com pouco mais de três horas de prova. Porsche vence a terceira consecutiva no WEC

Porsche supera Audi e vence em Austin pelo Mundial de Endurance
(Foto: Porsche AG)

Audi bem que tentou, mas não conseguiu superar o bom desempenho da Porsche durante as 6 horas do Circuito das Américas, disputados neste sábado (17), em Austin no Texas.

Timo Bernhard, levou o Porsche #1 para sua terceira vitória consecutiva no WEC, depois de uma combinação de períodos de FCY e o costumeiro azar, que a Audi vem enfrentando nos últimos tempos. Bernhard dividiu o #1 com Mark Webber e Brendo Harley.

Resultado final da prova.

A Audi dominou a primeira parte da prova, abrindo vantagens superiores a 20 segundos. Parecia que desta vez a coisa seria boa para a equipe das argolas, uma dobradinha estava se desenhando. Infelizmente não foi o que aconteceu.

Tudo foi por terra, quando o Audi #8 pilotado por Loic Duval, enfrentou problemas elétricos na terceira hora de prova. Por conta disso, ficou 45 segundos parados na pista, até que o carro voltasse a funcionar. Em segundo o Audi #7 assumiu a liderança. Foi quando o Brendon Hartley com o Porsche #1 acabou fazendo sua parada em um período de FCY, enquanto os demais fizeram o mesmo em bandeira verde.

Alpine vence na classe LMP2. (Foto: Signature)
Alpine vence na classe LMP2. (Foto: Signature)

“É difícil acreditar o que pode dar errado em uma corrida de seis horas”, disse o chefe da Audi Motorsport Dr. Wolfgang Ullrich. “Nossos pilotos tiveram um desempenho extraordinário. Fomos rápidos em todas as sessões e na corrida ninguém fez melhores tempos de volta. Os revez nos atingiu duramente porque hoje uma dobradinha teria sido possível. “

Com uma vantagem de 20 segundos a frente de Benoit Treluyer que ocupava o Audi #7, só aumentou após um toque do Audi com o Ford GT #66, faltando 1 hora de 40 minutos para o fim da prova. Foram mais de seis voltas para reparos. O #7 acabou ficando na sexta posição do geral.

Timo Bernhard venceu a prova, com 23.641 segundos de vantagem para o Audi #8, que foi pilotado por Lucas di Grassi nas horas finais. O Toyota #6 terminou em terceiro. Novamente as três marcas foram representadas no pódio. O brasileiro superou Stephane Sarrazin, que ocupava o segundo lugar. Em quarto e com uma volta de diferença, o Porsche #2 de Romain Dumas, Neel Jani e Marc Lieb

Na classe LMP2, a vitória ficou com o Alpine #36 de Nicolas Lapierre, Stephane Richelmi e Gustavo Menezes. Esta foi a quarta vitória em cinco corridas disputadas. Em segundo o Ligier #43 da equipe RGR de Filipe Albuquerque, Bruno Senna e Ricardo Gonzalez. O Oreca 05, #26 da G-Drive Racing, que largou nas últimas posições, terminou em terceiro.

Aston Martin vence na GTE-PRO. (Foto: AMR)
Aston Martin vence na GTE-PRO. (Foto: AMR)

O Alpine A460-Nissan largou na pole e dominou a prova sem dificuldades, impondo um ritmo impossível de ser igualado pelos rivais. Bruno cumpriu dois turnos, inclusive o inicial, e logo percebeu que a segunda colocação seria o máximo que poderia almejar. “Foi uma corrida muito desgastante por causa do calor bizarro, mais de 30 graus de temperatura ambiente e umidade altíssima. Não foi fácil brigar com o volante por duas horas e meia. O Ricardo sofreu mais ainda dentro do carro”, explicou.

Bruno disse que o carro esteve longe de repetir o desempenho das 6 Horas do México. “Acho que erramos algo no acerto. Foi o carro mais traseiro que tivemos na temporada”, afirmou, admitindo que praticamente só viu o Alpine do time vencedor no grid em que seu Ligier ocupava a terceira posição. “Depois da largada, ele sumiu.” O pódio foi comemorado, mas o caminho que leva ao título ficou um pouco mais longo. “Essa é uma disputa que a gente vai precisar de ter um pouco de sorte para ganhar.”

O Ligier #31 da equipe ESM, terminou na quarta colocação, seguido pelo #27 da SMP Racing. Em sétimo lugar o Rebellion #13 de Alexandre Imperatori, Matheo Tuscher e Dominik Kraihamer.  

Mesma coisa na GTE-AM. (Foto: AMR)
Mesma coisa na GTE-AM. (Foto: AMR)

Aston Martin venceu a segunda consecutiva na classe GTE-PRO. O Vantage #95 de Nicki Thiim e Marco Sorensen, não tiveram adversários durante as seis horas de prova. A equipe que venceu no México com o #97, terminou em quinto lugar nos EUA.

Foi a primeira vitória de Sorensen no WEC. Para Thiim, foi a primeira desde as 6 horas do Bahrain em 2014. Em segundo James Calado e Gianmaria Bruni com a Ferrari #51 da AF Corse. A outra Ferrari da equipe, a #71 de Davide Rigon e Sam Bird terminaram na terceira posição. A Ford enfrentou problemas com o #66. Os infortúnios começarem com o ar condicionado quebrado, o que acabou custando 20 voltas para reparos. Após isso, se envolveu em um toque com o Oreca #44 da Manor. Para piorar Stefan Mueck e Oliver Pla receberam um drive-through por conta do toque. Salvando a equipe, o #67 chegou em quarto, à frente do Aston Martin #97 pilotado por Fernando Rees.

Na classe GTE-AM, a vitória também foi da Aston Martin. Seguido pelo Porsche #78 da KCMG e do Corvette #50 da Larbre Competition. Pedro Lamy caiu para terceiro na largada e começou uma formidável recuperação.