Temas do momento:
Connect with facebook

Felipe Giaffone e Paulo Salustiano decidem título da Formula Truck em Londrina

Final acontecerá no sábado, 10 de dezembro, dia do aniversário de uma das maiores cidades paranaenses. Corrida terá grande programação para população de toda a região

Felipe Giaffone e Paulo Salustiano decidem título da Formula Truck em Londrina
O experiente Felipe Giaffone pode se tornar tetracampeão da Fórmula Truck. (Luciana Flores)

Felipe Giaffone e Paulo Salustiano entram na pista do Autódromo Ayrton Senna, em Londrina, no sábado, dia 10 de dezembro, sem restrições para decidir o título da 21ª temporada da Fórmula Truck. Pela segunda vez na temporada eles estarão sem os restritores de potência em seus caminhões e por isso poderão aproveitar todos os cerca de 1.200 cavalos dos motores do Volkswagen Constellation e do Mercedes-Benz, respectivamente. Como prevê o regulamento dos mais velozes caminhões do mundo, os cinco primeiros colocados só não usam o restritor, que varia de acordo com a colocação, na prova de abertura e na última. Um alívio para os dois que utilizaram o aparato durante praticamente todo o ano.

"Sinceramente, me sinto aliviado, apesar de termos andado bem em Londrina mesmo com o restritor. Mas seria injusto nós dois, que decidiremos o título, usar também agora. Felizmente o regulamento retira isso da gente. Será diferente, pois faz tempo que não ando com o motor cheio, pois uso o restritor desde a primeira corrida do ano," disse Giaffone.

Salustiano também se sente aliviado por deixar de usar a espécie de anel que era colocado na entrada do turbo e reduzia a entrada de ar e, consequentemente, a potência dos motores dos caminhões. Ele sonha em conquistar sua terceira vitória seguida em Londrina e, mais ainda, seu primeiro título da Fórmula Truck. Ele venceu a última de 2015 e a prova disputada neste ano no autódromo paranaense.

"Será sensacional para os dois. Andar sem o restritor tira aquela agonia que me atrapalhou durante todo o ano. Não sei qual será a diferença do Felipe para os companheiros de equipe dele, mas, comparando com os Mercedes, eu levava de 10 a 12 km/h nas retas de Cascavel e de Tarumã. Isso é muita coisa e fica difícil tentar ultrapassar. Será bom voltar a andar com o motor empurrando bastante", analisa Salustiano.

A briga pelo título entre os dois tem Giaffone na liderança com 350 pontos contra 322 de Salustiano. Como estarão em jogo 53 pontos na pista de 3.145 metros do Norte paranaense, muita coisa pode acontecer. Quem corre por fora nesta disputa, mas somente pelo vice-campeonato de 2016, é Diogo Pachenki, que tem 289 pontos e pode tomar o segundo lugar de Salustiano. Matematicamente ele não pode mais alcançar Giaffone, pois faria um máximo de 342 pontos.

Outro ponto a ser destacado é a ajuda dos companheiros de equipe dos que disputam o título. Giaffone tem quatro na RM Competições: André Marques, David Muffato, Adalberto Jardim e Débora Rodrigues. Já Salustiano tem três da ABF: Wellington Cirino, Raijan Mascarello e o próprio Diogo Pachenki. Esses sete pilotos podem ser decisivos na luta entre os líderes do Campeonato Brasileiro, pois podem auxiliar seus parceiros, como fez o tetracampeão Cirino em Guaporé, ao facilitar a ultrapassagem de Salustiano. 

"Sei que minha situação é complicada. Vou para Londrina para marcar todos os pontos possíveis e ver o que acontece com o Felipe. Quero fazer a pole, vencer as duas fases e marcar as voltas mais rápidas. A ajuda dos companheiros de equipe é algo normal dentro do automobilismo, desde que seja com lealdade, como aconteceu no ano passado quando perdi o título para o Leandro Totti, que foi ajudado pelo Felipe", explica Salustiano, que na quinta-feira completou 33 anos.