Jogos Olímpicos Rio 2016: a festa é nossa, meus amigos!

Uma aula de celebração de espírito olímpico, associada a alegria natural do brasileiro, resultaram em uma das maiores aberturas olímpicas da história

Jogos Olímpicos Rio 2016: a festa é nossa, meus amigos!
Foto: Julian Finney/GettyImages

Que o brasileiro tem a plena capacidade de festejar, é conhecido de todos. Carnaval, festa do Boi de Parintins, São João e tantas outras comemorações populares por aqui realizadas encantam o mundo. Mesmo com tantas mazelas a nos afligir, conseguimos rir de nós mesmos. Temos a alegria no sangue. É natural do brasileiro ser feliz com o que tem, na medida do possível.

Na noite desta sexta-feira (6), o mundo viu, de perto ou de longe, uma memorável cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Do começo ao fim, a cultura brasileira foi enaltecida. A alegria de nosso povo estava em cada rosto que passava pelo divinamente abençoado estádio do Maracanã. Do ínicio ao fim, a energia de um povo guerreiro por natureza se fez presente e, certamene, contagiou aos "gringos" que entre os mais de 50 mil espectadores in loco, puderam admirar com seus próprios olhos tudo que somos capazes de fazer.

Foto: Cameron Spencer/GettyImages

Sofremos no dia-a-dia com todo tipo de mazelas. Política, economia, saúde, educação, mobilidade urbana. Uma série de coisas que dão errado e nos fazem, às vezes, sentir raiva, vergonha, tristeza. Mas, ter problemas não é algo exclusivamente brasileiro. Cada nação tem seu tipo de problema. Todo amor verdadeiro carece de sofrimento para prosperar. Contraditório, porém, fato consumado.

Os adeptos do "complexo de vira-lata", que sempre optam por forçar a mão nas críticas e ocultar os elogios, sofreram um duro golpe. Quem não acreditava na capacidade do Brasil de fazer uma cerimônia de abertura olímpica dar certo, deu com a cara na parede. Passou vergonha, teve que se recolher em um insólito e insatisfeito murmurar. O espetáculo foi feito de modo brilhante.

Saber que o Brasil tem a capacidade de fazer algo tão bem feito, milimetricamente planejado e executado, traz a esse sofrido povo a esperança de, algum dia em sua vida, ver esse país dar certo. Prosperar, crescer, gerar bem estar. Seguir à risca o teoricamente perfeito texto da Constituição promulgada no longínquo ano de 1988. Por ora, seguimos sendo "povo marcado e povo feliz".