Superliga Masculina de Volêi: conheça os três principais candidatos ao título dessa temporada

Jogadores de Sesi-SP, Taubaté e Cruzeiro comentam mudanças das equipes para a temporada e o favoritismo de seus clubes na competição

Superliga Masculina de Volêi: conheça os três principais candidatos ao título dessa temporada
Representantes das 12 equipes reunidos durante a festa de lançamento da competição. (Foto: Divulgação CBV)

A Superliga Masculina de Vôlei 2016/17 começa na próxima quarta-feira (26), mas os principais candidatos ao título dessa temporada já foram conhecidos pelos admiradores do esporte. Sada Cruzeiro, Funvic Taubaté e Sesi-SP, que tiveram destaque após bom inicio de temporada - o clube mineiro, ao conquistar o Mundial de Clubes no último  domingo, e os dois paulistas, por suas campanhas no estadual, que os levaram a grande final - são equipes que, costumeiramente, chegam com força à competição. Mas, neste ano, vem embaladas por suas conquistas recentes.

Desta vez, o brilho dos três candidatos esta ainda mais acentuado. Além de manterem a base das equipes que defenderam suas camisas na última Superliga, os três clubes fizeram grandes contratações, trazendo como reforços alguns dos jogadores que foram campeões olímpicos com Bernardinho nos jogos do Rio 2016.

Apesar do claro favoritismo, muitos dos jogadores desse badalado trio fizeram questão de lembrar a qualidade de outras equipes que estarão disputando a competição, mas não negam o fato de que fazem sim parte das grandes potências brasileiras da atualidade.

Sada Cruzeiro: a busca pela manutenção da hegemonia no país

Com quatro títulos conquistados na Superliga, sendo três deles consecutivos (2013/14,2014/15 e 2015/16), a equipe de Minas Gerais chega com mais um triunfo conquistado em sua bagagem: o tricampeonato do Mundial de Clubes, sobre o Zenit Kazan, da Rússia, no último domingo (23).

"É uma sensação incrível [ser campeão mundial]. Assim, cada título tem um gosto especial. Cada ano fica mais difícil, você ser defensor de um título é muito mais complicado. Você é vitrine, né? Todo mundo quer tirar casquinha, quer jogar pedra. Mas foi muito legal. Acho que o time se portou muito bem diante de adversários complicados. O time da Rússia [Zenit] na final, sem comentários. É uma seleção do mundo. Mas eu acho que foi bacana pela trajetória, pelas mudanças da equipe, que perdeu alguns jogadores e conseguiu os repor à mesma altura, foi provado. Fico feliz de poder ser tricampeão pela mesma equipe." declarou o levantador William, eleito o melhor jogador do Mundial

O reserva de Bruninho na seleção durante a Olimpíada comemorou seu desempenho individual como jogador do clube, mas não se prendeu muito á disputa da posição com o atleta do Sesi. "A seleção ficou um pouco de lado agora, com o fim do ano olímpico. Fico feliz demais por ter conquistado esse ouro olímpico, era um sonho de criança. Acho que pude ajudar, pude contribuir [...] Titular ou não, o Bruno é o cara da nossa seleção. Soube conduzir bem a seleção ao título olímpico, que é algo muito difícil. Então vamos esperar, ver como vai ser essa Superliga, e deixar a seleção um pouquinho mais pra frente."

Marcelo Mendez, técnico do Sada há sete anos, enalteceu o feito de seus comandados durante o evento de abertura da Superliga, não só pelo título mundial, mas pela campanha que vem fazendo junto ao clube ao longo de tantas temporadas."O tempo aqui [no Cruzeiro] ajuda muito. A continuidade do trabalho é muito importante para o sucesso da equipe, mas ter bons jogadores também é." disse em entrevista o treinador, que viu seu elenco passar por muitas mudanças, em especial ao fim da última temporada, quando perdeu Wallace (oposto, também da seleção) pela alta pontuação no ranking da CBV.

Com um elenco humilde e seguro de sua qualidade, o clube mineiro é presença unânime entre os favoritos ao título desta temporada. "Acho que o Cruzeiro, junto com o Sesi e o Taubaté, Campinas. Todos são favoritos. Todos montaram times pra chegar na final, e pra ganhar o título. Então é isso, nosso trabalho é esse. É fazer um excelente campeonato e chegar bem forte na fase final." afirmou Evandro, um dos grandes reforços desta temporada, que atuava no vôlei japonês.

Funvic Taubaté: o sonho do primeiro título

Atual tricampeão paulista, o Taubaté passou a existir apenas em 2013. Com uma equipe de nível bem abaixo do de seus adversários, não chegou a avançar para os playoffs em sua primeira temporada na Superliga. A partir de 2014 porém, a equipe do Vale do Paraíba conquistou uma série de patrocinadores, recebendo altos investimentos. Montou um elenco forte, contando com quatro jogadores que, na época, defendiam as cores da seleção; e, no mesmo ano, colheu frutos de seus sacrifícios com a conquista do primeiro título estadual. Apesar do salto que deu no que diz respeito a seu nível de competitividade, neste curto espaço de tempo o Taubaté não chegou a conquistar uma Superliga, tornando a competição nacional o principal objetivo para essa temporada.

"Nosso time entrou bem forte nessa briga pelo título. Claro que o time do Sada Cruzeiro, agora campeão mundial, é um dos favoritos; o time do Sesi também se reforçou bastante. Várias equipes se reforçaram e estão com times muito bons, e acredito que vá ser uma Superliga bem competitiva, como a do ano passado. Mas a gente espera chegar na final desse ano." declarou o ponta Lucarelli, que faz parte da equipe desde a temporada passada, acumulando dois títulos no clube.

O oposto da equipe do Taubaté, Wallace (mais uma das grandes estrelas da seleção, que fará parte da 23ª edição da Superliga), é o grande destaque da série de reforços que o clube contratou para a disputa da competição nacional. Integrante da equipe do Sada Cruzeiro que foi campeão da liga na temporada passada, o camisa 18 teve de deixar o ex-clube por questões relacionadas a pontuação do ranking para a inscrição de jogadores da CBV. "Era uma questão entre mim e o William. Eu não quis arriscar ficar lá [no Cruzeiro] e jogar com um levantador que eu não conhecesse, e se eu ficasse, o William não poderia ficar. Eu tive até uma proposta pra ir pra Itália, mas no final das contas Taubaté me fez uma boa proposta também, perto de São Paulo ainda. Eu pesei as coisas e achei que seria legal, e eu jogaria com o Rafa, que é um cara que eu já conheço. [...] Não sei se eu iria me adaptar tão bem com um levantador que eu não conhecesse, e com o Rafa seria diferente; eu já conheço ele, querendo ou não, já tem um jogo, então foi uma coisa mais fácil. Foi mais ou menos esse o motivo que me levou a vir para Taubaté." disse em entrevista o jogador, que é natural da capital paulista.

A escolha de ir para o clube paulista não poderia ter sido mais acertada. Em poucos meses de casa, Wallace conquistou seu primeiro título paulista com a equipe do Vale, feito que não havia conseguido no início da carreira como profissional, atuando pelo Banespa e pelo Vôlei Futuro. "Foi bem legal. [...] Meu primeiro título paulista adulto vai ser bem comemorado, bem guardado na minha memória. Eu, por ser paulista e não ter um título paulista até então, faz com que isso fique bem guardado na minha memória." declarou o jogador.

Com status de potência, o clube é visto como mais um dos grandes favoritos ao título por quase todos os participantes (e espectadores) dessa Superliga. Além da contratação do oposto, o Funvic Taubaté ainda contará com outros grandes nomes para 2016/17: Éder, também ex jogador do Sada Cruzeiro; Lucas Lóh, vice-campeão da última Superliga pelo Brasil Kirin; e Mário Jr., campeão mundial com a seleção brasileira vindo do São José Vôlei. Outros pontos positivos que jogarão a favor da equipe do interior paulista são a manutenção do capitão Rafael, do central Otávio e do ponteiro Japa.

Sesi-SP: força e tradição para conquistar o campeonato

Carregando a responsabilidade de ser a principal equipe da cidade de São Paulo e dono de um dos mais poderosos elencos do país, o Sesi-SP, que já conquistou a Superliga em 2010/11 e foi vice-campeão em 2014/15, vem com sede de vitórias para brigar pelo título. Após a queda ainda nas semis da última temporada, o clube passou por uma renovação, repatriando dois campeões olímpicos: Bruninho e Lucão, que estavam na Itália e chegam para unir forças com os companheiros de seleção, Serginho e Douglas. A equipe ainda conta com outros grandes nomes do vôleibol brasileiro e mundial, como o ponteiro Murilo, o central Sidão e o oposto Theo.

Mesmo destoando das demais equipes no que diz respeito ao nível técnico, alguns jogadores, assim como o recém-chegado Bruninho, não acreditam no favoritismo do Sesi, e veem Taubaté e Sada num nível superior. "Acho que o Cruzeiro e o Taubaté são os grandes favoritos. O Cruzeiro em primeiro, depois o Taubaté, são os principais favoritos. A gente correndo por fora também. Temos um bom time, jogadores experientes, que já venceram. Mas estamos correndo por fora. A gente vai fazer de tudo, sabemos onde podemos chegar, que é a final de uma super liga; mas ainda estamos atrás desses times, até porque somos um time novo, que acabou de ser montado. Precisamos entrosar e criar um padrão de jogo para a Superliga." afirmou em entrevista o levantador.

Serginho porém, tem uma visão um pouco mais otimista, como boa parte de seus companheiros. Mesmo com a derrota na final do estadual, o jogador do Sesi acredita que a equipe segue no seleto grupo dos favoritos dessa temporada "As expectativas são boas como sempre. Nós que estamos no Sesi estamos no bolo dos favoritos, com certeza. A gente sabe que tem outros favoritos ai. Mas o bom é que outras equipes repatriaram jogadores, como o Sesi fez com o Bruninho e o Lucão. Acho que a expectativa é das melhores. E a gente também quer jogar logo né?" brincou o jogador.

O retorno de muitos brasileiros que vinham atuando fora do país, e também a chegada de diversos estrangeiros (tanto para a disputa do braço feminino, quanto do masculino da competição) para essa Superliga, também foi assunto durante a festa de abertura organizada pela Confederação. Mesmo com os beneficíos que essas contratações trazem para o crescimento do esporte no Brasil, Serginho ressaltou que esse não é a melhor liga do mundo, e que falta um equilíbrio maior entre os níveis das equipes para que se possa conquistar esse título. "Tem outros campeonatos que estão nivelados por aí, mas eu não acredito que a Superliga seja o mais forte não. Eu acho que seria a liga mais forte do mundo se as 12 equipes estivessem no mesmo nível, que não é o que acontece. Por equilíbrio, acho que a liga italiana seria a melhor. Mas Superliga sempre tem um brilho legal, e acho que esse ano tem tudo pra ser um espetáculo maravilhoso." completou.