Estados Unidos passa sufoco, mas bate Austrália em noite inspirada de Carmelo Anthony

Dream Team chegou a ir para o intervalo atrás no placar, mas se recuperou no segundo tempo e venceu o jogo. Carmelo Anthony tornou-se o maior cestinha dos americanos em Jogos Olímpicos, superando LeBron James

Estados Unidos passa sufoco, mas bate Austrália em noite inspirada de Carmelo Anthony
Foto: Divulgação/NBA
Estados Unidos
98 88
Austrália

Na noite desta quarta-feira (10), os Estados Unidos venceram mais uma pelo basquete masculino nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, na Arena Carioca 1, no Parque Olímpico da Barra da Tijuc. Mas não foi fácil. A Austrália deu trabalho - chegou a ir para o intervalo na liderança - mas no fim prevaleceu a superioridade americana. Carmelo Anthony foi o destaque do jogo anotando 31 pontos, tornando-se também o maior cestinha da seleção em Olimpíadas.

Pela primeira vez desde 2004, os Estados Unidos foram para o intervalo perdendo o jogo. Com grande atuação de Patty Mills, que terminou o jogo com 30 pontos, a Austrália deu trabalho até o fim - e terminou a partida com melhor aproveitamento nos arremessos (50% contra 39%).

Praticamente com a classificação garantida, os Estados Unidos voltam às quadras contra a Sérvia na sexta-feira, às 19h (de Brasília). No mesmo dia, mas às 14h15, a Austrália enfrenta a China precisando de uma vitória para garantir a classificação às quartas.

Austrália surpreende, joga bem e abre vantagem

Para quem foi à Arena Carioca 1 esperando show dos Estados Unidos do início ao fim, ficou surpreso com o que viu. No início, os americanos até começaram bem com duas bolas de três pontos de Carmelo Anthony e dava a entender que seria outra vitória fácil. Entretanto, a Austrália começou a mostrar que jogaria no mesmo nível.

Liderados por seus astros da NBA, Patty Mills e Andrew Bogut, a Austrália começou a aprontar para cima dos Estados Unidos. Com ótimo aproveitamento nos arremessos (acima dos 60%), os australianos logo viraram o jogo e abriram vantagem. Os americanos, com aproveitamento abaixo dos 20%, ainda viram DeMarcus Cousins cometer duas faltas com menos de três minutos e ir descansar mais cedo.

Apesar dos constantes erros, os Estados Unidos tinha um experiente atleta olímpico em quadra, que fez a diferença a favor. Com três bolas de três pontos e 14 pontos, Carmelo Anthony liderou a equipe até a virada e ultrapassou LeBron James como maior cestinha da seleção americana em Jogos Olímpicos. No fim do primeiro período, a Austrália conseguiu empatar e terminou 29 a 29.

No segundo quarto, os australianos mantiveram a superioridade diante dos americanos. Patty Mills e Andrew Bogut continuavam liderando a equipe - destaque também para David Andersen. As ótimas jogadas de pick & roll e os arremessos precisos faziam a diferença.

A Austrália foi para o intervalo vencendo por 54 a 49, após vencer o segundo período por 25 a 20. Os australianos tinham um ótimo aproveitamento de 70% nos arremessos de quadra, contra 25% dos americanos - nas bolas de três, Austrália tinha 63% contra 48% dos Estados Unidos.

Estados Unidos se recupera, vira o jogo e vence terceira seguida

Atrás no placar no intervalo pela primeira vez desde 2004, os Estados Unidos voltaram para o segundo tempo com vontade de vencer. Isso afetou diretamente no time da Austrália, que viu o aproveitamento dos arremessos do primeiro tempo cair, porém Patty Mills continuava dando trabalho com aproveitamento nos arremessos acima dos 50%. Marcando mais forte e saindo com mais velocidade para o ataque, os americanos venceram o terceiro período por 21 a 13, com destaque para Carmelo Anthony.

Os Estados Unidos começaram os últimos dez minutos na frente. A Austrália equilibrou o jogo e buscou o empate até o fim, mas não conseguiram. No fim, Patty Mills errou arremessos preciosos. Por outro lado, Kyrie Irving e Carmelo Anthony estavam impossíveis e dando trabalho aos australianos. No fim, vitória dos americanos no último período por 28 a 21, ganhando o jogo por 98 a 88.