Imprensa internacional critica torcida brasileira durante Rio 2016

Vaias, gritos de "zika" e muita animação: como o jeito brasileiro incomodou os gringos durante as Olimpíadas

Imprensa internacional critica torcida brasileira durante Rio 2016
Torcida durante a partida de futebol masculino entre Brasil x Iraque (Foto: Lucas Figueiredo / MoWA Press)

A impensa internacional e algumas pessoas nas redes sociais não estão nada felizes com a torcida brasileira durante a Rio 2016. Isso porque, para eles, "estão tratando esportes olímpicos como se estivessem em um Flamengo x Fluminense", como descreveu um texto da agência de notícias Reuters.

Entre piadas, como o grito de "oh Zika" para a goleira Hope Solo, e vaias fortes, atletas e espectadores já reclamaram da forma como o público no Brasil torce. O motivo é a grande diferença entre a platéia que normalmente assiste aos esportes mundo a fora e o jeito mais caloroso dos locais.

"Nós estávamos esperando um pouco disso, mas é difícil porque eles não param. Quando o jogo começa, você já sacou e eles seguem sendo duros com você. Eu não entendo. Provavelmente eles querem apoiar seu time, mas é difícil. Toda vez que tocamos na bola eles são duros conosco. Não é muito encorajador, mas temos de lidar com isso", disse a tcheca Marketa Slukova, após perder para Agatha e Bárbara na estreia do vôlei de praia.

"Eu jogo há dez anos e nunca vivi isso. É um tipo de patriotismo. Eu acho que não é nada pessoal contra nós, eles só não sabem o limite entre o que é apropriado para o momento e o que não é mais. E eles querem apoiar tanto a sua equipe que eles não percebem que também somos seres humanos. Eu não sei quem poderia explicar a eles que não é assim ao redor do mundo e que é estranho, mas eu acho que eles também não vão mudar", concluiu Sulkova.

Outro grito muito criticado, mas dessa vez por brasileiros e estrangeiros, é o de "bicha" durante os jogos de futebol. Megan Rapinoe, da seleção norte-americana de futebol, é lésbica e já havia reclamado das ofensas. “É pessoalmente doloroso. Creio que seja algo do comportamento coletivo que toma conta das pessoas um pouco”, afirmou ao jornal Los Angeles Times.

Por outro lado, alguns atletas entenderam o sentimento do torcedor brasileiro e foram só elogios ao público. Novak Djokovic, eliminado na estreia por Juan Martin Del Potro, saiu chorando de quadra e não deixou de agradecer: "Não é a primeira nem a última vez que vou perder. Foi uma das melhores atmosferas que já vi em uma torcida. Foi fantástico. As horas que vivenciei aqui com a torcida foram fantásticas".

Michael Phelps, que ganhou sua 23ª medalha olímpica, a 19ª de ouro, na noite deste domingo, foi outro a falar bem na atmosfera criada. "Quando estava no bloco, achei que meu coração ia explodir. Estava tão empolgado, tão ansioso. Estava muito barulho, acho que eu nunca ouvi nada assim", disse.

Integrantes do "Dream Team" ficaram animados com a recepção dos brasileiros. Paul George, ala-pivô do Indiana Pacers, disse que "foi incrível o astral da torcida. Os sul-americanos são realmente diferentes e apoiaram as duas equipes. Isso foi interessante. É claro que jogávamos melhor e ajudamos a atrair o apoio, mas a torcida fez o jogo ficar mais atrativo, porque eles são grandes fãs do basquete".

Kevin Durant comentou as reações do público e a famosa 'ola'. "Eu vi umas três vezes o público fazer a 'ola'. Até cheguei a comentar com dois companheiros do time que estava legal acompanhar", disse. "Temos fãs de todas as partes do mundo, é um público sensacional. Parecia até futebol. Eles cantaram com frequência", comentou DeAndre Jordan.