Defesa japonesa para seleção feminina de goalball e Brasil perde sua primeira partida na Paralimpíada

Brasil perde a primeira partida para o Japão por 2 a 1

Defesa japonesa para seleção feminina de goalball e Brasil perde sua primeira partida na Paralimpíada
(Foto: Brasil2016)

Num jogo que fugiu do padrões das partidas que vêm sendo protagonistas pelo grande números de gols - o jogo só contou com três gols -, o Brasil perdeu para a equipe feminina de goalball do Japão por 2  a 1 na noite desta sexta-feira (09) na Arena do Futuro, a casa do goalball, a única modalidade exclusivamente paralímpica. A defesa japonesa novamente se saiu bem. Na primeira partida já havia feito um grande jogo no empate contra o Israel por 1 a 1. Do lado brasileiro, a jogadora Victoria Amorim, que já havia sido destaque na primeira partida do Brasil, contra os Estados Unidos por 7 a 3 marcando quatro gols, fez o único gol da seleção brasileira na partida desta sexta-feira, mas perdeu um pênalti quando o jogo ainda estava em zerado.

A partida começou com as duas equipes se defendendo muito bem e, consecutivamente, sem grandes chances de gols. O Brasil teve a chance de abrir o marcador, com um pênalti quando o relógio marcava oito minutos, no entanto, Victoria disperdiçou a cobranã e a chance de abrir o placar a favor do Brasil. Três minutos depois, foi a vez do Japão ter a seu favor uma penalidade máxima, mas, Akiko Adachi não desperdiçou e colocou o Japão em vantagem. 

No segundo tempo, a dificuldade de furar o bloqueio adversário e criar boas oportunidades de gols permaneceu para as duas equipes. Mas, Victoria Amorim, que havia perdido um pênalti na etapa inicial se redimiu e empatou o jogo na metade da etapa derradeira. Faltando um pouco mais de um minuto para o fim do jogo, Akiko Adachi converteu mais um pênalti e recolocou as japonesas em vantagem: 2 a 1 para o Japão.

Acumulndo uma vitória e uma derrota no torneio, o Brasil volta à quadra na próxima segunda-feira (12) diante do Israel, que até então, tem apenas uma partida disputada (empate contra o Japão). Já as japonesas, jogam no domingo (11) contra os Estados Unidos, que, nesta sexta-feira (09) venceu a equipe da Argélia por W.O.

Entenda o W.O da Argélia

Em partida válida pela primeira fase do grupo C do torneio feminino de goalball dos Jogos Paralímpicos Rio 2016, que marcaria estreia da seleção feminina da Argélia na competição contra os Estados Unidos não aconteceu. A equipe feminina da seleção africana não compareceu à Arena do Futuro para a partida macara para a tarde desta sexta-feira (09) contra a seleção norte americana. De acordo com informações do comitê da Rio 2016, a equipe ainda não teria chegado ao Brasil. A seleção americana já estava no vestiário da Arena quando soube da ausência de suas ardversárias. 

Ainda conforme o comitê organizador da Paralimpíada, a seleção argelina não foi desclassificada do torneio.

Um pouco sobre o goalball

O goalball foi criado em 1946 pelo austríaco Hans Lorenzen e pelo alemão Sepp Reindl. A ideia era ajudar na reabilitação de combatentes da Segunda Guerra Mundial que perderam a visão. Com estreia nos jogos de 1975, em Toronto, no Canadá, o goalball é uma modalidade exclusivamente paralímpica. A disputa acontece com duas equipes com três times cada. As linhas da quadra são táteis, para que os jogadores se localizem. Em cada extremidade há um gol gigante, de 9m. Os atletas lançam a bola, que contém um guizo, e tentam marcar o maior número de gols possível.