CRÍTICA | Final Space (primeira temporada)

Animação chegou em julho no serviço streaming Netflix e já conquistou o público

CRÍTICA | Final Space (primeira temporada)
Divulgação: TBS

Ficção científica, uma boa dose de humor e conflitos individuais. Final Space mescla todas essas características e traz uma ótima animação para todos os públicos. Criada pelo jovem produtor Olan Rogers, a série animada já estava em desenvolvimento desde 2010 em seu canal do Youtube, mas chegou somente este ano na televisão e na Netflix.

+ ‘Elvis 68 – Comeback Special’ chega às salas da Cinemark para sessão única

A história gira em torno de Gary Goodspeed, que está preso em uma nave no espaço por ter causado uns “pequenos” problemas na Terra. Acompanhado de um robô chamado KVN (ou Kevin), o qual foi criado para evitar a solidão na nave; e de uma inteligência artificial denominada HUE, Gary conhece um bichinho alienígena muito poderoso chamado Mooncake, e promete salvá-lo das garras de um vilão poderoso. Com grandes companhias feitas durante os episódios, os personagens partem na missão de salvar o espaço.

Cada episódio de Final Space começa com Gary fazendo uma breve reflexão de todo o seu tempo que esteve em órbita; às vezes boa; outras, nem tanto. Mas quanto mais você conhece ele, mais vê que o personagem é uma boa pessoa; e mesmo tomando algumas decisões erradas, valoriza muito a amizade que tem em seus amigos.

A animação não é só para crianças. Com alguns palavrões no linguajar dos personagens, a série traz pontos que carregamos em nossas vidas adultas, como a confiança, e as decisões que precisamos tomar em determinado momento de nossas vidas.

No primeiro momento, pode-se pensar que é só mais um desenho com momentos aleatórios durante a temporada, mas depois do segundo episódio vê-se que é muito mais. A animação consegue ser engraçada em sua maior parte, e tem uma sintonia muito boa entre os capítulo. Final Space não é só comédia, tem também muitos momentos emocionantes, como algumas despedidas marcantes.

O final não é decepcionante, mas deixa em aberto o que pode ter acontecido com os personagens, como uma deixa para uma próxima temporada. Mas o caminho até a sua chegada é muito bom e vale muito a pena conferir.

O elenco de dublagem de Final Space é recheado de talentos conhecidos. O próprio criador Olan Rogers dubla Gary Goodspeed, Mooncake e Tribore Menendez; Fred Armisen (Saturday Night Live) é responsável pela voz de KVN; David Tennant (Doctor Who e Jessica Jones) dubla o vilão Lord Commander; Tika Sumpter (apresentadora e modelo) interpretando Quinn; e Steven Yeun (The Walking Dead) dando vida a voz de Gatito.

Final Space chegou ao Brasil pelo canal streaming Netflix como um título original, mas a animação pertence ao canal americano TBS. Também já foi confirmado uma segunda temporada, confirmada por Olan Rogers em seu Twitter. Final Space está disponível na Netflix para os assinantes do serviço.