CRÍTICA: Black Mirror 03x03 - Shut Up and Dance

Episódio mais humano da temporada, Shut Up and Dance é intenso e chocante

CRÍTICA: Black Mirror 03x03 - Shut Up and Dance
(FOTO: Reprodução/Netflix)

Imaginem se alguém usa um podre seu pra lhe chantagear a fazer tarefas pra essa pessoa, inclusive cometer crimes. É do que trata esse episódio sensacional de Black Mirror. Mas não se enganem, o episódio ainda consegue ser mais profundo que isso.

Kenny (Alex Lawther) é um jovem comum de classe média, até que um dia é hackeado e filmado se masturbando através da webcam de seu notebook, e recebe um email anônimo onde ameaçam compartilhar esse seu vídeo com todos os seus contatos, a não ser que ele cumpra algumas tarefas. O contato anônimo então pede seu número do celular para enviar mensagens, e que o jovem mantenha seu GPS ligado, pra monitorar os passos dele.

Logo de cara, dá pra sentir a tensão pairando durante o episódio. Kenny fica desestabilizado emocionalmente, mas vai cumprir seus deveres com medo das consequências. Em sua jornada, conhece outras pessoas que estão sendo chantageadas pela mesma pessoa a fazer determinadas ações. Até que ele conhece Hector (Jerome Flynn) em suas missões, e os dois são obrigados a fazer uma missão juntos.

Confira também a crítica do 03x02 de Black Mirror

Tecnicamente, como sempre, a série dá um show. Fotografia com cores mortas e planos lindíssimos, tanto os closes pra demonstrar as reações dos personagens, quanto os planos abertos. Uma trilha sonora densa e minimalista, pra estourar com Radiohead em uma cena chocante no final do episódio.

Alguns personagens secundários tem ações que não convencem, isso acaba incomodando um pouco, também tem a questão do protagonista sofrer bullying no trabalho, que é um pouco clichê, mas no geral, o roteiro é muito bom. Há um plot twist no final que vai deixar todo mundo de boca aberta.

O Alex Lawter pra mim é o melhor ator da temporada até agora, impressionante o trabalho dele aqui. Dá pra sentir todo o desespero com que ele passa pela situação, o choro dele é muito real, e uma cena em especial envolvendo uma missão dele com o Hector... é espetacular. Ele merece demais ser lembrado nas premiações. Jerome Flynn também tá ótimo, e ele tem uma química com o Kenny muito boa. É agradável ver eles juntos. Como o episódio praticamente gira em torno deles dois, não há espaço pra outro personagem brilhar.

Shut Up and Dance é um episódio que vai te prender quando você menos espera e te fazer ter uma confusão de sentimentos em seu desfecho. O episódio mais humano da temporada até aqui.

NOTA: 8.6