Campeonato Brasileiro de Futebol Masculino Série A
Campeonato Brasileiro de Futebol Masculino Série A
Football Tournament
Soccer

Campeonato Brasileiro de Futebol Masculino Série A

1958


O Campeonato Brasileiro de Futebol Masculino é a principal competição nacional do esporte mais popular do Brasil. Disputado atualmente sob chancela da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o campeonato teve sua primeira edição no ano de 1971. Se levar em conta o Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais, pode-se dizer que o certame tem início no ano de 1922, no entanto, com a participação de agremiações esportivas, e não de conglomerados de jogadores, o primeiro torneio com status nacional de clubes se deu em 1951, com a Taça Brasil. Hoje com o formato de disputa envolvendo 20 clubes, o molde já sofreu diversas mutações.

Origens do certame nacional

A história do Campeonato Brasileiro remate lá aos anos 20, década em que o futebol no país se estabeleceu de vez, aguçando a necessidade de criar um torneio a nível nacional para se haver uma competição. Assim sendo, sem considerar as competições interclubes começadas com a Taça Ioduran e suas subjacentes, a primeira competição interestadual foi o Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais, jogada pela primeira vez no ano de 1922. A primeira edição foi conquistada por São Paulo, mas depois Rio de Janeiro tomou o posto de maior seleção vencedora. As dificuldades em organizar a reunião dos melhores jogadores eram grandes, por isso Rio de Janeiro, na época o Distrito Federal, e São Paulo optaram em colocar seus melhores clubes um contras os outros.

E foi justamente por essa medida de disputa entre ambos os estados que foi criado o primeiro interestadual de grande renome: o Rio-São Paulo, em 1933. No entanto, entre 1934 e 1940 as edições não foram realizadas pela falta de interesse dos clubes e também por falta de promoção da competição, deixando o Rio-São Paulo cair em descrédito. Mas foi em 1950 que o campeonato ressurgiu e seguiu ininterrupto até 1966. A despeito de haver com times apenas do eixo Rio de Janeiro-São Paulo, o torneio era tratado como o Brasileiro Oficioso.

Taça Brasil

Esta era do futebol marcada ficou obscura durante muito tempo da atual modernidade futebolística brasileira. Ela nasceu com a Taça Brasil — mesmo que tal titulação tenha registros datados no ano de 1951 — a primeira edição teria acontecido em 1955 se não fosse o calendário de futebol nacional já regrado de 1955 a 1958, sem a possibilidade de haver alterações por conta da Copa do Mundo de Futebol Masculino de 1958. Por esse motivo, a Taça Brasil foi jogada pela primeira vez só lá em 1959.

O principal mérito da Taça Brasil foi a integração de equipes de outros estados, além de Rio de Janeiro e São Paulo, à competição para poder dar mais caldo à filosofia de “nacional”. Tal campeonato foi abraçado pela Confederação Brasileira de Desportos (CBD) — hoje Confederação Brasileira de Futebol (CBF) — já no ano de 1954, com o intuito de dar à luz o título de campeão brasileiro, mas a ação foi adiada devido à Copa do Mundo de 1958 como dito antes.

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) apontava a criação da Copa Libertadores da América para o ano de 1958, despertando a necessidade para a CBD organizar quem representaria o Brasil no campeonato continental. E foi sob esses argumentos que a Confederação Brasileira de Desportos criou a Taça Brasil no ano de 1959 com equipes de diversos estados para ter, literalmente, o rótulo jus de “nacional”.

Na primeira edição da Taça Brasil, 16 clubes mediram forças, porém os campeões de São Paulo e do Rio de Janeiro entraram, sob força do regulamento, já na fase de semifinal. Ademais, os outros participantes se dispunham em grupos regionais. Assim, o representante do Norte/Nordeste e do o do Sul completaram a semifinal. E foi assim, que o Bahia Esporte Clube bateu o Santos Futebol Clube na primeira grande decisão da Taça Brasil.

Em sequência, no ano de 1960, foi a vez da Sociedade Esportiva Palmeiras, então Academia de Futebol, derrotar o Fortaleza Esporte Clube na final e começar a hegemonia dos paulistas.

Depois do título alviverde, o Santos Futebol Clube abocanhou a Taça Brasil em 1961, 1962, 1963, 1964, 1965 e 1968. Ali se consolidava, à prova, a geração “Santástica”. Junto a Lima e Pepe, Edson Arantes do Nascimento, sim, o Pelé, é um dos jogadores com mais conquistas da Taça Brasil, o campeonato nacional. Os três atletas chegaram ao feito com a camisa alvinegra do Santos.

Em 1961, o Santos voltou a rivalizar com o Bahia na decisão, e venceu os nordestinos numa espécie de revanche. E no ano seguinte, em 1962, a vítima do Santos de Pelé foi o Botafogo Futebol e Regatas, numa goleada esplêndida de 5 a 0 em pleno Maracanã. O tricampeonato alvinegro do Peixe, em 1963, foi tido novamente sobre o Bahia Esporte Clube, criando ali uma nova rivalidade da época. Com um ritmo alucinante, o Santos chegou a mais uma grande final e não decepcionou sua torcida, batendo o Clube de Regatas do Flamengo em 1964. Um ano depois, em 1965, o pentacampeonato santista se deu sobre o Club de Regatas Vasco da Gama.

Na sexta final consecutiva de Taça Brasil, o Santos Futebol Clube teve o Cruzeiro Esporte Clube pela frente na final, e foi a Raposa o algoz do Peixe, quebrando a sequência de cinco títulos seguidos. Assim, pela primeira vez, o título do campeonato nacional rumava ao estado de Minas Gerais.

Torneio Roberto Gomes Pedrosa/Taça Prata

Em 1967, o Torneio Rio-São Paulo, ainda sob chancela das federações paulista e carioca, teve o acréscimo de clubes do Rio Grande do Sul, de Minas Gerais e do Paraná, o que também mudou o nome do campeonato, passando de Rio-São Paulo para Torneio Roberto Gomes Pedrosa — conhecido popularmente como “Robertão”. Um ano depois, em 1968, a CBD toma posse da organização e oficializa o nome do certame para Taça de Prata, em função da cor do troféu do campeão. E foi aí, então, que os vencedores do Rio-São Paulo eram listados como ‘campeões interestaduais’ a medida em que os vencedores do Robertão/Taça de Prata eram tidos como ‘campeões nacionais’.

No entanto, nos anos de 1967 e 1968 , a Taça Brasil e o Robertão eram disputados de forma simultânea, o que tornou possível dois clubes se sagrarem campeões nacionais num mesmo ano com chancela da imprensa, embora apenas o Torneiro Robertão/Taça Prata tivesse relação com a CBD, que denominava ‘campeão nacional’ quem o vencesse — isso até 1976, quando a entidade passou a glorificar também os campeões do Rio-São Paulo.

E foi no mesmo ano de 1967 que a Sociedade Esportiva Palmeiras levou dois títulos nacionais ao levantar o troféu nas duas competições, tanto na Taça Brasil quanto no Robertão/Taça de Prata, sendo a única equipe a ter este feito no currículo. Em 1968, o Botafogo se sagrou campeão da Taça Brasil e o Santos do Robertão/Taça de Prata.

Depois disso, apenas o Robertão/Taça de Prata foi disputado com rótulo de competição nacional, logo o Palmeiras volta ao título em 1969, o Fluminense Football Club conquista o troféu em 1970, ano da última edição antes da nova mudança.

Campeões da Taça Brasil

  • 1959 – Bahia Esporte Clube (1)
  • 1960 – Sociedade Esportiva Palmeiras (1)
  • 1961 – Santos Futebol Clube (1)
  • 1962 – Santos Futebol Clube (2)
  • 1963 – Santos Futebol Clube (3)
  • 1964 – Santos Futebol Clube (4)
  • 1965 – Santos Futebol Clube (5)
  • 1966 – Cruzeiro Esporte Clube (1)
  • 1967 – Sociedade Esportiva Palmeiras (2)
  • 1968 – Botafogo Futebol e Regatas (1)

Torneio Roberto Gomes Pedrosa / Taça de Prata

  • 1967 – Sociedade Esportiva Palmeiras (3)
  • 1968 – Santos Futebol Clube (6)
  • 1969 – Sociedade Esportiva Palmeiras (4)
  • 1970 – Fluminense Football Club (1)

Reformulação do Torneio Robertão/Taça de Prata para Campeonato Nacional de Clubes

Em breve, a continuação.