LoL: Projeto Fight Like a Girl veio ajudar as mulheres no cenário

Campeonato feminino está com as inscrições abertas para que as mulheres mostrem todo seu potencial

LoL: Projeto Fight Like a Girl veio ajudar as mulheres no cenário
LoL: Projeto Fight Like a Girl veio ajudar as mulheres no cenário

Segundo um levantamento da Pesquisa Game Brasil, 75,5% dos brasileiros jogam jogos eletrônicos. Destes, 58,9% são mulheres. Porém, ainda há muitas modalidades que rechaçam a presença feminina.

O League of Legends é uma dessas comunidades, onde as mulheres encontram dificuldade em pertencer ao meio, devido a assédios e/ou falta de oportunidade profissional. Muitas mulheres até mascaram seu gênero utilizando nicknames masculinos para evitarem serem importunadas.

Buscando mudar esse cenário, foi criado o Fight Like a Girl, um campeonato feminino de League of Legends organizado pela empresa SPEC eSports. O campeonato já se encontra em sua 2ª edição, mas apresenta um problema sério para seguir adiante que, inclusive, irá atrasar o seu início: falta de inscrição de times femininos. Mas há muitas interessadas em participar que não têm equipes.

Pensando nisso, estamos elaborando uma forma de unir essas meninas com uma inscrição individual ou alguma plataforma onde elas possam se encontrar e formar equipes”, disse João Félix, CEO da SPEC eSports.

No momento, a plataforma ainda está em desenvolvimento, o que talvez a impossibilite de ser utilizada nesta edição. Mas a ferramenta será muito útil em futuras edições, pois a SPEC eSports quer tornar o campeonato feminino recorrente para incentivar a estruturação de equipes femininas. Além disso, a iniciativa busca chamar a atenção das organizações profissionais já existentes para reflexão sobre a inclusão das mulheres no cenário competitivo profissional do League of Legends.

Falta maturidade da comunidade. Ainda é um ambiente onde a maioria são homens e existe uma certa rejeição, vide a participação da jogadora Cute atuando pela CNB  e-Sports Club na SuperLiga de 2017”, afirmou João Félix.

Julia “Cute” Akemi foi a primeira mulher a participar da equipe principal de uma organização profissional de League of Legends no Brasil, jogando em partida oficial em estúdio. Cute recebeu diversos xingamentos e comentários sobre sua aparência apenas por se mulher.

Entendemos que a melhor opção não é ‘colocar goela abaixo’ a participação das mulheres, e sim ir criando espaço e dando visibilidade para que possam mostrar suas habilidades”, acrescentou João Félix.

O Fight Like a Girl é o primeiro passo para a mudança. O torneio será realizado entre os dias 6 e 20 de outubro, com transmissão e narração das semis e da grande final no Twitch, com premiação de R$ 400 para o primeiro lugar e diversas premiações menores para as outras duas finalistas.

A inscrição de time pode ser realizada por aqui. E caso uma jogadora queira se inscrever e não tenha equipe, ela pode entrar em contato com a organização do evento direto pela página da SPEC eSports, que vai buscar agrupá-la com outras jogadoras.