Relembre: em 1992, Minneapolis foi palco da conquista de uma das maiores equipes da história da NFL

Washington Redskins de Joe Gibbs ficou marcado na história do futebol americano como uma das melhores equipes de todos os tempos e derrotou o Buffalo Bills após uma grande atuação defensiva

Relembre: em 1992, Minneapolis foi palco da conquista de uma das maiores equipes da história da NFL
Foto: Focus On Sport/Getty Images

O Super Bowl tem uma mística peculiar, única, que consegue garantir, não importando o que aconteça, um ambiente mágico. Não à toa, é o principal evento esportivo do universo – e, dessa maneira, pode ser considerado como um “feriado”, metaforicamente falando, aos inúmeros fãs da bola oval no mundo. Em 2018, New England Patriots e Philadelphia Eagles serão os responsáveis pelo espetáculo, que será disputado no US Bank Stadium.   

Essa será a segunda oportunidade que a final da temporada do futebol americano será realizada em Minneapolis. Em 1992, o Super Bowl XXVI teve como palco o antigo Hubert H. Humprey Metrodome, que hoje dá lugar ao US Bank Stadium. Naquela ocasião, Washington Redskins e Buffalo Bills protagonizaram um grande confronto, que foi, obviamente, valorizado por conta do ambiente da cidade e da arena na cidade e por conta do título de uma das maiores equipes já vistas na história da NFL.

Redskins: melhor campanha da NFL

A equipe de Washington era simplesmente espetacular. Até a sua Bye Week, que ocorreu na nona semana, os Redskins haviam derrotado três adversários sem ceder nenhum ponto a eles: Detroit Lions (45-0), Phoenix Cardinals (34-0) e Philadelphia Eagles (23-0). Não apenas nesses jogos, a equipe de Joe Gibbs venceu as onze primeiras partidas anotando, no mínimo, 20 pontos em pelo menos nove oportunidades.

Além disso, a defesa era outro ponto positivo, o que resultava em uma equipe totalmente equilibrada, que conseguia atacar e se proteger com a mesma qualidade. A primeira derrota viria apenas na semana 13, para os Dallas Cowboys, por 24 a 21. Essa partida seria o “dia atípico” da equipe da capital dos Estados Unidos e, apesar de uma atuação abaixo da curva, ainda conseguiram perder por uma diferença muito pequena.

(Foto: Joseph Patronite/Getty Images)
(Foto: Joseph Patronite/Getty Images)

No decorrer da temporada, venceriam mais três partidas e sairiam derrotas na última partida do calendário regular, contra o Philadelphia Eagles. Dessa maneira, o Washington Redskins se classificaria aos playoffs com uma campanha de 14-2, sendo a maior daquela temporada na NFL – garantindo, obviamente, o título de divisão e as conquistas de melhor ataque e segunda melhor defesa da liga.

De folga na primeira rodada de playoffs, os Redskins teriam o Atlanta Falcons pela NFC Divisional e, sem muitas dificuldades, venceriam por 24 a 7. As coisas, por incrível que pareça, ficariam ainda mais fáceis na final da conferência nacional, quando derrotaram o Detroit Lions por um sonoro 41 a 10. Em um âmbito geral, a equipe treinada por Joe Gibbs marcaria 65 pontos e concederia incríveis apenas 17 em dois jogos eliminatórias.

Buffalo: lar do MVP

Assim como seu futuro rival no Super Bowl, a equipe do Buffalo Bills começou a temporada em alta, mostrando todas as suas credenciais e se provando como uma das equipes a serem batidas no restante da temporada: cinco vitórias seguidas, mostrando, desde cedo, que a força ofensiva seria a principal qualidade dessa equipe.

Com o quarterback Joe Kelly contando com um jogo terrestre invejável, que possuía Kenneth Davis e Thurman Thomas, os Bills formariam o melhor ataque de ser visto na concepção do fã do futebol americano, já que era aquele setor ofensivo que “dava show” – apesar de, teoricamente, ser o segundo melhor da liga, atrás justamente do Washington Redskins.

Thomas: o MVP (Foto: David Madison/Getty Images)
Thomas: o MVP (Foto: David Madison/Getty Images)

A campanha de 13-3 daria o título da AFC East aos Bills e a honra do troféu de MVP e de melhor jogador ofensivo da temporada nas mãos do running back Thurman Thomas, que correu para 1407 jardas – recorde da sua conferência no ano –, anotando 12 touchdowns, o RB com mais anotados durante toda aquela temporada.

Nos playoffs, enfrentariam o Kansas City Chiefs e, com a força de seu ataque, anotariam 37 pontos para consagrar uma vitória. Na final da AFC, em uma partida marcada pelas fortes defesas, a equipe treinada por Marv Levy superou o Denver Broncos por 10 a 7 e, desse jeito, carimbaria seu passaporte para Minneapolis, local do Super Bowl.

O jogo

(Foto: Focus On Sport/Getty Images)
(Foto: Focus On Sport/Getty Images)

Forte defesa dos Redskins passa por cima dos Bills

Os Bills fariam a primeira campanha daquele Super Bowl, mas, por algum motivo, seu principal jogador não estava em campo: o RB Thurman Thomas não estava em campo nas duas primeiras chamadas por ter perdido o seu capacete e, consequentemente, não podendo estar apto para jogo. Dessa maneira, a equipe de Marv Levy teve um three-and-out, dando a bola praticamente de graça aos Redskins. “Eu não conseguia encontra-lo. Eu não sabia aonde estava. Por alguma razão, alguém mudou o capacete de lugar. Eu fiquei muito chateado”, disse Thomas posteriormente.

Com a bola em jogo com todos os jogadores em campo, o panorama da partida era claro: os Redskins entraram em campo com o objetivo de segurar o forte ataque adversário, e conseguiram com precisão: após uma sonora atuação defensiva, o MVP Thurman Thomas havia corrido para apenas 30 jardas. Dessa maneira, Joe Kelly passou a investir nos passes, mas também sofreu com o esforço dos marcadores de Washington, que sackaram o quarterback em cinco oportunidades.

Resumo do primeiro tempo: Thomas não conseguia passar da forte defesa (Foto: Gin Ellis/Getty Images)
Resumo do primeiro tempo: Thomas não conseguia passar da forte defesa (Foto: Gin Ellis/Getty Images)

No primeiro quarto, o QB dos Redskins, Mark Rypien, tentava conectar Art Monk de qualquer jeito. Em um primeiro sucesso, ele obteve muito sucesso, já que a defesa dos Bills não conseguia segurar esses ímpetos ofensivos. Em uma oportunidade, o TE até chegou a marcar um touchdown, mas que acabou sendo anulado por um pé do atleta estar fora do campo no momento em que pegou o passe.

Após muitas interceptações e encontrões, os Redskins conseguiram abrir o placar no segundo período: depois uma jogada trabalhada, o RB Earnest Byner deixou sua posição e se moveu até o lado esquerdo, quando recebeu um passe de Rypien e se esticou todo para marcar o TD. Quando tudo parecia que ia melhorar aos Bills, porém, os jogadores de ataques não conseguiam receber os passes nos momentos mais importantes do jogo, o que resultou em muitas chances de marcar desperdiçadas. Dessa maneira, o placar do primeiro tempo seria vantajoso aos Redskins, que venceriam por 17 a 0.

Redskins mantém padrão e conquistam título

Ainda nos primeiros minutos do segundo tempo, o quaterback Joe Kelly sofreria, mais uma vez, com a defesa dos Redskins: ele teria um passe interceptado por Kurt Goveia, que correria para muito perto da endzone. No lance seguinte, o RB Gerald Riggs correu para mais um touchdown, colocando a vantagem da equipe de Washington em 24 a 0.

Apesar da gigantesca dificuldade de avançar no território, por conta da implacável defesa dos Redskins, os Bills não desistiram e, contando com o apoio de vinha das arquibancadas, conseguiu chegar ao seu primeiro touchdown: após uma jogada de muitas jardas lançada por Joe Kelly, o quarterback só teve o trabalho de entregar a bola para Thurman Thomas correr uma pequena distância e colocar os primeiros pontos de Buffalo no placar.

(Foto: Focus On Sport/Getty Images)
(Foto: Focus On Sport/Getty Images)

A alegria da equipe que estava atrás do placar duraria pouco. Após muitas conexões com Gary Clark, Rypien conseguiu, por meio de uma espetacular jogada de 30 jardas, encontrar o WR livre para anotar mais um touchdown, decepcionando os Bills, que até tentaram reagir com dois TDs seguidos, marcados pelo TE Pete Metzelaars e pelo WR Don Beebe, mas não conseguiriam superar a grande atuação defensiva dos Redskins, liderada pelo defensive back Brad Edwards, que teve duas interceptações na partida.

O placar final seria de 37 a 24 para o Washington Redskins, que, na época, seria a quarta equipe a vencer três Super Bowls. A conquista consagrou Joe Gibbs, como treinador de uma das maiores equipes que a NFL já viu em toda a sua história e também o quarterback Mark Rypien, que passou para 292 jardas em 18 conversões de 33 passes tentados, eleito o MVP da decisão. O Buffalo Bills, por sua vez, sairia de campo derrotado de um Super Bowl pela segunda vez consecutiva, já que no ano anterior perderam para o New York Giants por 20 a 19. 

Mark Rypien e Joe Gibbs (Foto: Sporting News Archive/Sporting News)
Mark Rypien e Joe Gibbs (Foto: Sporting News Archive/Sporting News)