Eagles precisarão confiar mais do que nunca em seu pass rush para pressionar Tom Brady

Philadelphia tem grupo talentosíssimo em linha defensiva, mas pressão precisa estar sobre QB adversário a todo tempo

Eagles precisarão confiar mais do que nunca em seu pass rush para pressionar Tom Brady
Eagles precisarão confiar mais do que nunca em seu pass rush para pressionar Tom Brady

Em meio a tantas opiniões de especialistas, jogadores e ex-jogadores, sobre o que o Philadelphia Eagles precisa fazer para manter Tom Brady sob controle, um texto se destacou. O nome de quem o escreveu não traz boas memórias ao quarterback, inclusive. Von Miller, linebacker do Denver Broncos, deu uma receita "simples" para Philly: "sack Tom Brady".

O conselho é objetivo, mas em texto publicado no site The Players' Tribune, o pass rusher, um dos melhores da liga em sua função, garante que não é fácil fazer isso. Entretanto, é essencial para os Eagles. Miller conseguiu fazer isso em 2015, quando ajudou a levar os Broncos para o Super Bowl, ao lado de DeMarcus Ware. Abaixo, confira motivos para acreditar que o confronto entre os defensive linemen de Philadelphia e Brady - e sua OL - podem ser o principal matchup do grande jogo.

Defesa dos Eagles aposta em rotação para confundir e tirar Brady de zona de conforto

Em parte de seus conselhos, Von Miller aponta que, quando Brady sofre pressão a todo instante e acaba sendo punido pelos adversários com sacks e hits, o líder dos Patriots tende a "ver fantasmas" e sentir pressão mesmo de onde não vem nada. Para tanto, os Eagles têm diversos defensive linemen com talento de sobra para correr atrás do QB rival.

Philadelphia terminou a temporada como a equipe que mais pressionou quarterbacks adversários. Além disso, também foi a franquia com mais jogadores que tiveram mais de 20 pressões: foram sete. Vinny Curry, Tim Jernigan, Fletcher Cox e Brandon Graham são os titulares, mas Derek Barnett, Chris Long e Beau Allen também tiveram boas marcas no ano. 

Fletcher Cox, pelo centro, e Brandon Graham, pelos flancos, prometem infernizar Tom Brady (Foto: Icon Sportswire via Getty Images)
Fletcher Cox, pelo centro, e Brandon Graham, pelos flancos, prometem infernizar Tom Brady (Foto: Icon Sportswire via Getty Images)

Outra estatística importante e animadora para a equipe da Pensilvânia: as águias foram os únicos a conseguir pressionar o signal caller rival por mais de 40% dos snaps em situação de passe. O número teve importância descomunal nas duas derrotas de Brady em Super Bowls, ambas para os Giants. Em 2007, New York pressionou o QB dos Patriots em 46% de suas tentativas de passe. Já em 2011, o número caiu, mas se manteve em 41%.

Os Falcons quase atingiram tal estatística no Super Bowl LI, mas acabaram falhando em manter o fôlego até o último quarto. Para não repetir os erros de Atlanta, Philly aposta justamente na rotação, tendo sete jogadores para ocupar as quatro posições da linha defensiva, se alternando quando for necessário, sem perder em qualidade.

Contra-ataque: Brady é o melhor quarterback da liga sob pressão

Apesar de todo esforço de Philadelphia, Brady contará com um esquema que é desenhado para lhe proteger ao máximo. Sua linha ofensiva não está entre as que mais se destacam na liga, mas é bastante sólida, apesar de ter permitido 35 sacks durante a temporada regular - 9ª maior marca da liga.

A lenda de New England teve uma temporada surreal quando esteve sob pressão dos adversários. Seu rating, segundo a ESPN, terminou em 111.3, superando qualquer outro quarterback em toda a liga. Rotas curtas, usando principalmente a agilidade de Amendola e de seus running backs, certamente estarão no playbook de Josh McDaniels para o Super Bowl.