A visão dos clubes argentinos na hora de contratar
Fernando Gago busca recuperar seu bom futebol em seu país de origem (Foto: Reprodução/ El Sol Online.com)

A contratação por empréstimo do volante Fernando Gago (27), junto ao Valência, foi só a cereja do bolo Albiceleste - independente do desempenho do jogador, mas referente ao impacto da transferência . O retorno de jogadores, que outrora brilharam no futebol local e a chegada de atletas de outras nacionalidades da América do Sul, vindos da Europa ou dos próprios países vizinhos, está cada vez mais comum, mesmo com todas as crises financeiras que o esporte mais popular do mundo passa por aquelas bandas.

O que mais chama a atenção é a maneira como são realizadas essas negociações. São contratações de oportunidade. Dificilmente se vê por lá, o que é comum por aqui, contratações envolvendo altos cifrões e salários astronômicos. Jogadores em má fase ou que não se adaptaram ao exterior, experientes e em fim de contrato, são os principais alvos. Com rapidez para costurar as transações, olhar crítico e bem informados, para saber como está a situação dos jogadores que migraram para o continente europeu, os clubes argentinos conseguem trazer bons valores e até jogadores de renome mundial. A estratégia e a visão de marcado futebolístico substituem os altos patrocínios, que estão em falta na terra de Diego Maradona, e propiciam ao País a oportunidade de fortalecer o campeonato local com jogadores de qualidade.

 Exemplificação do visionário mercado de compras argentino

 O Newell's Old Boys fez a festa e de uma só vez contratou Heinze (35) e Maxi Rodríguez (32), no meio do ano passado, de graça, e ainda trouxe Ignacio Scocco (28) por empréstimo. Os bons resultados não demoraram a aparecer. O time está novamente em um mata-mata de Libertadores e luta ponto a ponto pela liderança do Clausura argentino.

Após Lucas Pratto (24) brilhar na Libertadores de 2011 com o Universidad Católica, o mesmo se transferiu para o Genoa. Vendo que a adaptação do atacante ao futebol italiano não ocorreu, o Vélez Sársfield logo o sondou e conseguiu um empréstimo, mais precisamente em fevereiro de 2012. Onze meses depois o clube argentino selou sua transferência em definitivo, por €1,9M.

O Lanús, que tem apenas dois títulos em seu currículo - Apertura 2007 e a Copa Conmebol de 1996 - vem conquistando alguns bons resultados nos últimos anos, como o vice-campeonato (Clausura) argentino de 2011, campanha essa que foi impulsionada pela contratação do tetracampeão mundial Mauro Camoranesi (36), em fevereiro daquele ano. Outra boa aquisição feita pelos Granates foi o empréstimo do xerifão da seleção venezuelana, Vizcarrondo (28), feito junto ao América do México.

      

Tetra campeão mundial em solo argentino (Foto: Reprodução/ Pasion Monumental.com)      

O ítalo argentino Camoranesi, praticamente, um ano e meio depois se transferiu para um time de maior expressão, o Racing Club. Mesmo destino de Mario Bolatti (28), ex Internacional, que defenderá em seis meses de empréstimo o lado azul de Avellaneda.

A capital Buenos Aires traz dois momentos diferentes. O River Plate reconstruindo seu caminho de glórias e o Boca Juniors buscando desesperadamente sair da má fase. Mas negociações interessantes foram feitas pelos dois lados.

No ano passado os Xeneizes repatriaram dois jogadores que haviam feito sucesso no país. Sem convencer no Calcio, Pablo Ledesma (29) e Santiago Silva (32), vindos de Catania e Fiorentina, respectivamente, fortaleceram o elenco do time de La Bombonera, que alcançou o vice da Libertadores no mesmo ano. O volante foi contratado de forma gratuita, já o centroavante uruguaio custou $1,7M.

Após a perca do título Continental para o Corinthians, o rendimento do time desabou e, então, foi evidenciado o problema de elevada média de idade da equipe. Com pouco poder de investimento e um faro apurado para negociações, bons  valores desembarcaram em La Boca para dar maior velocidade e resistência ao time. A zaga era uma das principais preocupações dos dirigentes e, teve, Burdisso (24), ex-Arsenal de Sarandí, adquirido por €1,4M e Emiliano Albín (24) vindo do Peñarol por empréstimo. A linha de frente também foi reforçada: Martínez (27) foi comprado, junto ao Corinthians por €2,5M e Germán Acosta  (25) chegou do Sevilla, por empréstimo.

O River Plate, que retornou da Série B em junho de 2012, é uma amostra do atual comportamento dos times argentinos no mercado de transferências. Os Milionarios montaram um fortíssimo ataque, com um valor mínimo. Iturbe (19) e Rodrigo Mora (25) vieram por empréstimo, de Porto e Benfica, respectivamente, enquanto Trezeguet (35) chegou a custo zero, após seu contrato na Emirados Árabes chegar ao fim. Para o meio campo Ponzio (31), ex Zaragoza, desembarcou na capital Argentina de forma gratuita. O time treinado por Ramón Díaz está atualmente na terceira colocação no Campeonato Argentino.

           

Trezeguet foi peça fundamental para o River voltar a elite do futebol argentino (Foto: Reprodução/ Larazon.com)

As famosas canteiras portenhas nunca podem ser deixadas de lado

Mesclar experiência, dos jogadores que retornam do estrangeiro, com as revelações das canteiras é a solução para manter o futebol portenho em bom nível de competitividade. O volante Cirigliano (21), o meia Lanzini (20) e o atacante Funes Mori (22), todos do River, chamam atenção pela qualidade; pelos lados do estádio José Amalfitani, o atacante Rescaldani (20) e o polivalente Peruzzi (20) estão brilhando; em La Boca tem-se o meia Paredes (20), se destacando no meio de jogadores com alta bagagem.

               

Rescaldani tem faro de gol: são 15 gols anotados na temporada (Foto: Reprodução/ Sarmientodeleones.com)               

Com a competência para repatriar valiosos nomes e usando suas divisões de base, mesmo com um patamar financeiro muito inferior ao do futebol brasileiro, os clubes argentinos estão conseguindo respeitosos resultados nas últimas Libertadores. Em 2012 o Boca Juniors foi vice-campeão, em 2011 o Vélez Sársfield chegou até a semi final. No ano de 2010 o Estudiantes, campeão da América na edição anterior, chegou como favorito pelo encantador futebol apresentado, mas parou nas quartas de final frente ao Internacional. Atualmente, oitavas de final, Newell's Old Boys, Vélez Sársfield, Boca Juniors e Tigre representam o futebol Albiceleste na Libertadores da América.

VAVEL Logo