Suécia atropela a Islândia e avança às semi-finais da Euro feminina

Suécia atropela a Islândia e avança às semi-finais da Euro feminina

Dominantes durante os 90 minutos, as suecas enfrentarão a atual pentacampeã Alemanha na próxima fase (Foto: Reprodução/Sportsfile)

thiago-ienco
Thiago Ienco
SuéciaK. Hammarström; Samuelsson, Fischer, Rohlin, Thunebro; Öqvist (Goransson, min. 46), Seger, M. Hammarström (Dahlkvist,, min. 63), Jakobsson; Asllani e Schelin (Konradsson, min. 67)
IslândiaG. Gunnarsdóttir; Lárusdóttir, Atladóttir, K. Jónsdóttir (Viggósdóttir, min. 81), Ó. Vidarsdóttir; Fridriksdóttir (Thorsteinsdóttir, min. 65), Brynjarsdóttir, S. B. Gunnarsdóttir, Gísladóttir; Hönnudóttir e M. Vidarsdóttir (Jensen, min. 79)
Placar1-0, min. 3, M. Hammarström. 2-0, min. 14, Öqvist. 3-0, min. 19, Schelin. 4-0, min. 59, Schelin.
ÁRBITROKirsi Heikkinen (Finlândia) - Advertida: Fridriksdóttir (min. 50)
INCIDENCIASEuro Feminina - Suécia 2013 - Halmstad

Sem dificuldades, a anfitriã Suécia passeou sobre a Islândia neste domingo (21) em Halmstad e avançou às semi-finais da Eurocopa feminina Nas semis em Gotemburgo, a adversária será a atual pentacampeã Alemanha, que eliminou a Itália por 1 a 0 em Växjö. Nesta segunda-feira, a outra semi-final será definida a partir dos vencedores de Noruega x Espanha (Kalmar - 13h) e França x Dinamarca (Linköping - 15h45).

Durante os quatro dias de preparação para a partida, tanto a técnica Pia Sundhage quanto as jogadoras da Suécia reforçaram a importância da torcida em Halmstad, considerando-a como a "12ª jogadora" em campo. Desde 2001, a equipe não ganhava uma partida de mata-mata em Eurocopas. Preocupado com a força do time sueco aliado ao apoio maciço da torcida local, o técnico Sigurdur Eyjolfsson procurou reforçar a marcação da Islândia, que estreou participou da fase decisiva pela primeira vez na história. Ólína Vidarsdóttir entrou no time titular, substituindo Hólmfrídur Magnusdóttir, a principal jogadora do time.

A estratégia islandesa era clara - se defender bravamente e jogar no erro adversário. A Suécia, entretanto, não joga um futebol elaborado, e portanto, procura correr o menor risco possível fazendo o simples - abrindo o jogo com as meias pelas laterais observando a movimentação das atacantes. E sem nenhum mistério, a Suécia converteu sua superiodade em gols, sendo o primeiro logo aos três minutos. Marie Hammarström avançou com a bola pela faixa central e da entrada da área, chutou forte, rasteiro, no canto de esquerdo de Gudbjörg Gunnarsdóttir.

Aproveitando a "inocência" islandesa nesta fase decisiva, a Suécia consolidou sua classificação ao apertar ritmo e resolver a partida ainda no primeiro tempo. Recuando para ajudar na armação, a atacante Lotta Schelin brilhou ao dar um lindo passe para Josefine Öqvist bater na saída de Gunnarsdóttir, ampliando aos 14. Cinco minutos depois, a própria Schelin deixou o dela ao se antecipar à marcação no cruzamento de Kosovare Asllani. 

Na segunda etapa, Sundhage aproveitou para fazer mudanças e dar um descanso àquelas que fizeram a diferença na partida, como Öqvist, Hammarström e Schelin. A última no entanto, ainda deixou novamente a sua marca e se isolou na briga pela artilharia do torneio, com cinco gols. A camisa oito trabalhou bem novamente com Asllani e fechou a conta aos 14 minutos do segundo tempo. Sem potencial para reagir, restou à Islândia comemorar o avanço para o mata-mata no torneio, um incentivo a mais para a equipe buscar uma vaga na Copa do Mundo de 2015, no Canadá.

VAVEL Logo